22 de junho de 2011

#Dica de Livro: Um Amor para Recordar - Nicholas Sparks;


Desde que soube que finalmente traduziram este livro para o português que estava atrás dele. E finalmente coloquei-o na minha Lista do Mês. 
Tudo bem, quem lê meu blog desde o começo - ou quem já fez isso ao menos uma vez - deve saber que Nicholas Sparks não é um dos meus escritores favoritos, porém, sabe como é, eu quis saber se o livro era tão bom quanto o filme. E eu tenho que dizer que por mais que o livro seja tão emocionante quanto o filme - eu não parava de chorar desde de tê-lo terminado, o que aconteceu a poucas horas, bem depois do almoço -, não é tão parecido assim com a produção dos cinemas. Claro, ele mantém a essência, mas tenho que dizer que acho que depois que você assiste ao filme, o livro deixa um pouco a desejar. 
Um Amor para Recordar - para quem não sabe, o que duvido muito, mas como eu sempre faço resenhas dos livros, não poderia deixar de fazer deste - narra a história de London Carter, uma espécie de bad boy de uma cidade pequena, e Jamie Sullivan, a filha do reverendo. Jamie é descrita como uma menina sem atrativos, mas que sempre fazia o bem e que carregava uma bíblia para todos os lados - e posteriormente descobrimos que ela era de sua mãe, já falecida. Ela e Landon se conhecem desde muito pequenos, embora não fossem amigos. Para poder escapar de Química no colégio, Landon se envolve com a peça de teatro anual do reverendo, peça em que Jamie é a atriz principal. Até a noite de apresentação, Landon apenas trata Jamie como qualquer outra garota, mas daí em diante percebe que ela era mais do que a filha do reverendo. Ele percebe que há muito por trás da Jamie cristã e superprotegida, e consequentemente apaixona-se por ela. Agarrado ao sentimento de amor, Landon dedica-se quase que integralmente à Jamie. E quando a notícia de que esta tem leucemia chega, ele se torna desesperado para poder salvá-la ou apenas para não perdê-la. A partir desse momento, a narração brinca com nossos sentimentos de pena. A doença de Jamie ajuda Landon a se reaproximar de seu pai, que ajuda a pagar as despesas médicas da namorada de seu filho. Claro, como todo mundo sabe, Jamie vem a falecer, não antes de ser pedida em casamento. 
Realmente, Um Amor para Recordar não é o meu livro favorito do Nicholas, ainda é A Última Música, mas esse chega quase perto. É um romance muito tocante. Super recomendo (:

Beijo beijo ;*

Nina H. 


4 de junho de 2011

#I'll Stop The Whole World For Turning Into A Monster;



Eu sou mais do que uma menina tímida. Eu sou anti-social. Eu não saio à noite, eu não bebo, eu não fumo. E mesmo assim meus pais reclamam de mim. Ótimo, vou ser drogada e uma vadia, tá? x-x Sério, eu me irrito muito com essa coisa "se está certo é porque tem que ser assim". E o meu prêmio, hein? Então quer dizer que tudo bem eu não ser quem eu sou apenas por atenção? Beleza. 
Muitas vezes cogitei ser alguém que não sou apenas para fugir dos problemas ou para causar problemas ainda maiores. Eu pensava: "Se meus pais querem problemas então eles terão!". Mas aí hoje eu penso que isso não vai amenizar nada ou me ajudar. Então parei de querer ser que nem os personagens de Skins. Mas mesmo assim. Eu ainda fico muito fu quando eu faço tudo certinho e meus pais reclamam que eu não faço nada e que não os ajudo. Na boa, eu sou a que mais ajuda aqui em casa. Ao invés da minha mãe se rebelar contra meu irmão que realmente pouco faz, não, eu sou sempre a culpada. Sério, por que eu nasci mulher? Acho que é esse o grande problema. Se você é menina todo mundo acha que você tem que cozinhar, limpar panela e cuidar da casa. Mas, hã, eu não sou boa nisso. Eu faço, mas mais por obrigação. 
Além do mais, e a culpa? Por que tudo recai em mim? Que tipo de sistema justo é esse que ninguém pode levantar a mão e se auto-acusar, apenas acusar o próximo? Estou cheia disso também. 
Defeitos e erros todos vêem, não? Agora e as qualidade e as coisas boas? Não, né? 
Eu vivo calada. Eu não sou muito de falar. Mas penso muito. Penso em tudo. Acho que esse é o mal de ser alguém "artístico": tudo lhe leva a pensar. E eu faço isso demais. Penso quando não é preciso, penso quando não é coveniente, penso quando é proibido e penso, principalmente, antes de dormir. Pensar é uma consequência de estar vivo, mas também tem um dedo de maldição nisso. Como largamos nossos pensamentos? Não existe nenhum potinho com o dizer: "Deposite seus pensamentos aqui". Ter uma penseira, nesse sentido, deve ser bom. 
Eu imagino soluções, mas só me atacam mais problemas. 
Sério, eu só queria desaparecer por um dia e viver essa maldita felicidade escondida em mim x-x 

Beijo beijo ;*

Nina H. 

3 de junho de 2011

#Keep Calm And Listen To Monster;


                                                                               
Ok, ok. Eis o verdadeiro motivo de eu retornar ao blog à todo custo: Monster *--*
Eu soube que o Paramore entraria para a trilha sonora de Transformers 3 há uns três dias. No começo eu fiquei apenas feliz. Algo do tipo: "Awn, que amor!". Só que chegou hoje (dia da estréia da música na íntegra) e eu fiquei obcecada. Matei os dois últimos períodos do cursinho porque estou doente e fiquei vagando no Tumblr e assisitindo Gossip Girl. E aí, o que eu acho: a música inteirinha. Eu não tinha escutado a parte que soltaram antes, porque queria suspense total. Sei lá, coisa de pessoa louca, rsrs. A princípio eu achei que a canção não soava nenhum pouco como a banda, mas depois de escutar dois vezes seguidas, eu já sabia quase a letra toda e tudo começou a fazer sentido. Depois da décima vez (ou mais, não sei) eu já sabia que Monster é diferente, mas sem deixar de ser Paramore, sabe? E a letra, então? *---* Eu fiquei super orgulhosa da letra, sério. É intensa e poderosa *-* E não vamos entrar nos detalhes, porque senão eu teria que xingar e tudo mais. Mas né. Estou surtando aqui. Não paro de ouvir e ouvir e ouvir. É tão maravilhoso, sabe? Fazia tempo que eu não tinha essa sensação mágica *-* 
Eu só fico pensando no clipe, omg. 

(agora eu posso dormir feliz, porque a Patys vai baixar a música para mim, AEAEAE *-*)

A letra da canção: 

Monstro
Você era a minha consciência
Tão sólido, agora você é como água
E nós começamos a nos afogar
Não que afundaríamos muito longe
Mas eu deixo meu coração ir
Ele está em algum lugar profundo
Mas vou conseguir um novo
E voltar pela esperança que você roubou
Eu vou parar o mundo inteiro, eu vou parar o mundo inteiro
De se transformar em um monstro
Nos comendo vivos
Você nunca se perguntou como sobrevivemos?
Bem, agora que você se foi
O mundo é nosso
(ahh ahh ohh, ahh ahh ohh)
Eu sou apenas humana, eu tenho um esqueleto em mim
Mas não sou a vilã
Apesar do que você está sempre pregando
Me chame de traidor, estou apenas recolhendo suas vítimas
E elas estão ficando mais fortes
Eu ouço elas chamando
Estão chamando
Eu vou parar o mundo inteiro, eu vou parar o mundo inteiro
De se transformar em um monstro
Nos comendo vivos
Você nunca se perguntou como sobrevivemos?
Bem, agora que você se foi
O mundo é nosso
Bem, você pode sussurrar para soluções a força
Mas eu gosto da tensão
E nem sempre sabendo as respostas
Mas você irá perder, você vai perder
Eu vou parar o mundo inteiro, eu vou parar o mundo inteiro
De se transformar em um monstro, nos comendo vivos
Você nunca se perguntou como sobrevivemos?
Bem, agora que você se foi, o mundo
Eu vou parar o mundo inteiro, eu vou parar o mundo inteiro
De se transformar em um monstro, nos comendo vivos
Você nunca se perguntou como sobrevivemos?
Agora que você se foi, o mundo é nosso



Beijo beijo ;*

Nina H. 

#Dica de Livro: Como Fui Esquecer Você - Jennifer Echols;


A princípio, quando li a sinopse eu fiquei bem empolgada. Fiquei achando que o enredo lembraria algo do tipo Nicholas Sparks, sabe? Eu sei que só falo - meio que - mal do Nicholas, mas, de verdade agora, a Jennifer é pior. Não que o meu ego de escritora esteja se inflando no momento ao escrever tais palavras, não. Porque eu vivo repetindo isso para um amigo meu: não adianta, todo mundo tem um jeito próprio de escrever. Não quer dizer que ele seja ruim, ele é apenas o seu jeito. Mas independentemente do seu jeito de escrever, ele tem que ser, ao menos, decifrável. E isso é um pouco obscuro na narração da Jennifer. Ela é bastante precária, não tem coesão alguma, sabe. Havia momentos que eu nem sabia o que estava lendo. E fui ficando irritada e impaciente. 
O enredo é bastante simples - e eu gosto de coisas simples. Zoey tem um relacionamento esquisito com um amigo, Brandon,  e depois de um acidente não se recorda o que fizera antes dele. Ela teria ido se encontrar com Brandon, como planejado? Zoey, apesar de sentir-se esquisita por não se lembrar do que fizera, age como se não estivesse com amnésia. Se por um lado seu "namorado" parece evitá-la, Doug - um garoto que faz parte do time de natação do qual Zoey faz parte e que ela não suporta nenhum pouco - está sempre por perto dela. Ela tenta descobri a todo custo o que acontecera realmente antes do acidente e a verdade é realmente uma surpresa
Apesar de tudo, achei a trama bastante fraca e não acho que Jennifer tenha tanto "dom" assim para desenvolver relacionamentos, como insinuaram na contra-capa. 

Beijo beijo ;*

Nina H. 

#Dica de Livro: Impecáveis - Sara Shepard;


Bem, depois de ler o primeiro volume de Pretty Little Liars, Maldosas, foi impossível não querer ler a continuação, sério. E exatamente como em Maldosas, Impecáveis segue com o suspense acerca das mensagens de A. Não posso dizer muito, porque estaria revelando muitas cenas. Sei que o livro é igualmente intrigante e instigante, tal como o primeiro. Vale a pena (: 

Beijo beijo ;*

Nina H. 

#Dica de Livro: Just Listen - Sarah Dessen;


Tudo bem, confesso, quando li a sinopse eu fiquei eufórica pelo livro, mas depois, bem... nem tanto. Não sei. Mas mesmo assim, eu o li e quero postar uma resenha, como sempre. Porque é isso que eu faço, certo?
Kirsten, Whitney e Annabel são sustentadas por anos por um sonho que não lhes cabe a elas. Desde crianças são modelos e a mãe das meninas é a verdadeira alma feliz pelas carreiras das filhas. Para elas, a carreira de modelo começa a ser um fardo. Whitney chega a ter problemas por conta disso. Kirsten segue sua vida para longe dos olhos atentos da mãe e das câmeras fotográficas. Annabel - a caçula - é a única que ainda caminha sobre o prisma de modelo, mesmo depois de anos. Mas Annabel também lida com problemas. Sua melhor amiga, Sophie, não fala mais com ela. Sua ex-melhor amiga de infância, Clarke, a ignora. E ela carrega um segredo envolvendo o namorado da ex-melhor amiga. 
Em meio à solidão, o destino a aproxima de Owen, que é DJ da rádio comunitária e que vive para a música. Annabel, mesmo detestando as canções de Owen, aprende o valor de algumas coisas, como por exemplo da verdade. porque Owen é o oposto de Annabel: ele só fala a verdade. São dois opostos que se completam. 
Just Listen trata do drama familiar real, que poderia estar instalado em qualquer casa. 
A mensagem - Don't think or judge. Just listen - é o que realmente vale a pena, sabe. Eu adorei a mensagem. É o que enriquece o livro, realmente. Ela nos dá alternativas de mudanças de pensamento, sabe. É uma coisa meio incomum, tratando-se de um livro quase comum. 
Espero que aproveitem Just Listen (:

x-x-x
Uma coisa engraçada que eu descobri é que a autora de Just Listen é a mesma de How To Deal, que posteriormente tornou-se filme (Meu Novo Amor, em português). Como sou apaixonada por esse filme, foi bastante surpreendente para mim *-* 

Beijo beijo ;*

Nina H. 

#Fu;

Odeio esse treco, pronto. Falei.
Fiquei duas semanas sem postar porque essa coisa estava sendo idiota comigo. Valeu, Blogspot (: