29 de agosto de 2011

#Trecho do Livro "Sweet Perfection";


Retirado do diário - quase - secreto de Mana Baldin: 

Sei que existem muitos diários por aí. O diário da Mia Thermopolis. O diário da Anne Frank. E também... bem, tudo bem. São só esses que eu conheço mesmo.
Mas, com certeza, nenhum deles foi escrito por alguém tão dramático quanto eu. Ou por alguém tão azarado quanto eu.
Quer dizer, SERÁ que meu pai PENSOU DIREITO quando resolveu aceitar a minha prima PERFEITA, COM NAMORADO E QUE ESTÁ NA FACULDADE, em casa? É, ele não pensou. Tenho certeza de que não pensou. Ou melhor, acho que meu pai nem pensa direito na MAIORIA do tempo.
Como se já não bastasse ele ficar me comparando com a Brenda à distância. Agora ele pode me comparar com ela cara a cara. Beleza, pai.
Tá, TUDO BEM, pode ser que a Brenda não seja tão má assim. Ela sabe lidar com relacionamentos, porque tem um. E isso pode ser de uma grande ajuda. Ela sabe se vestir na moda, porque está cursando moda na faculdade. E isso também pode ser uma grande ajuda. Bem, PODERIA ser uma grande ajuda se eu LIGASSE para o que estou de fato vestindo. Porque a maior parte do tempo estou de tênis ou com meus coturnos pretos. Brenda alega que meninas de dezesseis anos não usam coturnos militares em lugar algum. Nem mesmo para ir à escola. Mas, bem, quem se importa com o que Brenda diz?
Ela pode ser boa em relacionamentos e saber diferenciar cetim de seda, mas com certeza – COM CERTEZA ABSOLUTA – continua sendo um porre.
Como se já não bastasse ela dormir NO MEU QUARTO, eu tenho que acordar às 06:30h da manhã sem fazer nenhum barulho para que não acorde a Senhorita Perfeição. Ela diz que uma noite de sono pode fazer milagres com os poros. Eu nem sei o que são poros. E meus pais concordam com ela – não sobre a parte de que uma noite boa de sono pode fazer milagres com os poros, porque meus pais, tal como eu, não sabem o que são poros, mas sobre a parte de ela ter o direito de ter uma boa noite de sono.
Então, essa manhã eu acordei tomando muito cuidado para não deixar cair meu celular ou chutar a Dorinha, minha cadela Golden Retriever, porque senão eu poderia me desequilibrar e cair bem em cima de Brenda.
Fui pé ante pé até o banheiro do corredor e lavei o rosto.
A essa altura, só minha mãe estava acordada, porque ela é professora de matemática e tem que chegar cedo à escola em que trabalha.
Voltei ao quarto e me vesti enquanto Dora e Brenda ainda dormiam. Dora, por sinal, estava roncando.
Como terei prova de Geografia logo no primeiro período, decidi não me atrasar, ainda que exista o segundo sinal, o que bate quinze minutos depois o primeiro.
O meu único plano para o dia é ir bem na prova de Geografia. E talvez, no final da tarde, dar uma porrada na Brenda.
O bom de mamãe ter de acordar cedo para dar aulas de matemática, é que eu posso pegar carona com ela. Geralmente eu chego bem cedo, até mesmo antes da maioria dos alunos. E isso me dá tempo de escrever aqui, o que é uma coisa totalmente terapêutica.
Parece besteira, mas ter um diário ajuda muito o meu lado psicológico. Por exemplo, eu posso reclamar da Brenda aqui a hora e quantas vezes eu quiser, e isso evita muitas brigas com meus pais. Eu posso ficar descrevendo o cabelo do Beto Jr. sem ninguém saber e assim, sem denunciar o fato de que estou apaixonada por ele. Bem, tudo bem. Talvez eu não esteja TOTALMENTE apaixonada por ele. Mas como posso explicar minhas mãos frias sempre que estou com ele?
Posso também ficar descrevendo os beijos do Fred, e ele não pode saber se beija bem ou mal.
Um diário é muito bom, nesse aspecto.
Sem contar que, depois de um tempo, o seu diário meio que se torna um amigo.
Oh, o Fred chegou.
Ele disse:
- Por que você não pode começar o seu dia de outra maneira? Tipo, tomando uma Coca-cola ou estudando para a prova?
Ao que eu respondi:
- Cala a boca.

n/n (Nota da Nina): então, eu comecei esse novo livro, do nada, semana passada. Ele narra a história de Mana (Amanda) que acha que sua vida é muito boa, até que muitos acontecimentos (como o aparecimento de seu avô e a morte de seu melhor amigo) lhe provam o contrário. Mas ela descobre que, no meio de tanta coisa ruim, o amor e a solidariedade movem o mundo. A história é meio boba, mas eu fiquei tão animada com ela *-* De vez em quando eu vou tentar postar uns trechos ;)

Nina

27 de agosto de 2011

#Novas Resenhas em Breve;

Cara, hoje eu fui ao shopping e saí de lá com uma tonelada de livros! Ha! Estou louca para começar a lê-los! 

Lista do Mês Para Ler:

Liberte Meu Coração
Autor: Meg Cabot
Editora: Record
Páginas: 404
Meu comentário: claro que tinha que ter Meg Cabot no meio, porque senão não seria eu, hahaha. E, tipo, preciso falar que eu SURTEI quando vi que a Meg tinha lançado o livro da Mia? Que tudo!
Com certeza esse vai ser o primeiro da lista, porque... ah, qual é. Desde que eu li Princesa Para Sempre quis saber como era o livro da Mia! Sempre achei que daria um romance real, sabe? Um livro de verdade. E acabou dando! Ma-ra-vi-lho-so. Meg sempre diva, né? *-*








Questões do Coração
Autor: Emily Griffin
Editora: Novo Conceito
Páginas: 438
Meu comentário: uma amiga - A Jessi, do blog All The Words , do qual faço parte também - está lendo esse livro, e embora ela tenha me dito que acha que a história não vá acabar feliz, tive vontade de lê-lo, porque é um romance, mesmo assim. Quer dizer, não deve ser pior do que Querido John

Uma curiosidade: Emily Griffin é autora de O Noivo da Minha Melhor Amiga (que se tornou filme nesse ano). 










Não Sou Este Tipo de Garota
Autor: Siobhan Vivian
Editora: Novo Conceito
Páginas: 248
Meu comentário: esse livro foi indicado pela Ciça - também do blog All The Words - e eu me interessei pelo título. Achei que é praticamente o título da minha vida. E a capa é bem interessante, bem adolescente. Nunca tinha ouvido falar nessa autora, mas vou conferir. 













Antes que Eu Vá
Autor: Lauren Oliver
Editora: Intrínseca
Páginas: 358
Meu comentário: esse também foi indicado pela Ciça, que me lembrou um pouco o filme Um Olhar do Paraíso











Insaciável
Autor: Meg Cabot
Editora: Record
Páginas: 502
Meu comentário: certo, confesso que quando soube que a Meg estava entrando na onde dos vampiros, eu fiquei meio decepcionada. Mas aí a Ciça postou uma resenha sobre o livro e eu fiquei megaempolgada para lê-lo, porque ela diz que Insaciável é mil vezes melhor do que Crepúsculo (o que não duvido). Mas, bem, considerando que é a Meg a autora, não é dúvidas de que eu vou gostar. 









Ps: eu fiquei muito tempo sem postar resenhas, porque estou relendo os livros de O Diário da Princesa, mas não se preocupem, porque não estou largando o blog ;)

Nina

24 de agosto de 2011

#Selinho;


Regras do selinho:
Indicar 10 Blogs para esse Selinho
Avisar aos indicados sobre o meme
Falar 10 coisas sobre você
Linkar o blog que te presenteou

Blogs indicados:

10 Coisas Sobre Mim:
- Eu já vivi em três cidades diferentes;
- As pessoas não acreditam em mim quando digo que tenho 19 anos;
- Nunca vi nem li O Senhor dos Anéis;
- Comecei a ver Gossip Girl, mas parei na terceira temporada;
- Tenho sete cachorros. Seis são York Shires e uma é Poodle;
- Não gosto de heróis;
- Prefiro chocolate branco à chocolate preto;
- Não tomo Nescau nem Toddy. Tomo Ovomaltine. Agora, se eu tomo Nescau, eu fico enjoada, porque já me acostumei com o Ovomaltine;
- Não faço idéia de como passei na oitava série, porque eu só ficava conversando com a Ju e falando sobre Harry Potter;
- Eu sou apaixonada por pessoas ruivas;
- Não tenho uma melhor amiga, porque acho que isso é meio superficial e rebaixa as outras amizades.

De quem recebi o selinho: da Jessi, do blog All The Words

Nina

20 de agosto de 2011

#Dica de Livro: Anna e o Beijo Francês;


Autora: Stephanie Perkins
Editora: Novo Conceito
Páginas: 288
Sinopse: Anna Oliphant não está nada entusiasmada com a ideia de se mudar para Paris, já que seu pai, um famoso escritor norte-americano, decidiu enviá-la para um colégio interno na Cidade Luz. Anna prefere ficar em Atlanta, onde tem um bom emprego, uma grande amiga e um quase namorado. Mas, ao chegar a Paris, Anna conhece Étienne St. Clair, um rapaz inteligente, charmoso e bonito. Só que Etiénne tem uma namorada. Anna e Etiénne se aproximam e as coisas ficam mais complicadas. Será que um ano inteiro de desencontros em Paris terminará com o esperado beijo francês? Ou certas coisas simplesmente não estão destinadas a acontecer?

Resenha: quando eu vi no blog das meninas que esse livro estava na promoção do mês, logo de cara eu quis lê-lo. Fiquei aguardando ansiosa o volume que a Ciça me fez o favor de me mandar e o li em dois dias *-* Logo de cara eu achei que a história ma-ra-vi-lho-sa. Logo na primeira página eu já me identifiquei com a Anna e nas páginas posteriores eu já me envolvi totalmente na história inteligente, bem-humorada e com um toque estrangeiro. Meninas que amam sotaques ingleses sabem de que estou falando. Anna é enviada para um internato americano na França por seu pai (que é o Nicholas Sparks, estou falando SÉRIO! Eu morri logo na segunda página por isso. Leiam e tirem suas próprias conclusões), mas a garota vai contra a vontade. Ela não queria largar sua melhor amiga Bridgette e o paquera Toph. Sem contar seu irmãozinho e sua mãe. Mas lá estava ela em Paris, completamente perdida e sentindo-se deslocada, já que não entendia nadinha da língua. Já em seu primeiro dia, ela conhece Meredith, que a acolhe em seu grupinho: Josh, Ramish e St. Clair. 
A conexão com St. Clair é imediata, mas ele tem namorada. Não que isso o impeça de ser lindo e adorável. Mas ele se torna proibido, até que Anna o vê como melhor amigo. 
Em Paris, Anna vai conhecer pessoas que nunca mais sairão de sua vida. É um romance sincero, puro, muito delicioso e envolvente. É impossível não se ansiar com as cenas ou não ter reações com cada movimento de Anna e St. Clair. 
St. Clair encosta na perna de Anna. Arrepios. St. Clair fala qualquer palavra: olhinhos brilhando. Juro. Recomendo-o para quem ama romances - não aqueles água com açúcar, pois Stephanie vai muito além disso -, para quem está solteiro, para quem tem namorado, ou mesmo para aqueles que acham que tudo é romântico e bonitinho, assim como eu.

Nina H.