31 de dezembro de 2011

{Música do Dia}

AEAE, último dia do ano! Ainda bem, sim ou claro? 

Tudo bem, manoletes? (de onde eu tirei isso?)

Eu sei que essa semana não teve nenhuma música para alegrar o dia de vocês, mas hoje vai ter (quem ficou feliz por isso?) (deixa pra lá) Mas, bom, a música de hoje vai ser postada mais pelo clipe do que pela canção em si, porque no mês passado comecei a ver uns gifs dele (do clipe) no tumblr e não sabia qual era o nome da banda, nem o nome da música. Mas aí, no começo do mês, eu estava estudando com a TV ligada (crianças não façam isso, estudem direitinho!) e percebi que era o clipe que eu estava procurando! *-* E, não, não gostei dele apenas porque a Miley Cyrus está nele (sim, eu até gosto dela u-u)... é também pelo fato de o Kevin Zegers estar nele. Quer dizer, depois que vi Coisas de Meninos e Meninas, eu totalmente fiquei apaixonada por ele :B


Eu achei o clipe bem legal, sério mesmo. Bem criativo e tudo. É meio, tipo, confuso e tal, com a Miley sempre correndo, mas eu gostei muito. Mas eu ainda acho que aquele vestido curto da Miley ficou muito oh-meu-Deus (e não de um jeito bom). Mas acho isso só porque NUNCA usaria um vestido daqueles (e com certeza meu pai nunca me deixaria sair de casa com ele). Se você odiou, ou não saber dar uma opinião muito concreta, ou gostou, ou amou, comente! Divida seu coraçãozinho comigo *-* 


Com todo coração,
Nina

{2012}

Ano novo, vida nova? Mais ou menos. Ao menos template novo! Quem gostou desse, comenta a sua opinião! Infelizmente eu tive que mudar, porque o antigo estava com uns probleminhas na caixa de comentários. Então, se esse ainda estiver com o mesmo defeito, não se acanhe e deixe uma mensagem para mim no face, bem aqui!

Antigamente eu gostava muito mais da virada do ano. Eu planejava coisas que realmente se cumpriam, eu ajudava bem mais as pessoas, eu cuidava mais. Hoje, nem tanto. Ultimamente não há muito significado para o Ano Novo para mim. Antigamente eu ia nas festas de família (e minha família é muito grande), e quando acabava a noite, me dava uma dó, um arrependimento por não ter aproveitado mais, ou talvez apenas fosse saudade das pessoas que ali estavam e que eu só veria no próximo dia 31 de dezembro. Muita gente já se foi e eu nem me despedi. E sei que muita gente ainda se vai e continuo pensando que não irei me despedir delas também. A cada ano que conquistamos, parece que aquele sentido da vida vai se esvaindo aos poucos, parece que ainda somos os mesmos, que não amadurecemos, que não fizemos nada de diferente. Hoje, só comemoramos eu, meus pais e meu irmão, pois agora moro em Porto Alegre e a minha família toda é do estado de São Paulo. E esse ano não verei ninguém de lá, porque passaremos as férias na praia. Fico pensando: "E se...", mas aí suspiro e deixo a frase no ar, porque é doloroso começar as frases com essas duas palavras. Porque elas nos transmitem um pouco de arrependimento. 
"E se eu morrer amanhã?"
"E se eu não for visitá-lo?"
"E se...?"
Meu coração palpita só de pensar nisso agora.
A verdade é que essas duas palavrinhas são uma maldição. E elas nos perseguem. E outra verdade: mudar é necessário, afinal, cada mudança é uma conquista. Se você não mudar, você não vai chegar ao fim da vida, não vai ter lembranças de como chegou onde queria. 

Então, antes de brindar e comer todas as gostosuras desse dia, pense: "E se?". Isso pode salvar muita coisa. Pode impedir um arrependimento, pode colocar uma pedra na mágoa e pode ser um catalisador de muitas risadas. Isso só depende de você. 

FELIZ 2012, QUERIDOS E QUERIDAS! *-*

Que todas os nossos desejos se concretizem nesse novo ano e que muita coisa boa aconteça em nossas vidas! 

Com todo coração,
Nina

29 de dezembro de 2011

{Recomendação}

Oi, gente querida! 

Quero recomendar um trecho mega ultra power divo de um livro de uma amiga minha, a Nina (minha xará do coração ). Não sei exatamente há quanto tempo ela está escrevendo este livro, e nem sei o nome também, mas já li uns trechos anteriores a esse e posso garantir (minha alma ao inferno!) que ele é um livro maravilhoso e que vai ser de muito sucesso! Infelizmente também não sei nada sobre a sinopse (sim, a Nina é malvada u-u), mas vocês podem ler o trecho e imaginar sobre o que se trata. Sei que tem a ver com um livro e tal. Mas é só isso mesmo que sei! 


Nina, você é MEGA ULTRA POWER DIVA, ok? E tenho dito! 


Quem gostou do trecho de livro, comenta aqui, que depois eu falo para ela, já que ela é uma camela que não disponibiliza caixas de comentários no blog dela u-u 


xoxo


Nina

{Trecho de Livro}

*Os trechos a seguir foram extraídos do livro Cor de Violeta, de minha autoria

- Narrado por Adam - 


(...)

A maioria não estava se importando com as famílias que por ali zanzavam e que tentavam conversar rapidamente com alguns, mas não podia afirmar que todas aquelas crianças eram infelizes. Não aparentavam desistência ou desanimosidade; muito pelo contrário. A Terra dos Felizes abrigava risos e amor. Era um lar quase perfeito. Com certeza o buraco de uma família completa não os impedia de seguirem em frente.
Meu pai deveria ter tentado a mesma coisa naquele dia. Ou melhor, ao longo dos anos.
Nisto – ao tentar analisar o restante -, encontrei-a. Não a interpretei logo de cara. Não sabia se era necessário. Aliás, como julgar alguém a metros de distância?
Ela não era criança; não parecia ter a idade daqueles pirralhos. Não tinha traços de seis ou oito anos. Talvez doze, talvez treze. Não sabia ao certo. O que tinha certeza era que ela não deveria estar ali. Na Grande Sala, nenhum dos órfãos lia; o silêncio não era possível ali. A menina lia e parecia não se importar com o que acontecia à sua volta. Parecia extremamente alheia à circunstância que a cercava.
Seus cabelos não estavam penteados em tranças ou rabo-de-cavalo. Seus cachos fervorosos e avermelhados estavam soltos e algumas mechas tendiam a cair em seus olhos verdes-vivo, quando ela parava de segurá-las. Suas roupas pareciam ser novas e limpas, muito diferentes das outras crianças. Seu vestido cor de berinjela com mangas destacava sua palidez anormal e, apesar do calor do dia, estava claro o quanto ela não se incomodava com aquilo. Suas sardas pareciam querer pular de suas bochechas sem vida e quando levantou os olhos do livro para uma das assistentes do local, sem querer, notou que eu a observava.
Fingiu não me ver e voltou a se focar na família que passava perto dela cujos interesses não estavam nela.
“Mãe?”, perguntei vagamente e para o nada. A barulheira impossibilitava qualquer conversa calma, no entanto, sentindo-me desorientado por alguns instantes, saí à sua procura. A princípio só visualizei papai ainda brincando com o garoto do avião e Nick sentado no chão olhando avidamente para a janela, possivelmente desejando estar aproveitando a manhã andando de skate. “Mãe?”, chamei outra vez. “O que você quer? Também não agüenta mais ficar aqui?”, Nicholas me perguntou com voz e cara de tédio. Pisquei. “Não, não é isso”, assegurei, tentando saber onde mamãe estava, “Cadê ela?”, quis saber. Nicholas olhou ao redor e deu de ombros: “Como vou saber?”.
“Cadê a mamãe?”, tive de indagar para papai. Dava para ver que ele pouco ligava para a situação; para ele, tudo estava certo, tudo estava bem, desde que ele não estivesse envolvido em nada. Cansativo. Papai riu e disse: “Foi para a cantina com a garotinha e com a madre”, ele balançou a cabeça, como se estivesse frustrado, “Dá para acreditar?”.
Permaneci parado, como se ele não tivesse dito nada. “Qual é o problema?”, questionei. “Não quero meninas”, ele argumentou tolamente. Olhei para a ruiva de canto de olho. “Mas e se...”
“Não, Adam. Eu disse não”, ele agora pareceu muito irritado, como se eu o tivesse perturbado no meio de seu programa favorito. Não insisti. Eu não era esse tipo de pessoa. Mas também isso não significava que eu estava conformado, porque normalmente nunca aceitava as palavras de meu pai. Preocupado, saí da Grande Sala e percorri mais corredores Sem Fim. Quando escutei a voz da minha mãe, parei. O refeitório estava vazio, à exceção da madre, de Isabelle e de mamãe. 

____

- Narrado por Violet - 

(...)

Uma coisa era certa: tudo estava errado.
Todo mundo queria sair de lá. Todo mundo tinha certeza de que sairia de lá. Todo mundo só ficava pensando em coisas do tipo: “Quando eu sair daqui vou poder tomar sorvete junto com a minha nova família”. No entanto, eu era a única que achava que talvez, só talvez, as coisas não se apresentariam desta forma.
Eu já tinha visto dezenas de famílias passarem por ali, por aquela sala ora tão cálida ora tão festiva, conversarem com mais de cinco crianças e nunca mais recorrerem àquele lugar. As famílias nem mesmo davam outro telefonema. Elas apenas seguiam em frente, deixando mais de trinta cabecinhas apavoradas, ou então desajeitadas. Muitas daquelas crianças tinham sido rejeitadas mais de uma vez, mas sempre havia uma nova esperança em seus corações machucados.
Já eu, a menina Violet que detestava aquelas manhãs de visitas, não me importava com esperanças. As minhas concretas, que um dia em mim estiveram vivas, estavam despedaças ali. Eu não enxergava motivos para sequer sair do quarto. Eu achava que nada mudaria, que nada seria bom, que de nada valeria a pena. Sabe? Talvez eu fosse somente muito pessimista, claro. Minha mente sempre fora muito fatigada, muito insatisfeita.
Eu sempre mastigava os sentimentos errados. Tristeza, amargura, desinteresse. E por fim: inveja. Eu tinha inveja daquelas crianças tão altruístas e desapegadas às suas marcas, que apenas vivam todos os dias como se fosse o último. Sempre com sorrisos e gargalhadas.
A menina Violet era a única que desaprendera a rir, e até mesmo a sorrir; eu detestava sorrir. Era como se tivesse de fazer um enorme sacrifício. E eu já tinha feito muitos sacrifícios e apanhava constantemente da vida. Então, por que deveria sorrir se era apenas mais uma? A menina que ninguém via, a menina que ninguém se importava. Era fácil ser a Violet daquele jeito.
Consequentemente, aquele dia era apenas mais um. Eu sabia que ele passaria exatamente como os anteriores, sem maiores diferenças. Eu sendo ignorada e todos os outros alegres, o que era, no mínimo, bizarro, pois eu ainda não tinha descoberto como todas aquelas crianças – inclusive Gigi, a menina de treze anos que só se vestia de preto – tinham tanto ânimo para sorrir e permanecer esperançosos.
Muitas vezes acordar e se lembrar que você estava em uma casa que não era sua era estressante e desanimador, mas eu tentava passar a imagem de que tudo estava bem, apenas para poder chorar no quarto vazio entre as aulas ocupacionais, sempre que podia. Eu nem podia dizer que era uma das meninas mais fortes dali; talvez fosse a mais covarde, sempre tentando encontrar caminhos alternativos para continuar a fingir estar feliz.
Juntar-se no Grande Salão era fácil, era o que muitos amavam fazer. Aquela hora era a que tínhamos para nós e podíamos fazer qualquer coisa que não significasse machucar o próximo ou dizer palavrões – coisas que os menores praticavam com uma freqüência absurda e eram sempre repreendidos. Enquanto a maioria se divertia desenhando e puxando caminhõezinhos velhos doados pela comunidade, eu escolhia um canto relativamente isolado do salão e me dedicava a ler. Naquela manhã eu tinha escolhido ler Beowulf, um livro que marcara a literatura medieval, porque sempre gostara dessas histórias de heróis.
Claro que a princípio, não imaginara que alguém pudesse fazer o favor de arrasar minha manhã.

n/n (Nota da Nina): Cor de Violeta é sobre uma menina de 15 anos, Violet, que é adotada e que tem que se adaptar à nova vida. Adam, seu irmão-postiço mais velho, meio que acaba se apaixonando por ela. Embora ela receba muito amor dos irmãos (o mais novo chama-se Nicholas e tem 12 anos) e da mãe, seu pai, John, a detesta. Desde o início foi contra a adoção de Violet e age como se ela não existisse dentro de casa. 
Tenho que dizer que esse é meu livro-bebê. É o meu xodó. A história, embora seja simples, é meio que uma lição de vida. Eu adoro a Violet, ela é muito fofa. Espero que todo mundo se apaixone por ela, assim como eu. Tomara que eu consiga escrever esse livro até ano que vem *-* já tenho quase metade dele pronto - ainda que eu precise terminar uns capítulos. Cor de Violeta é ora narrado por Adam, ora narrado por Violet. Gostei desse tipo de narração; inspirei-me no livro Pequena Abelha.

Bem, pessoal, se gostou do começo de Cor de Violeta, comente! Juro que vou tentar postar mais trechos de livros meus, se vocês se interessarem! Já postei um dia, há muito tempo atrás, o começo do livro As Leis de Ramona Demônia, que se vocês quiserem, posso repostar qualquer dia desses! 

xoxo

Nina

28 de dezembro de 2011

{Don't Stop The Music + Música do Dia}

Oi, meninas! 

Estou ficando cada vez mais ocupadinha por essas semanas com o vestibular chegando (por estar estudando mais do que o normal), mas aqui estou eu! 

É uma pena que já tenha passado da meia-noite, mas vamos fingir que ainda é dia 27, aniversário da Hayley Williams, a minha Diva Número Um da Música. Então, em homenagem a esse dia, as colunas Don't Stop The Music e Música do Dia vão ser sobre o Paramore/Hayley

Tudo o que posso escrever é que aprendi muito com ela. Amadureci com ela. Ri com ela. Ela é tipo um anjo sem asas, e não me importo com as pessoas que me digam o contrário, porque sei que muita gente não gosta dela, especialmente depois daquele post que os Farro fizeram no final do ano passado (quando saíram da banda). Mas, sabe, meu amor por ela não depende de explicações raivosas nem de fãs que acham que são donos de seus ídolos... Aprendi o que é amar incondicionalmente e que independentemente dos defeitos de uma pessoa, você pode aprender a amá-la como se fosse o primeiro dia. Eu amo o modo como ela se expressa, através das palavras ou de seus gestos ou de suas roupas. Ela é uma pessoa alegre, que distribui inspiração a todos. E acho que é mais isso que amo nela. Porque ela sempre sabe falar uma coisa maravilhosa que nos faz sentir melhor, ou então que nos faz reconsiderar certas atitudes. 

A minha música preferida é Ignorance, porque ela é mais pesadinha:



Em 2009 eles fizeram um cover de uma música do Phoenix (Long Distance Call), que eu amei muito. Claro que eles mudaram muito o ritmo da canção original, mas na minha humilde opinião, ficou bem melhor!


Outro cover que eles fizeram foi de uma canção country chamada You Ain't Woman Enough, da qual eu gosto bastante, apesar de não fazer exatamente o meu estilo de música: 


Escrevo a mesma coisa que escrevi no post de aniver da Taylor Swift: Dá ou não dá vontade de ter ela como irmã ou amiga? Ela é uma fofa! 
Não sei se vocês irão mesmo escutar as canções, mas me perdoem pelo entusiasmo; ela é a minha Diva Número Um e eu não poderia deixar que esse dia se passasse em branco. Então, feliz aniversário, Hayley, sua fofa linda 

É isso por hoje, pessoal! 

xoxo

Nina

25 de dezembro de 2011

{O Que Descobrir Quando...}

FELIZ NATAL, QUERIDAS! *-* 

Como foi o dia de vocês? Espero que tenham passado esse dia com as famílias e recebendo muito amor, como deve ser *-* 

Deixando o Natal de lado... hoje tem mais uma postagem de domingo! Dessa vez é sobre o que descobrir assistindo ao Animal Planet (um canal que assisto muito com a minha mãe, porque somos viciadas no César Millan e na Tia, a resgatadora de Pitt Bulls). E, sério, dá pra aprender um bocado em uma só noite!

1- Que o Galgo corre quase quanto um guepardo

2 - Que o Poodle é o segundo cachorro mais inteligente do mundo

3 - Que o Buldogue não tem olfato e que é o cachorro mais preguiçoso de todos

4 - Que elefantes protegem os filhotes mais fracos, ao contrário das girafas, que largam as crias que não se levantam após os partos

5 - Que Malamutes são agressivos por serem uma mistura direta com lobos, e que Huskys têm gênio calmo e bondoso,  apesar de também descenderem de lobos

6 - Que na Inglaterra criar Pitt Bulls é contra a lei

7 - Que é possível um jabuti comer pregos e sobreviver

8 - Que gatos de olhos azuis têm mais probabilidade de serem surdos

9 - Que o cachorro mais alto do mundo tem de comprimento mais de dois metros

10 - Que se seu cachorro é agitado, muitas vezes não é culpa da raça, mas de você; resumo: você é a maldição do seu cachorro

11 - Que existem araras da cor do Brasil: amarelas e azuis

12 - Que nos EUA existem parques próprios para encontros de cachorros

13 - Que tem muita gente louca que vai para a selva a fim de ser comida por um leão ou por uma pantera

14 - Que existem arraias de água doce

15 - Que existem pessoas tão loucas por cachorros quanto vocês, mas enquanto você tem seis, elas têm duzentos; detalhe: dentro de um trailer duplo. 

16 - Que cachorros não têm donos, têm família

17 - Que gatos sentem arrepios quando alguém sopra a orelha deles

18 - Que existem cães apontadores de dois tipos: um que aponta com a cauda, e outro que aponta com a pata

19 - Que animais que trocam as cores de sua pelagem têm uma enzima que propicia esta mudança

20 - Que os ursos polares caçam focas escondendo o focinho preto para não serem descobertos

E a maior descoberta de todas:

21 - Que você foi enganada pelo canil que forneceu seus cachorros e até então achava que eles eram de uma raça, mas então descobre que eles não são nada do que o criador lhe disse. 

Tudo bem, confesso que essa coluna não é para ser engraçada, é mais do tipo "curiosidades sobre animais", mas mesmo assim, o que acharam? O último item totalmente aconteceu comigo! Até então eu achava que meus cães eram York Shires, mas eles são Silkys Terrier, uma mistura de York Shire com Terrier Australiano, e que não foram criados para caçar ratos (como os Yorks foram), mas para caçar cobras. 

Dê a sua opinião: comente! E não se esqueça de contribuir comigo para construir outras colunas! É sugerir assuntos que você quer ver aqui! 

xoxo

Nina

21 de dezembro de 2011

{Don't Stop The Music}

Oooi, para quem ainda aparece aqui de vez em quando! Como estão vocês?

Hoje quero falar sobre o ClubSingles do Paramore. Eu ia postar isso na semana passada, acho que na sexta, mas não deu tempo... mas aqui está! Quem é fã da banda vai gostar das novas canções e quem ainda não é, não pode deixar de escutar só porque não curte a banda, né? Para falar a verdade as três músicas lançadas - que não estarão, infelizmente, incluídas no próximo álbum da banda -, são bem distintas umas das outras. É bem capaz de você só achar legal uma ou duas.

A primeira que ouvi - através de um cover - foi Renegade. Até hoje prefiro o cover a música original, não sei bem por quê. Talvez seja porque a banda que fez o cover - chamada The Lost Colors - tenha modificado um pouco um verso da canção, que achei que combinou bem mais com o ritmo da música.


A segunda que ouvi foi Hello Cold World, e você pode ler sobre isso clicando aqui. É a minha segunda preferida das três, porque ela é pop/rock e bem agitadinha, não sei. Adoro o refrão dela *-*


A última canção, a minha preferida, é In The Mourning. Ela é emocional, apesar do ritmo felizinho por traz da voz da Hayley. Ela é muito fofa e sempre me dá muita vontade de chorar... Vou postar a versão estúdio e um vídeo de um show (que eles juntaram com outra música, que não conheço). 





*-*

Enfim, todo mundo sabe que eu amo amo amo o Paramore, independentemente do tipo de música que eles estarão fazendo... com ou sem Josh e Zac... Porque realmente acho que o Paramore vai ser sempre Paramore, sabe? 

O que achou das novas músicas? Ainda soa como Paramore? Claro que eu acho que não vai existir nada mais perfeito do que Ignorance...

xoxo

Nina

20 de dezembro de 2011

{Boas Notícias}

Então...

Você que passou o fim de semana na praia ou estudando para a prova dessa semana ou apenas longe do pc por algum motivo e não acessou o meu blog, deve estar se perguntando: "Onde estou?" ou "De quem é esse blog?", ou até mesmo "Será que errei o link?". Mas respire fundo, beba um gole da sua Coca Cola (ou Pepsi. Eu prefiro Coca) e leia com  muita atenção: VOCÊ ESTÁ NO LUGAR CERTO. Não, você não caiu num buraco, foi fazer uma visitinha para o coelho da Alice e voltou para o mundo real enxergando coisas bizarras. 

Eu só quis mudar o blog. Eu tinha dito há um tempo atrás que faria isso e tadã!, o dia do extreme makeover é hoje! Finalmente eu aprendi a lidar com arquivos zipados (graças a uma amiga de coração bom e que não me acha retardada por não saber uma coisa dessas... certo, Di?) e aqui está a nova cara do blog! YAAY. 

Então me diga: você gostou? Acha que antes era melhor (cof cof, até parece)? Tem sugestões para mais melhorias? Você sabe: não sou apenas eu que faço o blog; vocês têm uma participação fundamental nele! Deixe comentários com seus respectivos blogs no final, que eu retorno a ligação o comentário assim que for possível. 

xoxo

Nina

{Música do Dia}

Mais música, meninas!

Ontem, depois de escutar as novas músicas do Paramore, resolvi ouvir um pouco de Coldplay, que adoro de paixão (e meu pai também, hahaha). Eu os conheci com a canção Speed Of Sound e na maior parte do tempo sou mais fã das canções antigas deles... acho que porque meu coração fica pequenininho de emoção e eu gosto dessa sensação. E a música de hoje é bem antiga, de 2005: Don't Panic, que eu adoro muito. Espero que vocês curtam! ;)


Qual a sua opinião? Prefere o Coldplay de hoje ou de antigamente? O que achou de Don't Panic? Deixe seu comentário e não se esqueça de contribuir com a coluna, dizendo quais bandas ou músicas você quer ver por aqui!

xoxo

Nina

{No Escurinho do Cinema}

Oooi, pessoal...

Até há quase um minuto eu não tinha ideia de que escreveria nesta coluna, sem contar que fiquei com preguiça, já que ninguém comentou os últimos posts. Então eu pensei: "Ah, não vai fazer diferença...", mas aí me lembrei de um filme que vi há uns dois ou três meses, que não tenho certeza se vocês conhecem. 

O nome do filme estrelado por Zach Galifianakis e Emma Roberts é Se Enlouquecer, Não Se Apaixone. A história relata sobre Craig, um garoto que ainda está no colegial e que é apaixonado pela namorada do melhor amigo. Após uma tentativa de suicídio, por espontânea vontade decide se internar em uma ala psiquiátrica de um hospital, achando que no dia seguinte estará lidando novamente com sua vida; mas isso não acontece: Craig é mandado para a ala dos adultos, pois a ala dos adolescentes está sendo reformada. Lá ele conhece Bobby, um adepto ao suicídio que tem uma filha pequena, que o integra ao ambiente. Craig também conhece Noelle (Emma), que tem a sua idade e que já está internada há bem mais tempo que ele. De uma amizade esquisita, nasce uma paixão, que vai ser colocada à prova quando sua paixão platônica (a namorada do seu melhor amigo) aparece para lhe fazer uma visita. Enquanto tenta evitar que as pessoas saibam que ele está internado, ele aprende a desenhar, a cantar e ajuda Bobby com uma entrevista de emprego. Mas será que Craig não vai tirar uma lição disso tudo?

Resenha:
Eu já sou fã da Emma desde de Aquamarine (sim, eu já devo ter visto esse filme umas cinco vezes), e quando eu soube desde filme por gifs no Tumblr, fiquei desesperada para assisti-lo. O filme é diferente daquela coisa eu-sou-um-adolescente-problemático-e-vou-me-matar, porque Craig por mais que tenha problemas, está a fim de melhorar, de passar por cima disso tudo (nem que seja se internar em uma clínica). Existem cenas hilárias, daquelas engraçadinhas mesmo; o Bobby é que leva a grande parte do prestígio das cenas engraçadas. E a Noelle é do tipo determinada e bem humorada. Dá para tirar lições do filme, como por exemplo: se você aceitar que está com problemas, é muito mais fácil você sair sozinho dele. Ou que a vida é muito mais do que aquela paixão platônica boba que você nutre por uma pessoa que não lhe dá o devido valor. 

Se você gosta da Emma, vai querer assistir esse filme. E se gosta de comédia romântica adolescente, também!

Comentem sobre o filme, sobre a Emma, sobre qualquer coisa...

xoxo

Nina

19 de dezembro de 2011

{Música do Dia}

Oi, queridas...

Eu ganhei um vale-presente da Multisom de uma amiga e ontem comprei o último CD do Red Hot, que queria muito! Passei a tarde inteira ouvindo-o enquanto lia Um Dia e estudava... Infelizmente a minha canção favorita ainda é a vou postar hoje. O CD todo é maravi, mas essa canção em especial me deixa doidona, então não poderia deixar de partilhar isso com vocês! O Red Hot sempre foi muito bom, mas acho que esse novo CD deles não tem uma pegada tão rock, é mais leve. Não que seja pior, só diferente. Afinal, fica um saco quando os artistas só fazem um tipo de trabalho, né? Diversificação sempre...



Mano, eu amo esse baixista colorido! Ele é tão louco! Sempre que vejo esse clipe fico com aflição, porque sempre penso que uma hora ele vai cair do prédio D:

Comente sobre a banda, sobre o clipe, sobre a música ;) Quer dar uma sugestão de banda para aparecer aqui? Comente que prometo que ela aparecerá por aqui!

xoxo

Nina

{Vamos Ler?}

E aí, meninas?

Ganhei de aniver A Rainha da Fofoca: Fisgada e hoje a resenha será deste livro (como eu tinha prometido em algum post anterior). Ganhei-o na sexta e ontem já o tinha terminado! Os livros da Meg são bem rapidinhos para ler (ao menos para mim).

Título: A Rainha da Fofoca: Fisgada
Autora: Meg Cabot
Editora: Galera Record
Páginas: 445


Ainda não li o primeiro da série, só o segundo e (agora) o terceiro, mas dá total para entender a história. Lembro de ter adorado o segundo e fiquei louca quando vi que tinha saído a continuação! Como sempre a Lizzie se mete em muitos problemas - um em especial por não ter a capacidade de manter a boca fechada. Acho que é bem difícil enfrentar o que ela enfrentou neste livro, porque é sempre horroroso enganar que nós amamos (ou achamos que amamos). Ainda que muita coisa ao longo da história nos faça pensar que a vida de Lizzie está destruída, ela consegue sair de todas as enrrascadas sozinhas - e melhor: consegue a felicidade. Depois do Incidente com a Máquina de Costura no Natal (no livro anterior) eu perdi a fé no Luke, por isso torci demais para que ela ficasse com o Chaz. O Chaz, ao contrário do Luke, não dá soluções para Lizzie, mas isso, por muitas vezes, é melhor, porque assim ela tem que encontrar saídas sozinhas, sem esforço ou solidariedade de ninguém. E acho que isso é muito bom quando acontece na vida real, porque aí nós enxergamos que somos capazes de fazer o que quisermos, completamente sozinhos.

Por que ler:
O livro, como sempre, tem passagens hilárias e muito divertidas. É um tipo de livro que é indicado totalmente para aqueles dias chuvosos tediantes. A invés de ligar a TV e ficar assistindo à Sessão da Tarde, pegue A Rainha da Fofoca: Fisgada que você vai se divertir muito mais. E quando terminá-lo vai ser inevitável controlar o sorriso satisfeito no seu rosto. Será que isso só acontece comigo?

Nota: ♥♥♥♥♥ (nota máxima)

Próxima resenha: Um Dia - David Nicholls.

ps: desculpe pela resenha pequena e tosca. Espero que mesmo assim vocês comentem...

xoxo

Nina

{Música do Dia}

Oi, manolas!

Mais uma música para vocês! Vamos fingir que ainda são quinze para a meia-noite e que eu postei essa coluna no dia de ontem.

A banda de hoje, como prometi, é o Sum 41. Conheci a banda no meu primeiro ano por intermédio de uma amiga e eu me viciei total. Comprei o penúltimo CD deles e gosto muito de ouvi-lo à tarde. Semana retrasada escutei o último deles e essa música de hoje faz parte deste último trabalho deles. Adorei o ritmo rockzinho da canção e gostei mais ainda do clipe, essa coisa meio de backstage e tal. Gosto muito de clipes assim.


Se você conhece a banda, o que achou da música? Eu totalmente sugiro ouvir o último CD deles, sério mesmo. Está divino, como sempre. E... eu acho que o Deryck (o vocal) é parecido com o Michel Teló, HAHAHA. O que vocês acham?

xoxo

Nina

18 de dezembro de 2011

{O Que Fazer Quando}

Oi, meninas!

Acabei de chegar do shopping depois de muitas compras de Natal... vou dizer, estou exausta. Essa semana não parou um só segundo; amigo secreto, formatura, aniversário... Minha mãe me deu um vestidinho muito fofo rosa xadrez e uma rasteirinha muito fofa. Qualquer dia desses eu posto a foto. Provavelmente mês que vem, porque planejo ir a um aniversário de uma amiga com essa roupa! Então, aguardem ;)

Bem, a coluna de hoje iria ser sobre amigos irritantes. Tenho certeza de que vocês devem ter pelo menos um amigo irritante. Mas acabei de descobrir que apaguei o texto que eu tinha escrito a lista no meu celular. Então, hm, hoje não vai ter coluna de domingo D: Eu sei, eu sou uma anta gorda que faz tudo errado... podem me xingar. Sei que vocês estão gostando da coluna de domingo, sinto muito. Mas domingo que vem vai ter uma novinha para vocês!

Vocês poderiam me ajudar a criar essas colunas, o que acham? Vocês podem me sugerir assuntos para essa coluna! É só deixar um comentário! Afinal, não adianta eu escrever sobre coisas que vocês não gostam.

Próximo domingo: o que descobrir quando...

Mil desculpas de novo por eu ser muito desastrada!

xoxo

Nina

17 de dezembro de 2011

{Música do Dia}

Hey hey, meninas!

Como eu tinha dito antes de ontem, não deu para postar ontem, por causa do meu aniver, porque mal parei em casa o/ E o mais legal é que ganhei UMA CAMISETA DO NIRVANA (que eu queria muito) e mais um livro da Meg Cabot (A Rainha da Fofoca: Fisgada, que se tudo der certo, será a resenha de segunda-feira!).

E eu sei que disse que hoje seria a vez da nova música viciante do Sum 41, mas... vai ser mais uma da Taylor Swift! Calma, sem atirar coisas no pc! Eu posso explicar! É que à noite eu sonhei que estava cantando Mean no meio da sala de aula com todo mundo (e uma amiga estava comigo tri feliz berrando a música). Daí eu acordei com Mean na cabeça e estou feito louca cantando-a mentalmente desde a hora que acordei!

Promento que AMANHÃ será Sum 41. Palavra que escoteira (apesar de nem saber o que escoteiros fazem)!


Blablabla, não vou me estender muito, porque já fiz um post sobre a Taylor e tal. Mas posso adicionar que amo todos os vestidos dela nesse clipe! Tão fofos! Especialmente o vintage e o de franjinhas metálicas!

xoxo

Nina

15 de dezembro de 2011

{Música do Dia}

Oi oi *-*

Confesso que sou mais a fim de músicas internacionais... Acho que as bandas nacionais que adoro podem ser resumidas em Capital Inicial, Legião Urbana, Mutantes (e posteriormente Rita Lee) e Lipstick e Fake Number. E a música de hoje (surpresa!) vai ser nacional! Não faz parte da vida musical de nenhuma das bandas acima, mas é muito boa. A Lunablu é composta por dois caras e uma menina. Não sei se vocês conhecem... descobri-a num dia que estava assistindo a MTV (e a gente sabe que a MTV ultimamente não está prestando para nada além de só ficar passando clipes do Justin Bieber ou do Restart ou da Britney Spears), onde a banda estava dando uma entrevista em um dos programas. A canção em questão é bem agitadinha, e acordei com ela na cabeça hoje, por isso decidi postá-la (no lugar dela seria uma das novas do Sum 41, que prometo postar no sábado!). 


E aí? Já conhecia a banda? Caso contrário, o que achou? Eu me viciei nos "woo", haha. Eu já sou viciada nisso, porque o Paramore gosta muito de cantar "woo" '-' 

xoxo

Nina

{Follow Me}

E aí, meninas? Tudo certinho? 

Sei que faz um tempinho que não posto nada nessa coluna, mas hoje eu tenho uma indicação para vocês (YAAY) que não sei se vocês irão gostar '-' Isso porque hoje vou falar de um anime que uma amiga me recomendou. Não sei se vocês gostam de cultura japonesa, mas decidi postar sobre o anime mesmo assim, só para a semana não ficar com muitos buracos (já que é bem possível que amanhã eu não poste nada - nem mesmo a coluna Música do Dia -, por causa do meu aniver). 

Bom, o nome do anime é Ano Hi Mita no Namae o Bokutachi wa Mada Shiranai (que significa algo como "Nós Ainda Não Sabemos o Nome da Flor que Vimos Aquele Dia") que é sobre um grupo de amigos que acaba se afastando após a morte de uma das meninas (a Menma), mas anos depois, um dos meninos, o Jintan, começa a vê-la como se ela ainda estivesse ali. E Jintan precisa entender por que Menma está aparecendo para ele; tudo indica que tem haver com o desejo dela, e que enquanto ele não for realizado, ela não poderá alcançar o Nirvana. 

Se você não gosta de histórias tristes e dramáticas, não o assista. Porque a cada episódio (são 11 no total) a trama vai ficando cada vez mais tensa e cheia de descobertas do passado. Eu me apaixonei pelos personagens de cara. A Menma (a de cabelos preteados na imagem acima) é mais nova do que o restante do grupo, mas ela é um amor. Ela é quase uma típica criança: fica feliz por qualquer coisa e solta gritinhos a todo instante. A relação que ela tem com Jintan (o de camiseta marrom) é hilária, eu ria várias vezes. O Jintan é um pouco rebelde: não vai à aula e só come e dorme o dia inteiro, até que Menma pede para ele ir às aulas e aos poucos ele se reintegrar novamente ao grupo. Ai, e o final? Dá MUITA vontade de chorar! É lindo, de verdade. Você fica com o coração na mão, dizendo: "MENMA, POR QUE VOCÊ MORREU??". É uma história simples, mas muito especial. Você vai se apaixonar por todos os segundos do anime!

Aqui está a música de abertura (que eu amei de paixão e sempre que a ouço fico com vontade de chorar): 


Não é linda a música? Eu me apaixonei total por ela *-*

Para quem quiser ver online o anime, clique aqui

Quem se interessou pelo anime ou já o viu, se manifeste nos comentários, ok? 

xoxo

Nina

14 de dezembro de 2011

[Música do Dia}

Oi oi, mais música para vocês *-*

Hoje é a vez do Foo Fighters, com uma música que tem me deixado doidona de tanto escutá-la! Eu adoro o Foo Figthers, gente! Eles são roqueiros, mas seus clipes são engraçados e diferentes; não tem aquela agressividade que esperamos ver. Funciona legal. Acho que o Dave Grohl fez um bom negócio iniciando essa banda depois do fim do Nirvana... Apesar de serem atingidos praticamente a todo show com Mentos quando tocam Big Me, os caras são maravilhosos, e que se dane a opinião da Courtney Love sobre o Dave (vi uma entrevista dela no Rock In Rio, onde ela xingava muito o pobre do Dave, dizendo que ela mandava dinheiro para a família do Kurt e que o Dave gasta seu dinheiro com carros e sei lá mais o quê. Hm, Courtney, isso tem um nome, amor: inveja. Faça a sua música e cale a boca, mulher!).


O que acham da música - ela não é viciante, gente?? Dê a sua opinião!

xoxo

Nina

{No Escurinho do Cinema}

Oi oi, gente linda! Hoje vamos falar de filme *-*

Mês passado vi uma matéria na NET sobre o filme chamado Um Dia, estrelando Anne Hathaway e Jim Sturgess (ator inglês - ah, meu Deus, eu amo atores britânicos -, que interpretou o papel de George Bolena no filme A Outra, que conta a história das irmãs Bolena). Baseado em um livro best-seller de David Nicholls de mesmo título, parece que é uma grande história.

Sinopse de Um Dia:
Dexter Mayhew e Emma Morley  se conheceram em 1988. Ambos sabem que no dia seguinte, após a formatura na universidade, deverão trilhar caminhos diferentes. Mas, depois de apenas um dia juntos, não conseguem parar de pensar um no outro. Os anos se passam e Dex e Em levam vidas isoladas — vidas muito diferentes daquelas que eles sonhavam ter. Porém, incapazes de esquecer o sentimento muito especial que os arrebatou naquela primeira noite, surge uma extraordinária relação entre os dois. Ao longo dos vinte anos seguintes, flashes do relacionamento deles são narrados, um por ano, todos no mesmo dia: 15 de julho. Dexter e Emma enfrentam disputas e brigas, esperanças e oportunidades perdidas, risos e lágrimas. E, conforme o verdadeiro significado desse dia crucial é desvendado, eles precisam acertar contas com a essência do amor e da própria vida.

Estou atrás do livro - porque sou do tipo que preciso ler o livro antes de ver o filme - e espero que eu ganhe na sexta (que é meu aniversário!). Assim que eu o ler posto a resenha aqui!

Quem quiser ver o trailler do filme, aqui está:


Confesso que vou mais assistir por causa da Anne (eu tenho acompanhado seus trabalhos depois do papel da princesa Mia), mas a história parece ser linda e muito agradável. E esse cara parece meio tchutchuco, então vou por ele também... (ignorem essa parte).

__

Ei, alguém soube que a Paula Fernandes vai fazer um dueto com a Taylor Swift??? Ainda não sei se fico feliz ou se acho isso muito ruim. Conheço o trabalho da Taylor, mas nunca ouvi as músicas da Paula. Não sei que bicho vai dar. Estou louca para ouvir a música! E vocês?

__

Mano, voltei revoltada do correio! A mulherzinha tem me enganado por todos esses meses não me oferecendo o impresso módico para mandar livros para minhas amigas de outros estados! Eu pagava quase cinquenta reais por um livro, daí hoje mandei dois (bem grandinhos) e paguei um pouco mais de QUATORZE REAIS o.o Muito certo que vou ir lá toda semana pra encher o saco daquela mulher... Sério, tô muito fu com isso!

__

Ok, fim de coluna g.g

Ficaram a fim de ver Um Dia, ou ler o livro? Se eu conseguir mais seguidores posso fazer uma promoção desse livro... *Nina pensando seriamente* O que vocês acharam da ideia? Sei que postei dizendo que faria uma promoção no começo do ano que vem, mas ainda tem muita pouca gente que realmente comenta (tipo, só umas cinco) e ainda não dá para fazer a promoção com só cinco pessoas interessadas no blog, me desculpem. Mas não desisti da promoção, sério!

Um mega agradecimento para todas que comentam - vocês fazem o blog, meninas! Obrigada! 

xoxo

Nina