20 de janeiro de 2012

{Fotos}

Humor: animado, alegre
Música: The Runaways - Gotta Get Out Tonight

Oi, galera! (ou devo dizer só "oi, Gabi"? - você é a única que realmente está acompanhando meu blog ultimamente!).

Não, eu ainda não estou fora da cidade! Vou viajar nesse fim de semana, provavelmente no domingo; minha mãe é sempre complicada e tenho certeza de que ela vai se enrolar e só iremos partir para a praia depois de amanhã... Mas, bom, voltarei dia 5, eu acho. Era para eu ter comprado os ingressos do Planeta Atlântida, mas devo confessar que não sou fã desses megashows, especialmente porque não sou fã de quase ninguém... só do Capital. Mas, bem, prefiro ficar no apartamento (minha mãe alugou um apê) escrevendo minhas fics e meus livros, afinal minhas férias praticamente só irão servir para isso... 

Ontem eu e minha mãe fomos atrás de biquínis para ela, e ela me deu uma boina para eu me proteger do sol. Eu sempre fiquei com vontade de comprar uma boina, haha. E a que minha mãe me deu é muito fofa! É preta com bolinhas brancas, bem estilo vintage! *-* Vou postar umas fotos de mim com ela para vocês verem ;)







Pois é, eu e minha boina, haha. O que acharam dela? Fofa, né? *-* 

Com todo coração,
Nina-Renegade. 

19 de janeiro de 2012

{I'm Renegade, I Always Was}

Humor: confuso, chateado, irritado. 
Música: Miley Cyrus - I Hope You Find It.



Eu estou cansada. Estou cansada de tentar, cansada de errar, cansada de ser. Cansada da vida. É fácil apontar a bagunça dos outros, julgar os outros sem nem saber por o que eles passam. Na verdade a sociedade virou isso; um infinito preconceito contra tudo e todos. Quer dizer, até acho que peço demais. Num mundo onde você é julgado pelo seu tênis ou por suas roupas... e ainda querer ter algum respeito por alguém. Aprenda: ninguém tem respeito por ninguém. Acho que estamos "desevoluindo": de humanos estamos passando a ser animais; e não daqueles fofinhos, daqueles com presas e cara feia. Porque acho que apenas um animal realmente cruel é capaz de jogar pedra numa pessoa, só porque não gosta do som que ela faz. Não gosto do Restart (sim, estou falando sobre o Restart, nem eu acredito), mas, cara, cadê o maldito respeito? Confesso que não ouço nada além de rock, pop/rock, mas eu tento ampliar os horizontes. Quem diria a você que eu ouço Miley Cyrus? Quem diria que eu não estou nem aí para o Justin Bieber? Acho que as pessoas têm que começar a cuidar das próprias vidas. 
Já odiei algumas pessoas. Outras eu gosto, outras eu não trocaria por nada, e outras eu só aturo. Mas tento cuidar da minha vida, porque é para isso que estamos aqui. Para fazermos história com a nossa vida. No final, Deus não vai querer saber de quem você ficou rindo, ou quem você odiou. Ele só está interessado em você. E se você foi ruim com os outros, a lição é sua. Foi você que provocou e saiu machucado. Você só recebeu o que mereceu. E todo mundo merece o que provoca. 
A vida tem um preço. Você não pode usufruir de tudo só porque pode. Você tem que fazer algo em troca. Além de cuidarmos de nossas vidas, estamos aqui também para deixar nossa marca, para serrmos algo para o mundo. Temos a oportunidade de mudar algo. E é nisso que eu mais acredito. E não acho que precisamos ir para as aulas para mudar algo. Muita gente mudou muita coisa sem saber quase nada. Só falam de aulas, porque alguém disse que é importante. Mas é mais importante de que descobrir quem você é, ou o que você vai fazer com o seu dom? Não, não mesmo. Eu descobri o meu dom fora da escola, longe de qualquer professor. Na época eu achava que não era nada, mas hoje percebo que posso mudar o mundo como o conheço com ele. Deixar a minha marca no mundo através dele. É a por causa dele que sei quem sou. Talvez eu não salve ninguém diretamente com ele, mas indiretamente, sim. Acho que existe muito mais pessoas doentes sentimentalmente do que fisicamente. Simples palavras podem colocar um sorriso num rosto triste e mudar a história literária. Exemplos? Jane Austen, William Shakespeare, Jorge Amado, J. K. Rowling (não, ela não podia ficar de fora). Eles não fazem apenas parte da literatura, eles fazem parte da nossa história. Sem eles provavelmente ainda estaríamos vivendo como canibais, ou qualquer coisa assim. Aliás, quem diria que uma mulher teria o poder de abdicar seus sonhos de matrimônio para passar o resto de sua vida escrevendo? Jane foi a prova. Ela conseguiu. 
Ontem assisti Amor e Inocência (que, para quem não sabe, conta um pouco da história da Jane, especialmente sobre seus sentimentos), e percebi que posso não escrever como ela e não ser tão fantástica como ela, mas creio que irei morrer exatamente como ela: sem nenhum casamento, apenas enfiada nas páginas de livros ou nas minhas próprias palavras. E sabe? Eu não vejo problema algum em morrer assim. Não quero me casar, e não quero filhos. Como diria Machado de Assis: "Não tive filhos, não transmiti a nenhuma criatura o legado de nossa miséria". Acho que colocar um filho no mundo, nos dias de hoje, é quase como dizer: "Vai, filho, vai lá ser o próximo idiota do mundo". Sabe? Nunca tive o sonho de segurar um bebê, nunca tive o sonho de me vestir de branco. Aliás, pra que igrejas? Não gosto de igrejas. Respeito Jesus, mas vivo sem Ele. Não condeno ninguém por abraçar igrejas ou Deus; cada um cuida da própria vida, cada um sabe o que faz. Mas se tem uma coisa que me irrita, são pessoas que acham que vou me salvar se ir numa igreja. Mano, eu tenho 20 anos, eu sei o que estou fazendo. Se eu não ligo para isso, é porque não ligo. Eu fiz a minha escolha, como você fez a sua. Confesso: às vezes rezo, porque me faz sentir como se tivesse tirado um pouco dos meus problemas das costas. Mas como a Hayley Williams diria: fé não é religião. Posso ter fé, acreditar no que acredito, mesmo sem me aderir a religião nenhuma. Não acho que Deus irá me castigar por isso. 
Mano, sobre o que estou falando afinal? 
Bom, eu não acho que a gente tenha que fazer tudo o que todos querem. Acho que nós temos que ter nossas próprias prioridades, sem depender da opinião alheia. Muitas vezes opinião alheia nos faz cair e nos faz perder tudo. Se eu tivesse ouvido meu pai, eu não seria escritora e estaria numa faculdade de Veterinária. Isso era o que eu queria, mas há muito tempo atrás. A todo momento estamos sujeitos a mudanças de planos, de pensamentos, de opiniões. Isso não quer dizer que somos idiotas, só que precisamos de um pouco mais de tempo. E eu sei que vou demorar para entrar na faculdade. Você não sabe o quão difícil está entrar em Jornalismo aqui no Sul. Se eu tivesse prestado esse ano de novo para Veterinária, eu já estaria na faculdade. Mas, não, eu decidi Jornalismo. Idiotice? Não, só sonho. Sabe quando você sabe que tem de fazer tal coisa? Ou que você descobriu aquilo que sempre procurou? Afinal, eu não me vejo fazendo qualquer outra coisa além de escrevendo. É só nisso que sou boa. É o meu único dom. Não sei cozinhar, odeio cuidar da casa, e provavelmente eu seria uma péssima esposa e mãe. Mas, hey, cada um sabe o que faz. Não é por que deu errado com fulaninha que vai dar errado comigo. Se eu não tentar, eu nunca vou saber. 
Mas, sabe, tentar sempre, cansa. Uma hora você vai ver que não aguenta mais, que precisa parar e respirar, ou só ficar ali, deitado, fingindo-se de morto. Às vezes é mais fácil ficar no seu canto do que explicar para as pessoas que estão ao seu redor o que está acontecendo. Eu sou assim. Posso estar morrendo por dentro, mas não abro a boca. Sofro em silêncio. E isso tem suas consequencias. Talvez eu precise de um psicólogo. Mas não resolveria. De que adianta você dizer seus problemas a alguém que não te conhece? Ele não vai saber te dar o conselho correto. Pode ter dado certo com milhões de outras meninas, mas quem garante que vai dar certo para você? 
Muitas vezes eu não sei o que quero; não porque eu sou idiota e não sei pensar direito, mas porque eu sou confusa e um pouco indecisa. Sempre fico avaliando tudo o que todos poderão pensar ou comentar. Eu só tenho extremo cuidado, porque não gosto de me machucar. Muitas feridas não cicatrizam, ou então deixam marcas, talvez para nos lembrar que um dia sofremos. Eu sou quieta, sou na minha, não falo por espontânea vontade, não gosto de me expor. E nunca ninguém irá me mudar. Eu nasci assim. E vou morrer assim. É difícil você aceitar quem você é, mas quando você o faz, tudo fica melhor. Você percebe que mesmo com todos os seus defeitos, você pode alcançar o céu. 


Esquecer alguém é como se a pessoa nunca tivesse estado na sua vida, e mesmo que você tivesse odiado-a, é um pedaço de você, um pedaço de um momento que você viveu. Afinal, tudo o que você vive é transformado em lições. E se você querer apagar tudo, que lições lhe sobram?

“Você leva uma vida meio esquisita, não leva?”
“Eu gosto da minha vida esquisita”, ela me respondeu
Eu sei que sou esquisita. Sei que levo uma vida esquisita, mas sabe... eu gosto de ser esquisita. Muitas pessoas esquisitas conseguiram alcançar os seus sonhos apenas sendo esquisitas”, ela continuou.

Bem, me perdoem por este post. Ele ficou ridículo, eu sei. Mas quando eu estou triste, as palavras simplesmente vêm e eu não consigo parar de escrever. 

Com todo coração,
Nina-Renegade. 

15 de janeiro de 2012

{Resenha do Livro: Um Dia - David Nicholls}

Oi oi, meus amores! Desculpe a demora para vir postar essa resenha! Além de não ter inspiração, não encontrei muito tempo! Sei que estou devendo outras resenhas, mas prometo que elas aparecerão!

A resenha de hoje é do livro Um Dia, como prometi para vocês. 

Título Original: One Day
Autor: David Nicholls
Editora: Intrínseca
Páginas: 416
Gênero: Romance

Fiquei com vontade de ler Um Dia assim que soube do filme com a Anne Hathaway. A princípio fiquei muito eufórica por querer lê-lo. Comprei e logo no mesmo dia já comecei a ler. A minha ânsia me fez lê-lo muito rápido no início. Achei muito interessante a maneira como os capítulos foram dispostos, sempre contando o dia 15 de julho dos anos. Esse livro mexeu comigo de uma forma peculiar. Normalmente os romances que leio não são de mudar muito a minha vida; eles apenas complementam a minha curiosidade em relação a romances. Um Dia me deu uma coisa para pensar: você pode mudar a vida de uma pessoa. Um dia pode mudar sua vida para sempre. E é assim que é o romance da Emma e do Dexter. Quando eles se conheceram - dia 15 de julho de 1988 e a partir deste dia, eles não saem da vida um do outro. Claro que eles têm altos e baixos - alguns anos eles nem se veem, mas outros, tudo o que querem é ficar juntos -, e é por isso que achei a veracidade da narrativa muito inteligente. Porque naquelas palavras, Nicholls expõe sentimentos comuns a todos, daqueles intensos e verdadeiros, que nos fazem refletir sobre nossas próprias vidas. O que me chamou a atenção é que eles são quase opostos, mas de um jeito maravilhoso, se complementam. Nem sempre eles tomam caminhos dos quais se orgulham - muitas vezes eles têm dúvidas quanto ao que estão fazendo de suas vidas -, mas independentemente do que esteja acontecendo em suas vidas, eles têm algo que apenas eles têm: mudaram a vida um do outro de forma totalmente categórica. Ambos levam consigo muito arrependimento, tristezas e frustração, mas sempre que estão juntos, acabam esquecendo de tudo para aproveitar o momento - aquele tipo de momento que você só tem com uma pessoa. Eles começam uma amizade profunda e meio hilária, mas no decorrer da história, o sentimento vai tomando outras formas e eles percebem que se amam incondicionalmente. O mais importante de tudo é que eles estavam na vida um do outro por muito tempo e achavam aquilo normal, até que perceberam o quanto aquilo tinha importância. É aquele tipo de coisa que a gente diz: "Está bem na sua frente", mas a pessoa não consegue enxergar; não talvez porque seja burra demais, mas apenas porque ainda não conseguiu entender o que sente. Então, Emma e Dexter constroem uma amizade sem fronteiras, daquelas que você tem inveja, que deseja conquistar um dia com alguém. 

Finalmente amava alguém e sentia-se razoavelmente confiante de que também era amada. Quando alguém perguntava, como às vezes acontecia em festas, como ele e ela tinham se conhecido, Emma respondia:
- Nós crescemos juntos. 

Este livro é muito especial e inesquecível! Ele te faz pensar na sua vida, nas suas relações com as pessoas. Poucos livros fazem isso. É como eu costumo dizer: um bom livro muda a sua vida, e Um Dia mudou a perspectiva da minha vida, total. É engraçado como um livro pode nos mudar, mas é maravilhoso. Um livro, para mim, é quase como se fosse uma pessoa. Ele te ensina muito, te faz enxergar horizontes que você nem imagina. O que deixo para você em relação deste livro é a seguinte frase: quanto um dia pode mudar sua vida? 

Um livro brilhante sobre o assombroso hiato entre o que éramos e o que somos. - Tony Parsons. 

Por que ler?
Se você quer um livro que mude sua vida, ou ao menos um pouco de seus pensamentos, leio-o. Se está buscando um romance da vida real, leia-o. Se apenas quer se divertir, leia-o. 

Nota:  

Divirtam-se com este maravilhoso livro! E não se esqueçam de aprender com ele!

Com todo coração, 
Nina-Renegade. 

12 de janeiro de 2012

{Selinho}

Oi oi, meninas!

Acabei de ficar sabendo que ganhei um selinho da Gabi, do blog Sonhos e Aventuras! Own, sua linda, obrigada! *-* 


Regras: 
Repassar para no máximo 10 blog
Dar uma nota para o blog que te deu (repassou) o selo.


Repasso o selinho para minhas fofas recomendadas (veja a coluna Blog Recomendados, aqui ao lado):
Sonhos e Aventuras (eu sei que você já tem o selinho (dã), porque foi você que o repassou para mim, mas não poderia deixá-la fora dessa!

Nota para o blog que me passou: 10! Porque a Gabi é uma fofa e irmã dela também é uma fofa e a sua filhinha dela também é uma tchutchuca (a Carol já me mostrou fotos dela). E o blog Sonhos e Aventuras é muito dinâmico e amorzinho! 

Mais uma vez obrigada pelo selinho, flor! 

ps: gente, prometo que nesse fim de semana eu posto a resenha do livro Um Dia! Hoje não vai dar tempo porque vou sair para comemorar o aniver de duas amigas! Fica para a próxima!

Com todo coração, 
Nina-Renegade. 

11 de janeiro de 2012

{1 2 3 4: FÉRIAS}

Oooi, pessoal! Sei que muita gente está viajando, mas eu continuo por aqui! Só vou viajar no final do mês e podem deixar que vou aproveitar esses dias para postar um monte aqui, viu?

A postagem de hoje é sobre o meu planejamento de férias!

>Livros<

*A filha da tempestade
*A maldição do tigre
*A vidente
*A sensitiva
*A intuitiva
*Lonely Hearts Club
*Todas as estrelas do céu
*Perdida
*Sussurros de uma garota apaixonada
*Tudo aquilo que não foi dito
*Antes que eu vá

>Filmes<

*Monte Carlo
*Homework/The art of getting by
*Amor e outras drogas
*Verdade ou consequência
*Diário de uma paixão
*Água para elefantes
*Bonequinha de luxo
*Minha bela dama
*A princesa e o plebeu
*The runaways
*Uma prova de amor
*A garota da capa vermelha

>Seriados<

*Gossip Girl
*Revenge
*The Secret Circle
*American Horror Story

>Fics<

*Terminar One Way Or Another
*Continuar Teen Hearts
*Começar Always You
*Começar For Tonight

>Meus Livros<

*Acabar Como Enlouquecer Emily Webber
*Acabar Amor, Fama e Cerejas
*Acabar Todos os Seus Irritantes Problemas Desaparecerão
*Começar De Mary Clifford a Blue Mary
*Ajeitar os 11 capítulos já começados de Cor de Violeta

É, dá para ver que eu não vou conseguir realizar nem metade de tudo isso, haha. Mas, bom, o que vale é a intenção e a tentativa! Quem não tinha ideia do que fazer nessas férias, agora já tem! Quem ficou com vontade de seguir pelo menos as minhas listas de filmes, livros e seriados, espero que gostem, vejam e assistam! 

Com todo coração, 
Nina-Renegade.  

7 de janeiro de 2012

{Fotos do Ano Novo}

Oi, amores!

Então, né. Como prometido: as fotos >.< 







Gente, eu não sou tão gorda assim, ok? Tipo, não sei porque as fotos parecem que eu estou tão gorda assim. Eu não sou assim D: Na primeira foto aparecem meu pai e meu irmão. E a última é minha mãe e meu pai (meu pai tá todo mendigo assim, porque ele não quis se trocar, haha). Espero que gostem :)

Com todo coração, 
Nina.

5 de janeiro de 2012

{Poema}

Hellows, everyone! *-* 

Eu sei que não estou mais postando com muita frequência, mas é por causa do vestibular! No domingo começam as provas, e eu estou estudando pra caramba... estou muito sem tempo, mesmo. Nem ligar a TV consigo mais D:

Estou já devendo três resenhas e não sei quando vou postá-las. Pensei em fazer a de Um Dia hoje, mas acho que não vai dar tempo (sem contar que estou sem inspiração para fazer). Se eu acabar de ler O Preço de uma Lição ainda essa semana, já serão quatro resenhas pendentes! D: Mas juro que uma hora elas aparecerão, só me deem um tempo, ok? 

Vim aqui especialmente para postar minhas fotos do Ano- Novo, que a Gabi Wegner me pediu, mas acabei de descobrir que minha câmera está descarregada e ela não vai carregar hoje (ela demora quase um dia para completar a carga!), e não posso postá-las hoje! Desculpa, Gabi! Mas prometo que na sexta-feira, sem falta, as fotos estarão aqui! 

Por isso, ao invés de postar as fotos, vou postar um poema livre que fiz no meio da aula de Biologia, ontem! Ele ficou meio emo e dramático, mas não tenho mais nada para postar hoje além disso!

É difícil respirar aqui, minha garganta ardente tenta gritar
O som é alto, e o mundo está disforme
Tento aguentar, tento resistir, tento fingir
Conversas fluem, pessoas passam, continuo a mesma
O desagradável som da rejeição dói em meu peito

Meu coração reclama, pede por solução
Não quero mais sofrer, não quero ser invisível
Sair daqui parece difícil e preciso de ar puro
Preciso de salvação, preciso de uma prece
Se existia solução, agora as cordas foram extinguidas
Adeus ano novo, adeus vida nova

Estar aqui é a pior coisa, é uma ideia falsa
Sorrir parece fácil, mas não é quando você está machucada
Não consigo pensar, meu corpo dói; o vazio é branco e cega
A razão não funciona, você vai ter que pegar meu coração para enxergar
Não há mais ódio, só a apatia de alguém que não é útil
Largar isso é fundamental, é o Paraíso para alguém que quer morrer

Se existia uma maneira de recomeçar, oh, eu estaria lá esperando com as mãos estendidas
O problema deixou de ser eu depois que a cor esbranquiçou 
Ninguém mais entende por que o jardim não floresce mais
As marcas ardem em minha pele, vermelhas e dolorosas
Às vezes, ser alguém como eu não é um presente; você sofre para ter sua identidade
O coração explode, tremelicante, implorando por ajuda e compreensão

MANO, ESTOU ME SENTINDO UM POETA ROMÂNTICO DE TÃO CHATO QUE FICOU O POEMA! Mas eu não estava a fim de prestar atenção na aula e comecei a rabiscar no livro, então saiu essa coisa dos demônios aí!

Se você gostou coitada de você deixa um comentário! Se você concorda comigo que isso é um lixo (e que eu deveria ter tido vergonha na cara antes de postá-lo aqui) parabéns, você tem bom senso, comenta também. 

Fiquem bem e esperem que eu vou voltar, juro!

Com todo coração,
Nina.

1 de janeiro de 2012

{O Que Se Fazer Quando...}

Uau, primeiro post do ano *-* 

Como passaram a passagem do ano? Comeram bastante? Tiraram bastante fotos? 

Bem, à princípio eu iria postar umas fotos da noite de ontem, mas acho que vou deixar para outro dia, porque minha câmera descarregou e não acho que vocês estejam interessados no meu vestido ou na minha cara de bêbada de sono. Se quiserem ver as fotos, comentem, que eu posso postar outro dia, ok? 

Bom, mais uma coluna de domingo! Dessa vez é sobre o que se fazer quando você está com insônia. Se você é como eu (que sofre de insônia), vai poder domesticar um pouco mais do seu tempo que deveria estar usando para dormir. Aqui estão algumas sugestões testadas e aprovadas por mim: 

1 - Cantar (silenciosamente) suas músicas preferidas como se estivesse em um clipe ou em cima de uma palco

2 - Escrever o desfecho de um livro seu

3 - Imaginar como o seu humor vai ficar melhor quando, daqui a algumas horas, estiver lendo um livro nos dois períodos seguidos de geografia do cursinho (ou escola, ou faculdade)

4 - Contar piadas hipócritas a si mesma e rir de todas elas

5 - Tentar fazer uma lista das coisas que você pretende fazer na férias

6 - Escrever essa coluna no celular e não ser imbecil de apagá-la depois

7 - Imaginar se a Lady Gaga se veste daquele jeito bizarro dentro de casa ou quando recebe os amigos para um churrasco de domingo

8 - Tentar se lembrar de todos os livros que colocou na lista do ano e chegar à conclusão de que mais uma vez você não vai conseguir completá-la

9 - Assistir Acumuladores de Animais

10 - Colocar replay em Renegade enquanto seu pai reclama que a música está muito alta

11 - Imaginar que tipo de zumbi vai encontrar no meio da sua cozinha se você descer para beber água

12 - Ficar cantarolando Don't Panic, do Coldplay

13 - Tentar fechar a sua mente para ideias malucas para próximos livros

14 - Fazer uma competição contra si mesma de soletração

15 - Imaginar como estará seu rosto amanhecido assim que se olhar no espelho

16 - Preparar um lanche de Nutella

17 - Tentar assistir Corações Perdidos, mas não conseguir passar nem dos primeiros 15 minutos, porque o vídeo tranca

18 - Assistir Megamente e se comover pelo fato da Rosane rejeitar o cabeção-azul

19 - Procurar os filmes da Audrey Hepburn para ver nas férias

20 - Tentar procurar algum link para ver o filme Homework 

Certinho. É isso. Se você tem tempo de sobra para fazer nada, sugiro que teste algumas dessas sugestões. Desculpe se esse post não ficou tão divertido quanto os outros, é que foi o único tópico que pensei de um tempo para cá. Mas você pode me ajudar: é só sugerir um tema para eu escrever sobre! Vamos lá, gente, me ajudem :) 

Se cuidem e comentem, ok?

Com todo coração,
Nina