26 de setembro de 2012

#Top 5: Músicas que Não Saem da Cabeça

Gente, sei que o blog já foi mais preenchido de posts - eu praticamente postava toda semana! -, mas realmente não estou mais com tanto tempo ~nem inspiração/paciência~ para postar muitas vezes... O que me deixa, de verdade, meio triste! Porque a finalidade inicial desse meu cantinho era desabafar e criar um lugar confortável para todas vocês, porém muita coisa está acontecendo na minha vida e eu estou tentando diminuir minhas "horas vagas". Mas, POR FAVOR, não desistam daqui! 

Já faz um tempinho que não posto nada sobre música e, como algumas, ultimamente, não têm saído da minha cabeça, resolvi compartilhá-las com vocês!

Pode parecer novidade, mas No Doubt é uma das minhas bandas preferidas! Eu admiro muito a Gwen, e depois que virei fã da Samantha Madison - de A Garota Americana -, meu amor por essa banda aumentou. E essa nova música é ma-ra-vi-lho-sa. Almocei a ouvindo e não consigo tirá-la da cabeça! 

Adoro a Kelly desde Since U Been Gone (2004) e desde a primeira vez em que ouvi essa nova música dela me viciei! Não costumo ouvir muito pop - na verdade, tenho um pouquinho de preconceito, até -, mas a Kelly sempre consegue me fazer amar as músicas dela!

Antes que alguém se manifeste, não, eu não sou fã deles. Na verdade, acho que eles são apenas mais uma bandinha bonitinha produzida. Mas, por algum motivo que vai além do meu entendimento, essa música maldita não sai da minha cabeça. 

Antes de Mr. Brightside (alguém lembra dessa?), a primeira música que cantei muuuito da banda foi essa. Acho que, na verdade, não tem NINGUÉM na face da terra que NÃO conheça essa música! Até a MINHA MÃE sabe cantá-la! ~risos~

Clipe meio assustador, menina esquisita: le ama. Desde a primeira vez em que ouvi e vi o clipe, achei que que, com toda a certeza, se essa canção não fosse dessa moça, a Taylor Momsen poderia cantá-la facilmente e ninguém diria que não foi ela quem a escreveu. 

E aí? Qual é o seu #Top 5 de músicas que não saem da sua cabeça? Compartilhe! :)

Love, Nina. 

6 de setembro de 2012

#Who Knows?



Não é mentira. É apenas uma verdade que você acha que é imutável. E aí, você muda, seu cabelo muda, seu sorriso muda e, com certeza, suas decisões mudam. Elas levam você para longe do que você já quis ser ou tentar. 

Você planejava terminar o colégio, não entrar na faculdade logo de cara - se possível nem entrar na faculdade, porque considerava perda de tempo -, sair de casa, encontrar alguém plausível para dividir uma vida, começar um emprego que lhe satisfaria financeiramente e, talvez, morrer dali uns 70 anos. Mas uma onda nunca bate na mesma encosta. A maré muda e torna tudo ao seu redor inconstante, incerto. Então, quando você menos espera, sua vida vira do avesso. Seus pais se separam - você não queria tanto isso? -, você tem que encarar os 100 metros quadrados do seu novo lar, que faz você ter claustrofobia, tem que dividir os Natais entre casa-do-pai e casa-da-mãe, é obrigada a estudar como a Hermione Granger para entrar, finalmente, na faculdade, se vê sem tempo para ler um livro por prazer, se vê sem tempo para passar uma tarde tranquila no shopping com sua melhor amiga, se vê sem tempo para sorrir, se vê querendo recuperar tudo como era antes. 
Mas a proposição mais importante a se fazer é: e o futuro?
O que você já quis dele e não conseguiu? 
Você começa a se questionar se está mesmo fazendo tudo certo. Será que o futuro é mesmo tão nebuloso assim, tão intocável? 
Tempo. Tic-tac. Ele não para e te leva junto. As horas passam e parece que você está na mesma posição desde o começo, parece que você não consegue mais pensar coerentemente, parece que, na verdade, o tempo explode nossas mentes hesitantes. 
Você não disse o que gostaria. Você não experimentou aquele beijo que tanto desejou. Você dormiu a tarde inteira e deixou de se importar com o trabalho acumulado. E seu futuro foi ficando cada vez um tiquinho mais afastado de seus dedos. 
E com toda essa "mesmice" você muda. Você percebe que precisa de uma revolução na sua vida. 
E a verdade que você prometeu perpetuar... não existe mais. Ou existe muito pouco. Você fez; você mudou tudo. 
E agora você se vê livre. O peso que antes lhe afligia não está mais ali. Você nota que todo o esforço que está fazendo lhe trará benefícios a longo prazo. Você, finalmente, será feliz. Você consegue sentir a felicidade se aproximando. E você vê o propósito da indecisão: ela lhe marca para sempre. Você pode ficar remoendo-a se prolongá-la. E ela fica alojada em você para sempre. 
Mas acabou. Você se libertou. Agora você sorri. Ainda não tempo para tomar um sundae enquanto lê um dos seus livros preferidos, mas sabe que está no caminho certo, e nada é mais importante do que achá-lo. E você o encontrou; seu pote de ouro, finalmente, começa a ser visível no final do arco-íris. 
A verdade não se tornou uma mentira absoluta. Você apenas a modificou, lapidando-a para você. E cada vez mais irá lapidá-la, tornando-a ainda mais realizável. E ela se realiza, quando você menos esperar. Você fecha os olhos e, quando os abre mais uma vez, ela está bem diante de seus olhos, encarando-a e dizendo: "E aí? Qual vai ser seu próximo passo?". 
E você descobre que seu próximo passo é indefinível, mas que, a todo custo, quer fazê-lo. Faça. Passos podem levá-la para trás, com certeza; mas se não se arriscar, pode nem ao menos sair do lugar. E ficar parada é a última coisa que quer, certo? 


________

Qual o motivo desse post? Letras. Isso mesmo, Letras. Eu mudei e escolhi. O que você vai escolher? Dê o primeiro passo! ;)

Love, Nina