Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#Love, Love, Love

by - maio 07, 2013

Estou meio sem inspiração para tudo, ultimamente. Abro o Blogger e fujo o mais rápido possível, porque não sei o que abordar; não sei nem mesmo o que estou pensando. Mas hoje eu achei uma coisa linda. 

Certo. Acho que TODO MUNDO já tentou escrever ou definir o amor. Acho que todo mundo, sem exceção, procura alguém para amar e dividir um pouco dos problemas e a vida. Todo mundo deseja ter o friozinho no estômago e se pegar sorrindo pelos mínimos motivos. 

O amor é universal. Não acho que o que move o mundo seja os esportes, ou a guerra, ou o poder. Não. O que realmente move as pessoas é o amor. Mas nem todo mundo tem na mente o mesmo tipo e nível de amor. Cada um procura um amor diferente. Um amor de amigo, um amor de mãe, um amor de cachorro, um amor de avós, um amor verdadeiro; tudo isso, ao meu ver, é amor.  O problema é que as pessoas tentam separá-los, criar repartições, como se eles não fossem um só. 

Não aprendi sobre tal tópico em casa. Não mesmo. Aprendi-o devorando Harry Potter. Foram estes livros, cada qual com suas peculiaridades, que me fizeram enxergar que o mundo da Tia Jo não aborda a bruxaria, ou o bem e o mal, ou o menino rico e o menino pobre. Hogwarts, o meu lar, fala sobre amor, em vários aspectos. Tudo aquilo retratado, na realidade, é amor. Pura e simplesmente amor. Há o menino que foi amado, mas há também o cara rejeitado, o qual foi privado do amor e, consequentemente, não soube aprender a amar. 

As amizades. Por que a amizade do trio-bruxo tem de ser tão específica? Por que todos não podem nomeá-la de um único nome, amor

E o Snape? Muita gente o odiou até o último instante de suas lembranças. E, no final, o professor ranzinza que não amava ninguém foi o personagem que mais amou! 

Por que a Hermione e o Harry não podiam ser verdadeiros amigos? Ah, sim. As pessoas acreditam que não existe amizade entre homem e mulher. Mas, veja só, quando lembro deles não posso evitar pensar que eles são um "cala a boca" para o mundo mesquinho. Para o mundo que se resume a rótulos. Gay, héreto e idiota. Com certeza, você se encaixa em alguma dessas opções. 

Você deixou de ser a menina inteligente, ou o menino das ciências, ou a pessoa divertida. Agora você é alguma coisa que alguém que você não conhece (ou talvez conheça muito bem) lhe intitulou. Você se tornou uma coisa - não é mais uma pessoa. Porque, agora, você não tem mais sentimentos. 

E, acredito eu, quando os sentimentos não valem mais, quando você começa a pensar como um robozinho - sem usar sua própria cabeça -, todas as concepções nas quais se agarrava está morrendo. E se as concepções estão morrendo, com certeza, o amor já se esgotou. 


Mas o que é o amor para você? Que tipo de amor você procura?

_______

O que encontrei hoje, que foi o que me inspirou a escrever isto, é a uma música - que mais se assemelha a versos levemente cantados. 

"O amor é uma coisa engraçada. Você espera que seja fácil. Você espera que seja um mundo de rosas e risos e momentos perfeitos que encontra apenas em filmes. Espera que ela sempre diga a coisa certa, e sempre saiba exatamente como você se sente, ou exatamente como reagir a ela. Espera que ela te acalme quando você está gritando ou que o persiga quando você fugir. Espera muito que você se sinta total e completamente derrotado quando algo não corresponde, exatamente, com todos os seus planos. Mas essa é a coisa. O amor não é um plano. Ele não tem um certo início e certamente não tem um final certo ou visível para aqueles que estão nele profundamente.
O amor acontece; é tão incrivelmente confuso. Pessoas ao seu redor não conseguem compreender por que você faz as coisas que faz, ou por que você luta tanto por algo que parece causar-lhe tanta dor, porque, simplesmente, não podem ver. Eles não podem ver o anel invisível da loucura que o rodeia quando você está apaixonado. É inconveniente e doloroso e devastador, às vezes, mas não podemos viver sem ele. O que você não aprende é o quão duro é o amor. Quanto trabalho é preciso. Quanto de nós mesmos temos que colocar nele. Como não vale a pena até que formos completos idiotas e absoluto sobre o assunto.

(...)
Ele nos faz loucos. (...) Porque o amor não é sobre nos cercar, sentir-nos seguro, sentir-nos 100% certos sobre o futuro. Trata-se de assustar a droga de todos os nervos do nosso corpo, mas que nos empurra para a frente de qualquer maneira. Porque toda a luta e todas as lágrimas e toda a incerteza vale a pena". 

- Definition Of Love - Andrew London. (música aqui). 

Eu suprimi alguns trechos, pois apenas quis publicar os que me chamaram a atenção e os que me tocaram, porém para queles que querem ler a tradução na íntegra há este link (originalmente em inglês, mas há meios de usar o mecanismo do Google Tradutor, apesar de não ser tão confiável assim. O que foi postado aqui foi traduzido por mim mesma e espero que esteja correto, haha. 

Então, gente amada, qual é a definição de amor para vocês? E que tipo de amor vocês procuram (vide o texto acima da música para responder esta pergunta)?


Um superbeijo para todas vocês!
Love, Nina. 

You May Also Like

5 comentários

  1. Concordo completamente com você quando afirma que o amor é que move o mundo. Existe sentimento mais lindo e puro?
    Awn, como não amar o trio de bruxinhos mais fofos da história? Acho a amizade deles tão simples e sincera. Por falar em sinceridade, muita gente acredita que nesse mundo tão ''moderno'' que estamos vivendo, falta amor verdadeiro. Não acho. O amor é algo que sempre existirá,sabe? Por mais que apenas poucos consigam vive-lo.

    Beeijo flor!
    http://miopesanonimos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Não preciso nem começar a discursar sobre Harry Potter, porque você me conhece.
    Mas acredito grande parte do fandom que permanece até hoje, é por conta disso, se prende não apenas na história em si, mas no que lê-la lhe causou, ou em quais memórias a gente vai passear quando retoma a leitura.

    Beijos dear!
    com muito AMOR!

    Carol,
    www.caixa-a-a.com

    ResponderExcluir
  3. Siiiiiim Nina, seu blog é um dos meus preferidos, adoro ele, me acalme. Você escreve muitíssimo bem e eu realmente me identifico com seus textos. Aí chego aqui e tem um texto sobre amor e fala ainda de Harry Potter...tem coisa mais amor que isso? A saga de Harry Potter acompanhou minha infância, adolescência e inicio da vida adulta. me sinto parte de Hogwarts, me sinto meio filha da JK por ela contar essa história maravilhosa e cheia de amor pra gente!
    E sinceramente definir amor é uma das coisas mais difíceis pra mim. É possível isso? O amor da minha vida é a minha mãe e me imaginar sem ela me dá uma dor imensa no coração, isso deve ser amor né?! haha
    E quanto ao seu comentário lá de complexo de inferioridade é uma coisa ruim mesmo, mas você é uma pessoa maravilhosa, inteligentíssima e linda!Você merece td de bom...então mais amor e felicidade e sem mimimi! hahaha
    Beeijo :*
    http://canseidarotina.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Vamos lá, por onde começo? Desculpa a imensa demora, me ausentei um tempo do blog, vestibular é realmente um maldito sistema. Mas adorei o comentário super carinhoso que li, você é uma fofura! E agora sim, agora sim posso comentar sobre esse belíssimo texto, concordo que o que move o mundo é o amor, e que toda forma de amor é válida. E que o amor acontece quando a gente não espera. Mas também não desespera, ele acontece. E aprendi muito com Harry Potter, que foi praticamente toda minha infância. E ali existia o amor em tantas formas. As pessoas têm a péssima mania de pôr o amor numa forma, como se fosse só aquilo que forma um casal, entende? E não é? Amor é algo muito maior, é o que une as coisas, seja lá quais forem elas. Eu e a escrita por exemplo, quem vai dizer que não há amor ai?

    Você disse que gosta de textos alheios, e já que falei da escrita, te convido a ler meu último texto, espero que leia, e que goste tanto quanto gostou do anterior. Espero sua visita.

    Um super beijo
    http://venenosemacas.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Oii Nina! :)
    Bem, agora quem precisa pedir desculpas pelo sumiço sou eu! haha
    Tenho que dizer que eu estava na mesma que você, abria o blogger e ficava olhando para a caixinha laranja sem saber o que postar!
    Mas bem, hoje criei coragem e vim aqui! haha
    Eu tenho que dizer que eu amei esse seu texto! Muitas pessoas tentam rotular, controlar e até entender o amor, e não entendem que ele tem que ser um sentimento para ser sentido somente!
    Apesar de não ser e nunca ter sido fã de Harry Potter (nada contra, eu até acho legal! haha), gostei bastante de você ter usado eles como exemplo, afinal nessa história tem várias demonstrações de amor e carinho de várias formas diferentes! *-*
    E bem, como você disse, se começarmos a pensar mecanicamente, como robozinhos, acho que não terá mais sentido viver! rs
    Beijooocas flor! :*

    http://meuuniversox.blogspot.com

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário! Que tal deixar o link do seu blog para eu fazer uma visita a você depois? :D



INSTAGRAM