Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#Continue a caminhar!

by - setembro 22, 2013

Minha professora de Introdução à Pesquisa tem muitas certezas. Uma dela é que caminho e caminhada não é a mesma coisa; uma caminhada é a junção de vários caminhos, ou seja, um método para se chegar ao final de uma caminhada. E a outra certeza é que, naturalmente, uma pergunta sempre gera uma resposta, que continua a acontecer. Mais perguntas, mais respostas. E, não, isso não tem um fim. Não é um ciclo, caso contrário não teria propósito algum. Por que você, um ser que quer ir para frente, daria um passo para trás, regressando à pergunta inicial, que pode - sim, eu disse pode - levá-lo à mesma resposta que já concluiu? 

Mas isso, de modo algum, tem a ver com Pesquisa. Já que eu não entendo nada deste assunto - acredite, é uma área bastante complexa para pessoas leigas; alguns slides não simplificarão a sua vida; pelo contrário, quando você acha que entendeu certa questão, muitas outras perguntas voam pela sua cabeça. 

Isso tem correlação com a felicidade. Fiquei pensando: será que algumas pessoas não encontram a felicidade por que se perderam em suas caminhadas, ou por que estão utilizando os caminhos errados? Ou, acima de tudo, nem sabem qual é a diferença entre caminho e caminhada?

Pois bem, pessoa que caiu no buraco da infelicidade. Digamos que você, alguém que faz sei lá o quê e que tem sei lá qual objetivo de vida, está perdido numa cidade desconhecida. Você também não sabe como foi parar lá. Não sabe se entrou no guarda-roupa, ou se foi levado por extraterrestres. Mas não importa, esse não é o grande problema. O problema é: você está perdido. E a grande pergunta é: como vai sair daí? 

Você pode:
a) pedir ajuda a passantes. 
b) considerar que os habitantes desta cidade não falam a sua língua de origem, portanto, vocês não vão conseguir se comunicar, e você opta seguir em frente, sempre em frente. 
c) parar e analisar a situação, para encontrar um caminho. A partir do caminho, você fará a sua caminhada.

Você quer entrar em contato com alguém, porque o desespero está tomando conta, mas tem que se concentrar. Sabe que estar perdido é o ponto inicial, porque a partir da dúvida (como vai voltar de onde veio?) vai surgir um objetivo (você precisa dar o fora dessa cidade). A situação é a pior possível, portanto você tem que ser rápido para encontrar um caminho, mesmo que o mais incerto e mesmo que ele o dirija a uma incipiente caminhada também incerta. Mas tudo bem, porque agora você está focado. Agora há o planejamento (um caminho a ser percorrido) e você somente precisa adequar os métodos (a caminhada a ser encontrada). 

Então agora lhe sobraram as alternativas "a" e "b". Você precisa se adequar, também. Achar um meio-termo. Sinal de fumaça, tambores, pictogramas? Como você poderia se comunicar com essa gente? Você sabe, não sabe?

Sim, gestualidade. Mímica. Sinais. Pode estar enfrentando uma circunstância pitoresca, mas é uma saída. É uma das saídas, um dos caminhos. Bingo, você está se dirigindo para a sua caminhada! Algumas pessoas te olham, estranhando. Você está agindo como um bobo. Mas elas o entendem. Elas sabem que você quer sair dessa cidade. Elas, então, lhe apontam um caminho. Mesmo sem proferir quaisquer palavras, mágica, vocês estão conversando! Você agradece com um gesto que poderia indicar agradecimento, e elas se vão. Você segue em frente, sempre em frente, determinado. Você tem um objetivo e está na sua caminhada. Tem ciência de que vários outros caminhos podem surgir e que você vai ter de modificá-los em detrimento da sua necessidade, mas, vamos concordar, você está prestes a sair dessa cidade desconhecida! Está, aos poucos, próximo da sua iminente felicidade!

Muitas horas se passam, você quer desistir, porque os caminhos não se adequam à sua caminhada. Acredita que se perdeu de novo, que vai precisar retroceder e recomeçar. Mas se o ciclo se repetir, então você estará duplamente perdido. Com a mesma pergunta, obterá - possivelmente - o mesmo resultado. E você não está disposto a perder mais horas aí, você quer estar em casa, preencher a papelada do escritório, ouvir seu chefe te pedir muitas pautas para um único dia, escutar sua mulher reclamando do volume da TV, dar banho no seu cachorro fedorento... Ou seja, você tem outros planos. Ficar preso para sempre em terras longínquas não está no previsto. 

Você precisa ser científico, trabalhar com fatos. Se seguir em frente não está lhe rendendo frutos, quem sabe virar naquela esquina lhe traga respostas satisfatórias. Ah, um centro comercial! Você não precisa comprar nada - afinal, não é este o seu objetivo -, mas precisa de informações. Sem informações, sem base, sem conhecimento, não haverá caminhada. O cara de farda também não fala a sua língua, mas o que é aquilo? Ah, um estande: Informações em outras línguas aqui. Você está salvo!

"Oi, como eu saio daqui?", você pergunta. A mulher te analisa. "Ih, seu moço, cê tá perdido? Donde cê é? Donde cê veio, seu moço?", o sotaque esquisito dela te faz cócegas na garganta, mas ela fala a sua língua. Vocês estão separados pelo sotaque, é apenas uma variação linguística, não de vocabulário. Dá pra entender, dá pra suportar. "Sabe a quebrada do seu Nelso? Sou de lá, você sabe? Depois do matagal, depois das casinhas coloridas. Lá nas montanhas, bem longe!", você tenta explicar da forma mais simples possível. Se ela não entender isso, você já era. "Ih, seu moço, cê tá doido! Aqui ninguém sabe ir pra lá, não. Ô Cláudio, venha cá! O moço aqui tá perdido! Tá doido, também!".

Pronto, você já era. Agora, além de perdido, você é doido. "Pode deixar que eu encontro o caminho, moça", você diz, amaldiçoando a população local. "Não, seu moço, cê tá errado! Pode ir pelo caminho, não, cê tá entendendo? Tem que seguir a caminhada! Siga a caminhada, seu moço!", a mulher replica. "E onde fica a caminhada?". 

"Ah, seu moço, deixa disso! Cê tá complicando tudo! Vai em frente, sempre em frente. E faça o favor de não voltar mais, cê ouviu? Se voltar, tá perdido!".

Mas você está mesmo perdido. Cadê a sua caminhada? Cadê a sua felicidade? Por quê caminho e caminhada estão à toa, rindo da sua cara, enquanto você tenta adequar tudo? Cadê a sua resposta tão esperada? Você vai mesmo achar o caminho e caminhada de volta para casa? Mas quando? Por que nada está funcionando? 

Agora, você está desolado e frustrado. Você se perdeu na vida também. O que vai ser de você se ficar nesse fim de mundo pra sempre? Como vai se adequar à esse povo? E a sua felicidade, como fica? Você não a encontrou. Talvez, nunca a tenha encontrado, mas agora? Nossa, sua moça, agora a felicidade desse cara tá perdida de vez! 

~*~

"Método: caminhada; estudo do conjunto de caminhos - procedimentos metodológicos"

E é por isso, minha gente, que todo mundo se perde, seja na vida, ou seja na cidade. Cadê o caminho e caminhada de todos vocês? Sejam curiosos, planejem, estranhem, questionem, "tirem suas lentes". Vão em frente, mas não se esqueçam da caminhada. Ela é mais importante que o caminho, viu só?

~*~

Encontrem suas caminhadas por aí, Nina. 

[texto escrito em 28/08]

You May Also Like

0 comentários

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja machista, LGBTQAfóbico(a), ou racista. O mundo agradece :)

Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.



INSTAGRAM