Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#Livro: O Triunfo de Katie Byrne

by - outubro 09, 2013

Sim, encontrei um tempo para fazer essa resenha. Apesar de já ter devolvido o exemplar, espero conseguir ter minhas lembranças sobre ele ainda frescas, rs. 

Título Original: The Triumph of Kate Byrne.
Editora: Record
Ano: 2001

~*~

Sobre a autora: BARBARA TAYLOR BRADFORD nasceu em Leeds, na Inglaterra, e começou a trabalhar como jornalista aos 20 anos. Uma mulher de fibra tornou-se eterno best seller e abriu caminho para outros 19 romances de sucesso. Seus livros venderam mais de 75 milhões de exemplares por todo o mundo, em mais de noventa países e quarenta idiomas. 

~*~

Foi na biblioteca da PUC que descobri os três volumes doados desta autora e logo já peguei este livro para analisar, por conta, também, das críticas positivas que tinha lido. Pois bem. Achei incrível me transportar para dentro do mundo de Katie. Adoro enredos policiais e isso me chamou a atenção de imediato. E a trama que permeia a vida de Katie é daquelas... mornas. Não há, efetivamente, todo um clímax surpreendente. No começo, todo o caso que ocorre com suas amigas, Denise e Claire, prende muito. Você fica ansiando para saber se todo o aparato policial irá dar conta do crime que dá indícios de ser insolúvel, já que Claire não resistiu aos ferimentos proporcionados pelo estuprador e Denise está em coma. 

Quando a primeira parte termina - o livro é divido em três -, de repente você é jogado anos à frente e despenca no cenário da Broadway, em NY; Katie e suas amigas aspiravam serem atrizes de grandes peças teatrais e, mesmo sem elas, a menina segue em busca de seu sonho. E consegue. Na segunda parte, Katie está cercada de pessoas bem colocadas no mercado e envolvida pelo workshop do papel que lhe ofereceram como estreante: ela será Emily Brontë, na peça Charlote e Suas Irmãs. Porém, para tanto, ela teria de regressar à sua cidade, e Katie não está preparada para estar novamente em contato com Denise em coma e com todas as dolorosas lembranças de anos atrás. Mesmo apreensiva, Katie aceita a oferta de trabalho. 

Toda a narração sobre a vida das Brontë, os dilemas que Katie enfrenta com sua atual melhor amiga, e os cenários aos quais somos apresentados - com casas exuberantes, banquetes fartos, pessoas influentes e ricas - é o ponto alto de todo o livro. Com certeza, esta é a parte que mais me prendeu, que mais me instigou a ler compulsivamente. Então, a parte três deixa muito a desejar, especialmente porque tive a impressão de que a autora quis correr demais com a narração. Quis ajeitar tudo da maneira mais rápida possível. É aí que Katie encontra um rapaz que, sem mais nem menos, arrebata seu coração. Não gostei nem um pouco dessa colocação amorosa na vida dela, pois foi forçada por demasiado, superficial e completamente desnecessária. É aí, também, que, milagrosamente, Denise acorda de seu estado semi-vegetativo (o diagnóstico de coma fora um erro médico) e todos esperam que ela diga quem foi o homem que a atacou e matou Claire. Sem muitas surpresas, Denise sabe quem foi o assassino. A revelação, no entanto, não foi nada satisfatória. Foi, tal qual o relacionamento de Katie com o rapaz recém-conhecido, desnecessário. E, digamos, nada baqueador. Nada chocante. Nada de nada. Portanto, O Triunfo de Katie Byrne é um romance morno. Não existe outra palavra. O mais interessante do livro inteiro foi descobrir um pouco mais sobre as irmãs Brontë, como supracitado. De resto, tudo mimimi. 

É importante ressaltar, entretanto, a escrita de Barbara, pois foi uma questão que me chamou a atenção. É envolvente, muito parecida com a de Meg Cabot, e de outros tantos escritores do início do século. Uma coisa que notei foi a polidez com a qual os personagens se tratavam. Achei um verdadeiro amor Katie e seu irmão ficarem dizendo: "Com licença, mamãe", ou "Com licença, papai". É intrigante perceber que, hoje me dia, este tipo de tratamento não ocorre mais - nem mesmo nos livros. É interessante notar o quanto, de dez anos pra cá, muita coisa mudou. Gosto de ler livros "mais velhinhos" justamente para descobrir essa vida que antigamente as pessoas tinham. 

MAS, acredite ou não, resolvi retirar os dois outros volumes dela que estão disponíveis na biblioteca: Um Caso Secreto de Amor (1997) e Com Seu Destino nas Mãos (1998). Em breve, resenharei sobre eles também (:

~*~

Barbara Taylor pra vocês, Nina (sim, eu a recomendo, apesar dos apesares). 

You May Also Like

0 comentários

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja machista, LGBTQAfóbico(a), ou racista. O mundo agradece :)

Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.



INSTAGRAM