Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#A Tal da Obrigação

by - novembro 08, 2013

Eu aprendi que um problema é ser quem é.
Aprendi que você tem que ser outro alguém, também.
Que você não pode ser como é, não pode gostar do que é, não pode gostar do que faz.

Tem a total obrigação de ser quem não deve ser, e quem não gostaria de ser. Tem a total obrigação de sair à noite com as amigas, porque essa é a vida que lhe deram. Você é jovem, tem que sair. Você é obrigada a isso. Não pode querer ficar em casa sendo quem é, lendo seus livros de amorzinho, ou escrevendo histórias de amorzinho. Tem que sair.

Saia, menina!

Aprendi que se você sair com suas amigas você é legal. As pessoas vão gostar mais de você por causa disso.
Vão gostar, aliás, de alguém que você não é.

Então é isso.
Você tem a total obrigação de fingir gostar de coisas que não gosta, de fingir não gostar de ler à noite, de fingir não amar as palavras.
Você tem a total obrigação de se doar a quem não se doa, também. De suportar gente que revira os olhos enquanto fala contigo. De fingir que papos fúteis lhe agradam pra não passar a imagem de introvertida. De concordar em ser maltratada. De entrar num tipo de conluio no qual você é sempre humilhada por não fazer parte daquele velho papo “Mas todo mundo faz isso”.

Aprendi, também, que você pode dizer com todas as letras algo assim: “Dá licença, mas quem disse que eu tenho essas obrigações?”.
E que se dane se a outra pessoa, aquela que revida os olhos enquanto fala contigo, não gostou da sua resposta. Quem sabe, você não tenha gostado de ter de explicar o modo que passará sua noite, que não vai ao barzinho com suas amigas.

Aprendi que não adianta explicar, as pessoas entendem o que querem. Que as pessoas se agarram a padrões ridículos. Que acham que pra ser feliz você tem a total obrigação de sair à noite, de estar à caça de garotos, de ficar procurando coisas que deveriam ser achadas ao acaso.
Quem disse que a vida é feita de projetos?

Aprendi, também, que o mais importante é ser feliz do modo que mais lhe agrada, independentemente do condicionamento cultural ao qual está inserida.
Não precisa sair à noite, se assim não quiser.
Não precisa olhar todos os garotos da sua turma tentando encontrar alguém.
Não precisa procurar o amor a cada esquina.
Não precisa, acima de tudo, ser feliz fingindo ser alguém que nunca seria.
Seja você.
Introvertida.
Esquisita.
Caseira.
Escritora.
Leitora.

Mas seja quem é. 


Sem obrigações, Nina. 

You May Also Like

0 comentários

Olá, obrigada pelo comentário! Que tal deixar o link do seu blog para eu fazer uma visita a você depois? :D



INSTAGRAM