11 de dezembro de 2013

#Ah... E essa espera toda?

E aí está você, veja só. 
Acho que nos desencontramos, não? Você continua sentado nesses mesmos degraus, continua com a mesma expressão de desolação, com os mesmos All Stars vermelhos, com o mesmo penteado no cabelo. 

Você tem esperado, incessantemente. Minutos se vão, e quando completam mais uma hora perdida, não há por que voltar pra casa, né? Você ainda espera.

Esperou por aquela menina com quem sentou-se ao lado no ônibus. Ela nunca mais retornou. Você nunca mais a viu. 
Esperou que te dessem valor. Todo mundo apenas se interessou pelo que você tinha a oferecer, não deram atenção pelo que você é. Foram embora, depois de um tempo.
Esperou pela resposta da mensagem. Não conseguiu terminar o jantar, porque seus olhos estavam fixos à tela do seu celular. A resposta nunca veio. Será que ela ao menos a leu? Você não sabe. 
Esperou pela liberdade de ser quem é. Ninguém lhe deu uma sequer chance. Você, disseram, é apenas mais um, acostume-se com isso. E, no fim, você se acostumou. 
Esperou pelo reconhecimento. Pisaram em você. Aqueles com quem você mantém contato direito nem ao menos te olham na cara quando você, tímido, cruza a sala de reuniões. Você é um nada para eles. 
Esperou pelas conversas. Mas você sempre tão fechado não deu o primeiro passo. Perdeu a oportunidade de conhecer alguém novo. E, talvez, esse alguém novo fosse se tornar a sua pessoa. Você a perdeu, seu medroso. 
Esperou pelo fracasso final. Ele, entretanto, não veio. Você suportou ter a corda no pescoço diversas vezes, mas não terminou com tudo. Continua lá, naquela mesinha, naquela salinha, com aquelas pessoinhas, sem reivindicar nada. Você poderia ter dito o quanto estava de saco cheio, que gostaria de atirar tudo para o alto, mas não proferiu nada. Abaixou os olhos e concordou. E, agora, o fracasso apenas se anuncia, nunca se concretiza.
Esperou pelo momento perfeito. Ele passou. Você não falou o que gostaria, não beijou quem mais amava, não dançou a sua música preferida. 
Esperou por aquela carta. O remetente esqueceu-se de você. Quem gastaria papel, tinta e palavras com você? 
Esperou pelo sono. Passou a noite em claro, com insônia. 
Esperou pela vida. Veja você aí, ainda sentado esperando. 

E, no fim, você se tornou a esperança de tudo aquilo que gostaria de ter feito, de ter sonhado, de ter conquistado. As pessoas continuaram; você, entretanto, perdeu sua vida enquanto esperava. 

Tá esperando demais, meu caro. Pare com isso. 
Tire esse All Star, estique as pernas e se levante. Em outra escada, em outra esquina, sua vida pode recomeçar. Vai perdê-la se não parar de esperar. 


Don't wait forever, Nina. 

2 comentários:

  1. Ah que texto para refletir Nina... Tão verdadeiro sabe? Faz a gente acordar!!
    Me fez bem ler, a gente sempre tem pendências que deixamos de lado... Até quando?

    Beijos,
    www.miragemreal.com

    ResponderExcluir
  2. kkk é bem assim mesmo. A maioria de nós, deixamos tudo pro amanhã. Porem, não é muito bom, devemos "viver o hoje" e não deixar nada pro amanhã, talvez será tarde demais...

    Beijos de luzes, obrigada pela visita! fique com Deus :*
    PHANNY TEEN

    ResponderExcluir

Seu comentário é super bem-vindo. Não esqueça de deixar o link do seu blog para eu o visitar assim que possível ;)