Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#Coisas, definitivamente, de Amélia.

by - dezembro 22, 2013


Amélia não sabia quantos anos tinha, ela nunca se prendia à isso: que diferença fazia um ou dois anos a mais, quando ela apenas continuava a viver? 

Mas, após completar 10 anos, ela dizia que toda a sua vida começara a acontecer depois dos sete. Era o que se lembrava. Antes, havia tanta lama e tecidos puídos que nada daquilo era suficiente para sua memória. Então a criança descartou tudo. Antes e depois. Aquele episódio é que proporcionou o seu próprio divisor de águas.

- Criança, estão te chamando. 
Era a morcega-velha. Ninguém gostava muito dela, embora Amélia nutrisse certa curiosidade por ela. Porque estava ali, se tinha tanto? E por quê, por Deus, não tinha filhos ou um marido visível? Por que aquela mulher não tinha uma vida? 
- Dona Mari, quem está me chamando? 
A morcega-velha, essa sim, era uma Mari. Comum, com grandes olhos azuis-acinzentados, mãos calejadas e sempre exibindo as mesmas roupas, as mesmas que Amélia contestava serem pijamas. "Mas Dona Mari, por que está de pijama?", Amélia desatava a perguntar. A velha sorria, apesar de fazer tal gesto com raridade. "Criança, não estou de pijamas!", a mulher sempre tinha de rebater. No dia seguinte, a cena se repetia. Incansavelmente. Dona Mari parecia não se importar. E continuou não se importando pelo resto de sua pacata e resignada vida. 
- Ora, criança, é um homi de amarelo! Aquele homi de amarelo que nunca vem aqui! 
- Certamente, não é o Papai Noel - Amélia refutou, caminhando pelas poças que tinham se formado depois da chuva no quintal dos fundos. 
- Eu que não sei. Quem é esse tal?
- Dona Mari! - Amélia começou a rir. Não respondeu e deixou a velha sozinha no terreno dos fundos. Foi feliz e saltitante. Sua mãe já tinha lhe respondido quem poderia ser o homem de amarelo. Quem não o reconheceria? 

- Cadê a Dona Amélia, mocinha? - o homem quis saber. Isso provocou um riso contido na garganta da criança.
- Não sou Dona ainda não, seu moço! Sou pequena demais ainda, você vê?
- Você é Amélia?
- Eu sou Amélia, sim. 
- Ótimo, isso é para você - ele estendeu seu braço com um pacote pardo na mãos. Parecia relativamente grande, grande o bastante para fazer os olhos da pequena Amélia brilhar com intensidade. Será que aquele homem era, afinal, o Papai Noel? 
- Por quê?
- Se você não sabe, como vou saber?
- Ai, seu moço! Deixa disso, sem surpresa! - Amélia colocou uma mão na cintura, irritada. Por que ele não poderia dizer? O carteiro, sem saber o que lhe retrucar, tomou seu rumo e foi-se. Amélia logo remexeu o pacote em suas mãos, inspecionando cada centímetro. Depois de perder alguns segundos analisando o objeto com os olhos semi-cerrados, desconfiados e curiosos, voltou para o interior da casa. Ninguém estava lá, lembrou-se, então partiu para o terreno do fundo. 

- Dona Mari! - a menina se assustou ao notar a velha contemplando-a do outro lado da cerca. Sua saia desbotada esvoaçava. 
- Então? - ela respondeu. 
- Não sei. Será que abro?
- Pra quem era?
- Pra mim. A senhora sabe de quem é? 
A velha deu de ombros.
- Criança, não sei de tudo, não. Abra, quero ver!
A garota não perdeu mais tempo: rasgou o papel pardo com excitação. Algo caiu no chão de terra. 
- Puxa vida, estraguei tudo! - ela exclamou, se inclinando para recuperar o que tinha lhe escapulido. 
- O que é? Venha mais para cá! Não vejo daí! - Dona Mari reclamou, impaciente. A velha era tão curiosa quanto a própria Amélia. A criança brandiu o objeto, ainda dentro do invólucro de plástico bolha. 
- Olha isso! Aperte, Dona Mari! - Amélia estourou algumas bolhas, sorrindo maravilhada. O que era aquilo, afinal? Tão divertido! Será que era aquilo? Bolhinhas de apertar? Dona Mari apertou e, ainda impaciente, puxou o objeto das mãos de Amélia. Com as garras trazidas pela velhice, ela conseguiu libertar o que tinha ali escondido. - O que é, o que é?
Dona Mari avaliou o item; os olhos chispando de cima a baixo, da esquerda pra direita. Dou de ombros e disse:
- Acho que é um livreto.
- Livreto, é isso que é?
- Esse eu não conheço, mas com certeza é um livreto. 

Amélia puxou o livreto de volta para suas mãos. Era bonito. Tinha um desenho engraçado: um rato lendo um livreto, na capa. Amélia nunca tinha visto nada parecido. Seu coração batia tão alto e tão depressa! 
- Dona Mari, os ratos sabem ler?
- Você é uma ratinha e não sabe ler também?
- Mas eu sou gente! Ele - Amélia apontou o rato da capa do livro - é um rato
- Deixe de bobagem! Abra-o de uma vez! 
Outra coisa foi ao chão. Algo de pouca espessura e alvo. Mas o que era aquilo? Amélia logo agarrou, sentindo seu coração dar outro pulo em seu peito. 
- Puxa! Um papel! Esqueceram aqui dentro! - ela revirou-o em seus dedos e o desdobrou. Algo se revelou e provocou outra onda de excitação na criança. Letras, escritas à caneta preta, apareceram. Eram inclinadas e do tipo cursiva, aquele tipo que Amélia sabia reconhecer. - Dona Mari, escreveram pra mim! É uma carta
- Mas quem gastaria tinta com você, miudeza?
- Vou ler pra senhora, tá?

Querida Amélia,
Eu adoro cartas e espero que você também goste delas. Você me pediu um livro, escreveu dizendo que não tinha nenhum e que precisava treinar a leitura. Fui à procura de muitos, daqueles com desenhos coloridos e vivos, daqueles sobre bruxas e fadas. Mas acabei não gostando de nada e percebi que, se eu não estava gostando, você também não gostaria. Arrumando meu armário, encontrei este título, Um Rato na Biblioteca. Sabe que comecei a me interessar por leitura por conta dele? Acho que eu tinha uns 8 anos e lembro que copiei todas as cenas dele em muitas folhas de papéis na casa da minha avó. Espero que ele lhe traga a mesma paz e gosto pela leitura quanto trouxe à mim àquela época. Te desejo um Feliz Natal à você e à sua família. Sinta-se abraçada por essas palavras, pequena. Que você cresça rodeada de felicidade e riqueza interior. 
Com muito amor, 
Eu. 

Os olhos de Amélia, apesar de ela não ter reparado de início, estavam úmidos. Era uma carta muito linda. Tinha gostado do ratinho e da carta. Iria gostar daquele livro e de cartas para sempre, a partir daquele momento. 
- Puxa, Amélia. Você é tão amada por alguém que nem te conhece!
- Gosto de ser amada assim, também, Dona Mari. 


Você pode conferir o primeiro texto sobre a Amélia, contido na categoria "Coisas de Amélia" bem aqui. 

I wish you a marry christmas, Nina. 

You May Also Like

8 comentários

  1. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  2. Já te disse o quanto adoro essa categoria???
    ACHO SENSACIONAL. Você escreve lindamente, de verdade.
    São textos verdadeiros, sinceros, amo!
    Essa passagem é tão simples e sabia que me identifiquei? Livros, sempre importantes em momentos de nossas vidas!

    Desejo a você tudo que postei no meu blog e muito mais. Você é uma leitora especial para mim, Nina! Não some tá? Você e a Amélia ♥

    Beijos,
    www.miragemreal.com

    ResponderExcluir
  3. Ah que legal o texto! Você escreve muito bem, flor! Eu adorei, como não se identificar, sendo uma leitora?

    Beijos
    http://escolhasliterarias.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi, parabéns pelo texto. Sempre acho incrível quem consegue escrever tão bem assim. Meus parabéns mesmo.

    Beijos.

    http://livrosleituraseafins.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. "Iria gostar daquele livro e de cartas para sempre, a partir daquele momento."
    Sim! Livros e cartas são amor ♥
    Vou procurar esse livro do ratinho depois, gosto de livros para crianças... E você já me falou dele em um comentário. hihi

    http://sonharnostemposdoagora.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Eu não tinha percebido que estava falando de um carteiro... #lenta. Texto ótimo!

    http://eueminhacultura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Olá, Nina.
    Fui fisgada por um de seus textos e cá estou. E pretendo ficar.
    Vou bisbilhotar todos os seus escritos nessa madrugada.
    São lindos e me passam uma sensação tão boa, reconfortante.
    Muito obrigada por compartilhar conosco as histórias da pequena Amélia.
    Um grande abraço.

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja machista, LGBTQAfóbico(a), ou racista. O mundo agradece :)

Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.



INSTAGRAM