Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#O nosso muito pouco

by - janeiro 18, 2014

Lucas,

Acho que nunca te escrevi uma carta, né? Apesar de amar recebê-las, fico meio cética ao escrevê-las; você sabe que eu nunca fui muito boa com as palavras, não como você, senhor escritor-nas-horas-vagas. 

Eu imaginei muitas palavras pra colocar aqui, e ainda não sei quais escolher. Acho que vou começar escrevendo:

Obrigada por nunca ter reclamado dos meus dramas. Obrigada por entender mais que todos quem eu sou. Talvez isso levasse um tempo com as outras pessoas, mas eu soube desde que eu te vi olhando pra mim, naquela estação, que tinha que acontecer com a gente. Foi totalmente ao acaso. Mas você ficou ao meu lado, naquela festa da Stella. Você me escutou. Você disse algo como "Você é meu plano B". Eu não sabia o que significava, mas sabia que era algo importante. Obrigada por aquilo. Por me escutar, em especial. Eu sei que sou confusa e meio idiota de vez em quando. E quase nunca te agradeço pelas coisas que faz. Mas você não é como eu, você diz tudo. Escreve, também. Gosto de receber suas palavras.

Obrigada pelas cartas. Aqui, muito longe de você, elas têm funcionado como gotas de chocolate para uma garota carente. 


Entenda, não sei até quando você vai suportar tudo isso. Talvez leve um tempo, talvez cinco anos, ou cinco dias. Eu vou entender. Estou muito longe. Imagino o quanto deve ser agonizante para você. Mas quero que saiba que, apesar da nossa distância, estou aqui para você. Afinal, foi exatamente por isso que comecei essa carta. Eu precisava te contar que nada vai mudar em mim. As letras que você me escreveu, as flores que me mandou, as frases da Clarice Falcão que você cantou baixinho para mim, muito obrigada. 

Você sabe como eu posso ser sentimental. Quem sabe, um dia em aprenda a parar de ser assim. Mas, com você, eu não tenha vergonha. E obrigada, também, por não ter vergonha de mim. 


Bem, me perdi aqui. Eu te disse que não era boa nisso. 

Só queria te perguntar, afinal, até quando você vai estar aí, esperando. Não vou me importar se você disser que já desistiu de nós. Eu entendo. Do mesmo modo como você me entende, eu entendo a sua decisão. 

Mas não esqueça, nada vai mudar em mim. 

Saudades, 
Sophia. 


Flocos pra vocês, Nina.

[Carta baseada num conto que estou escrevendo, cujos personagens se chamam Sophia e Lucas] 

You May Also Like

1 comentários

  1. Gostei bastante!
    Português impecável e tudo muito bem colocado, você é boa com as palavras, sim! hehe
    Achei interessante escrever na forma de carta, nunca tinha me ocorrido essa ideia. Acho que vou imitar! hehe

    Também gosto de escrever. Tenho um blog onde publico crônicas de minha autoria :)
    Se quiseres conhecer, fica o link:
    http://www.mundinhodathaay.blogspot.com.br/

    Beijo grande!

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja LGBTQfóbico(a), racista ou machista. O mundo agradece :)
Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.

Torne o mundo um lugar melhor: não seja babaca :)



INSTAGRAM