17 de fevereiro de 2014

# Se apegue a isso

Te conheci numa estação, você parecia pequena demais para as cinco malas que carregava. 
– Estou de mudança  você tinha dito. 
Perguntei para onde, e você me disse seu nome. 
 Para onde, pouco importa – respondeu, sorrindo. 

Disse também que queria ganhar o mundo e cantar blues. Naquela tarde, sob o pôr do sol, o seu sorriso estampado tão impressionante, eu deveria ter seguido em frente, dito para mim mesmo que você era a garota do interior com um sonho grande demais. Tentei me convencer, me fazer acreditar, mas então você sorri e me convidou para um café. 

Eu era apenas o cara sentado no banco, aguardando a noite chegar na cidade; acho que estava à procura de algumas respostas. Mas aí te conheci e aquele segundo me pareceu eterno. Só havia você, seu sorriso e tudo o que você dizia carregar. Eu apenas me contentaria com uma emoção barata, talvez com qualquer outra. Mas você? 
Como poderia chamá-la de emoção barata, quando você parecia tão valiosa quanto tudo aquilo que eu imaginara alguém ser?
E esse alguém era você.

Nunca tinha pensado sobre o valor das pessoas – todas que conheci antes de você me pareciam comuns; eu sempre me contentava com o ordinário, com aquela peça que nunca se encaixava em mim. 

Mas aí você apareceu. E aquele pôr do sol pareceu infinito.  Dividimos cafés com muito açúcar – "porque a vida já é amarga o suficiente", você me explicou. Gostei das suas covinhas e da cor âmbar dos seus olhos. Você discursou sobre as bandas decadentes do passado que ainda ouvia, e eu lhe disse que ainda gostava de reler Tristes Trópicos. 

Uma hora mais tarde, após a noite se mostrar nevoenta, você piscou para mim e disse para me cuidar. 
Quando acenei, vendo-a desapareceu no horizonte, pensei que você nem desconfiava que eu gostaria era de cuidar de você e que iria para aquele tipo de lugar-algum se estivesse lá me esperando. 



Love, Nina. 

3 comentários:

  1. Muito legal o texto, muito mesmo!
    Mas, para ser sincera, não estou muito interessada em textos que contenham romance, estou péssima com minha vida amorosa e realmente me sinto péssima lendo textos assim, rsrs.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Amei *-*
    Ai, sério, tu vai amar esse filme!
    Até umas partes do teu texto lembram ele, sabia?
    É o destino te obrigando a assistir! haha

    Beijos,
    http://patriciapinheirotextos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Criei toda uma cena na minha cabeça hahaha
    Me transformei numa romântica incurável nesses últimos meses e, com certeza, esses textos são os que mais gosto <3

    http://essameninamoca.blogspot.com/

    ResponderExcluir

Seu comentário é super bem-vindo. Não esqueça de deixar o link do seu blog para eu o visitar assim que possível ;)