2 de fevereiro de 2014

#Vinte segundos de coragem insana

Hoje queria te falar uma coisa que já faz tempo que penso. 
Leio romances, não nego. Acho que, de vez em quando, a gente tem que acalentar um pouco o coração. Prefiro romances, dependendo do momento, a aventuras fantásticas. É uma coisa minha, não esperava que você entendesse. 
Sou assim, oras. 
Você diria: "Você é uma menina meio maluca, sabia?". 
Eu sei, obrigada. 

Romances ajudam a sua alma, é o que ouvi dizer. Você aprende mais em um livro do que na escola. Aprende sobre o amor em 300 páginas. Aprende que, na verdade, cada menina é única. Que, é verdade, algumas esperam o príncipe encantado. Outras, entendem que elas devem ir atrás de seus príncipes. E que, não importa o que acontecer, o futuro é capaz de juntar duas pessoas que estão destinadas a viverem juntas para sempre. Aprende, afinal, aquilo que quase ninguém entende ou tem paciência de esperar: que será, será. 

Sei que você diria algo como: "Você vive demais nos livros, tem que parar com isso".
Mas eu não sou você; não me divirto pelos outros, ou me divirto somente para mim. Se você não gosta, desculpe, mas não posso te explicar mais vezes do que já expliquei. 
Eu gosto do impossível, porque, no fundo, todo impossível tem um fundinho de possível, e aquele que persiste consegue entender isso. Você não, é claro. Você acha que tudo é impossível. 

E se você acha que os romances dos quais gosto são esses da modinha cujos personagens correm atrás do próprio rabo, diversas e repetidas vezes, sempre enfiados nas mesmas cenas e, quando têm seus momentos de lucidez, ficam declamando palavras meigas e apelidos irritantes... Acho que você não me conhece tão bem. 
Eu detesto esses casais. 
Eles podem ser mais felizes do que eu em seus mundinhos, mas eu me contento em agradar a mim mesma.

 Não acredito nessas pessoas que dizem "fofo", ou "fofa" para todo mundo. Nem mesmo para os seus respectivos namorados ou namoradas. Não consigo confiar em gente assim. Não tem verossimilhança, eu acho. Não dá pra sentir a sinceridade, entende? Pessoas que escrevem sobre esses casais, que se chamam mais pelos apelidos bobos do que pelos seus nomes, não conhecem nada sobre a vida. 
Tudo bem, eu também não conheço, mas sei que o mundo está cada vez mais carente de casais verdadeiros. Daqueles que têm suas desavenças toda semana, mas que a sociedade não pode negar que se amam. Ou daqueles que não criam apelidos infantis e preferem olho no olho, ao invés de suspiros pelos cantos. 

Sou aquele tipo de leitora que acredita que garotos esquisitos conseguem conquistar a garota da vida deles. E sou também daquele tipo de leitora que acredita que todas as meninas são princesas e não precisam de coroas inúteis para provar isso. Aprendi essas coisas com meus melhores amigos literários, você deveria saber. 

Eles me ensinaram, também, que todo mundo tem muitas chances.
E você perdeu a primeira, não se desespere, mais uma deve aparecer daqui a pouco; talvez na próxima esquina, no novo colégio, na próxima aula teórica de direção, na bancada do petshop, no próximo trabalho em grupo. E se perdeu a segunda, existe a terceira, a quarta, a quinta... 
São muitas possibilidades, não há por que se lamentar toda vez, só porque seu passageiro amor se foi. Ele foi mais um, é verdade. Mas, ao final, o destino faz a sua parte. 
Vai acontecer com você, também. Vai se apaixonar e querer impressionar a pessoa. E, depois de muito impressionar, vai perceber que há alguma coisa errada: a garota, ou garoto em questão, parece distante ainda. 

Você poderia aprender com os romances, também, que você não precisa impressionar toda hora, sempre que encontrá-lo, ou encontrá-la. Tudo que precisa fazer são duas coisas: ser você mesmo e ter seus vinte segundos de coragem insana. São os vinte segundos que podem mudar a sua vida. 
Você diria: "Isso não existe".

Não existe pra você, que já perdeu seus vinte segundos. Não uma ou duas vezes, mas talvez umas trinta vezes. Não soube como administrar esses segundos. E verdade seja dita: não é culpa minha. Eu tentei te ensinar, está lembrado? Já te contei essa historinha da coragem insana algumas vezes. 

Então, meu amigo, leve fé na historinha. Pode ser coisa da minha cabeça, mas sei como ela é infalível. 
Vinte segundos.
Tic-tac.
São apenas VINTE. SEGUNDOS. 
Você pode olhá-la nos olhos e dizer tudo o que sempre quis dizer desde que a viu, ou apenas sorrir a ela e lhe convidar para um chocolate quente. Isso não é problema meu; o trabalho, agora, é seu. Eu apenas te dei uma dica. E, se você for inteligente, vai fazer desses vinte segundos toda a sua vida. 

Porque esses vinte segundos são sagrados. É o seu tempo doado à outra pessoa, de propósito. É meio interesseiro, é verdade: você quer fazer essa menina um pouquinho mais feliz. 
E verdade seja dita: você também vai ficar um tiquinho mais feliz.
Então vá lá, prove dos seus vinte segundos de coragem insana. 
E boa sorte. 

Coragem, Nina. 

7 comentários:

  1. Tive muito desses vinde segundos de coragem insana, só digo que tudo valeu, muito verdadeiro esse texto. O amor da vida real não é o mel que um monte de livros mostra, é aquele de tudo um pouco, um pouco de mel, um pouco daquele limão bem azedo, dias de romance, dias de brigas, dias de brincadeira. Bem assim mesmo e tudo por causa de alguns segundos <3

    ResponderExcluir
  2. Amei!
    Preciso aproveitar mais os meus 20 segundos de coragem insana, sou expert em deixá-los escapar :(

    Beijos!
    http://patriciapinheirotextos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Oi Nina! Deixa eu te falar, eu estou arquitetando um plano para tentar conhecer a J.K. quando estiver lá em Londres. E todas as pessoas ficam falando que isso é loucura. E isso já está me dando nos nervos. Você me conhece, eu acredito nas pessoas, e acredito em sonhos, e em oportunidades! Ontem - ainda não tinha lido seu texto - escrevi sobre isso também.
    Eu chamo algumas pessoas de fofos, mas são dois amigos, não todos. Sou um pouco de cada estilo eu acho.
    Nunca negarei, no entanto, o quanto os livros mudaram e mudam minha vida.
    Amô por #cartas <3

    Beijos ;**
    Carol,
    www.caixa-a-a.com

    ResponderExcluir
  4. Texto lindo, não consigo nem falar muito porque você já disse tudo!
    Realmente, livros são fantásticos, transformadores. Eu ACREDITO nisso e acredito em você, no seu texto!
    Tão transformadores quanto esses 20 segundos.

    "Porque esses vinte segundos são sagrados. É o seu tempo doado à outra pessoa, de propósito. É meio interesseiro, é verdade: você quer fazer essa menina um pouquinho mais feliz.
    E verdade seja dita: você também vai ficar um tiquinho mais feliz." ♥

    Beijos,
    www.miragemreal.com

    ResponderExcluir
  5. Hi!

    Eu me pergunto se tem como você ser mais fofa. Acho que não :D Hahahaha

    xx
    http://diaryofdream-s.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Nina, ainda não havia estado por aqui, e nossa, como gostei de ter conhecido! Você disse tudo nesse texto, muitas verdades mesmo. Completamente verdadeiro e foi tudo dito de uma forma tão delicada que não deu vontade de parar de ler.
    Amei! ♡
    http://www.escrituras-da-alma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Pensando direitinho, é fácil lembrar de várias ocasiões em que a oportunidade de usar dessa coragem insana passou em branco. Que eu perdi os 20 segundos.
    O inusitado é que eu só percebo isso quando o momento já passou, mas estou prestando atenção para não perder os próximos.
    Vou levar fé na historinha :)

    ResponderExcluir

Seu comentário é super bem-vindo. Não esqueça de deixar o link do seu blog para eu o visitar assim que possível ;)