Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#It's a Fluke

by - maio 03, 2014

Os seus olhos foram a primeira coisa que vi naquela manhã cinzenta. A chuva tinha caído durante a noite, e lembro dos seus braços ao meu redor por todas aquelas horas. Havia silêncio em seus olhos, e caridade em sua boca. 
E então eu me desfiz bem diante dos seus olhos. Eu tinha certeza de que era muito bem armada, mas abaixei a guarda ali mesmo, debaixo das luzes piscantes de Natal e dos pôsteres de filmes antigos. Você sorriu e aquilo bastou. Meu coração se encolheu - e se você fosse embora? E se nunca mais te visse? E se eu me mudasse para o Alasca?

Meus pensamentos gostavam do acaso, da cor de mel dos seus olhos, das possibilidades infinitas, de dias nublados, de domingos à tarde em frente à TV, de você. Mas não gostavam do pavor que o acaso transmitia, da confusão dos seus olhos cor de mel, dos dilemas das possibilidades infinitas, dos dias dublados e calorentos, de programas inúteis de domingos à tarde em frente à TV, de você fugindo de mim.  
Gostava de você quando ficava, quando dava as suas festas e me chamava para dançar. Gostava, também, dos nossos pés juntos, dos nossos mindinhos entrelaçados, dos últimos minutos antes de eu adormecer ao seu lado. 

Ao acaso, eu diria. Ele me trouxe você e suas manias. A mania de jogar moedas nas fontes, de nunca amarrar os tênis, de escrever meu nome junto ao seu, de alimentar os cachorros de rua. Ah, as suas manias! Sentiria falta delas, um dia! 

Estávamos alinhados, assim como as estrelas e nossos destinos. Eu e você, juntos. 
Você cruzou minha vida como quem não presta atenção aos sinais. Você era tão distraído. Bastou um tropeço que, você lembra?, nossos olhos estavam conectados. E você sorriu. Sorriu-me também ao amanhecer, quando observávamos a cidade acordar. Você foi a coisa mais doce que cruzou em meio aqueles tropeços a minha vida. 
Você diria que riríamos de tudo aquilo, um dia: de todos os nossos tropeços e de todos os nossos olhares. 
Você murmurou desculpas e ficou calado. E daí, quando pedi para ficar, você me abraçou. 
E ficou aquela noite e todas as outras.

E estar aqui ao seu lado é outro acaso dos nossos destinos. Em meio às construções dos nossos sonhos nos perdemos em meio ao caos e, dentre todos os tropeços, você foi o mais lindo. 
Do silêncio você nasceu. 
Do acaso eu nasci.
Ao acaso, nós gritamos. 


Love
Nina 

You May Also Like

2 comentários

  1. Nina, você é incrível quando se trata de se expor com as palavras e eu amo encontrar pela web blogs assim como o seu. Sou eternamente apaixonada pela escrita e amei tudo por aqui, claro!
    "(...) Gostava, também, dos nossos pés juntos, dos nossos mindinhos entrelaçados, dos últimos minutos antes de eu adormecer ao seu lado."
    Perfeito demais!!
    Parabéns linda e muito sucesso!
    Sendo assim, estou por dentro de suas novas postagens agora rs'
    Beijinhos
    http://escrituras-da-alma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  2. Como escrever agora? Eu tenho um livro pra terminar, sabia? Agora parece que nada do que eu escrevi e vou escrever faz sentido. Você tem um dom lindo com as palavras. Parabéns. Me emocionou (e agora vou sonhar com esses olhos...)
    Beijos

    http://vidasempretoebranco.blogspot.com

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário! Que tal deixar o link do seu blog para eu fazer uma visita a você depois? :D



INSTAGRAM