14 de outubro de 2014

#Às vezes, eu gostaria de esquecer de que a dor é real

Estou com meu coração pesado há dias. Achei que você pudesse me entender. Quando estava aqui comigo, seu coração pesava e você chorava no meu colo. Eu tentava ser um pouco mais sensível do que o normal nesses momentos, tentando lhe acalentar do jeito mais carinhoso que conseguia. No fim, você sorria para mim e me agradecia. Gostaria de sorrir para você, neste momento, e lhe agradecer, mas estamos sozinhos, agora. 

Levo você naquela canção que elegi como a minha preferida - aquela que eu teimo em dizer que há muito de nós nela - e acabo espalhando para todo mundo que não vejo a hora de você voltar para o seu lugar, que é ao meu lado. Acho que, no fundo, todo mundo zomba de mim. 
"Cara, ela não vai voltar". 
Mas eu quero acreditar que eles estão errados. Eu sei que você voltaria por mim. Mas sei que você tem de seguir seu caminho. Entendo que tenha sua jornada, e que ela não é junto a mim. Aceitei a despedida, porque me convenci de que não é para sempre. Você vai conquistar o mundo e vai voltar para mim, para sermos o que quisermos, juntos. Estou com essa mania de me lembrar do passado, dos seus planos, dos seus sorrisos inesperados, do modo como seus vestidos lhe caíam perfeitamente no corpo miúdo e da nossa história. Lembro daquela estrela que pintamos juntos na parede do seu quarto e das nossas fotos juntas pregadas naquele seu quadro de cortiça velho. Lembro daquela nossa briga que gritei contigo e que, pela primeira vez, a fiz chorar como uma criancinha assustada. Naquele momento, prometi a mim mesmo que nunca mais lhe arrancaria lágrimas, exceto se fossem de felicidade. Mas, quando você foi embora, carregava aquelas lágrimas desesperadas e sofridas. Acho que falhei com você. Deveria ter lhe assegurado que independentemente do medo que você sentisse, eu sempre estaria olhando por você. Era só você erguer a cabeça e olhar pra lua. Lá estaria eu. 

Ainda estou, querida. A lua tá grande daqui, e aposto como você está olhando para ela. Você é uma dessas mulheres que não aprecia romance desmedido, mas que se desmancha por algumas poucas palavras sinceras. Eu nunca fui o tipo de cara que sabe falar palavras bonitas, assim, a qualquer momento. E acho que você nunca ligou pra esse meu defeito. Você costumava dizer que o que mais gostava em mim era o meu abraço e aquele balde de pipoca amanteigada que somente eu conseguia preparar nas nossas noites de fim de semana em frente à TV. Acho que nunca dei tanta atenção aos detalhes como a maioria das mulheres gostaria. Ainda bem que, por detalhes, você entendia como sendo um beijo inesperado, ou uma mensagem de boa noite. 

Ainda bem que te escolhi, querida.
Ainda bem que você está comigo em pensamento e mora todos os dias no meu coração. 
Ainda bem que tenho o amor de uma mulher de verdade, não dessas mulheres-meninas, que precisam de declarações bobas e rasgação de seda. 
Ainda bem que você aceita meu amor do jeito que ele é. 

Meu coração continua sofrendo, mas você está aqui nos detalhes que nunca vi. Está naquela foto que a minha cara saiu borrada, está naquela carta que você escreveu despretensiosamente, está naquele livro que você me deu, está na última mensagem sua que recebi. Seu corpo não está aqui, mas sua alma permanece comigo, pura e linda como sempre foi. Como você ainda é. E o melhor de tudo é que você é minha. Nunca vai deixar de ser. 


________________

Não esqueça de participar do SORTEIO deste mês, hein!
Nem de seguir o twitter do blog! :D

Love
Nina 

15 comentários:

  1. Lindo texto.. Quando falou da lua, eu me lembrei de Querido John *_*
    Ainda bem que não desistem do amor.
    Abraços Mika,
    Pensamentos Viajantes

    ResponderExcluir
  2. Olá!

    Que texto maravilhoso! Parabéns, estou emocionada!

    resenhaeoutrascoisas.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Estava certíssima ao achar que eu ia gostar.
    ‪#‎amor‬ ‪#‎carta‬ ‪#‎texto‬ é um conjunto de tags perfeitas, que eu mais amo.
    Carta mais que linda, apesar de um tanto triste, mas linda demais.
    Tão o tipo de carta que gosto *-*
    beijo Nina

    http://essameninamoca.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oii!

    Adorei o texto, repleto de sentimento, e como você diz não é aquele sentimento bobo, clichê, mas um sentimento real, sentido por pessoas de verdade, com qualidades, com defeitos.

    Muito bom!

    Abraços,

    http://legereoculis.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  5. Eu fiquei apaixonada por esse texto, posso imprimir e colocar na minha pasta de textos preferidos? rs Tanto sentimento que chega a ser palpável! Tipo de texto que tem dentro da gente no adeus, mas que nunca conseguimos expressar com palavras. Parabéns <3

    www.normaldemais.com

    ResponderExcluir
  6. com o coração molengo (também) por tanta emoção em uma carta só.
    Lindo Nina, gosto muito da suavidade que suas palavras levam nos textos. E como conseguimos sentir a sintonia que está presente em cada linha. Eu adoro cartas pelo simples fato de haver tamanha sensibilidade - na maioria. Amei! Como todos os seus outros textos!!
    Beijos ♡
    http://escrituras-da-alma.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Achei esse texto tão Finchel... sniff... tão lindo! Parabéns, Nina!

    ResponderExcluir
  8. Que texto lindo!
    Repleto de emoções... simplesmente adorei!
    Você deveria trazer mais textos como esse. É inspirador.
    Beijos
    Construindo Estante || Facebook Tem promoção de Halloween lá no blog. Não fique fora dessa!

    ResponderExcluir
  9. Oiii Nina. Lindo texto =D , me emocionei bastante aqui. Tipo, me identificando. E amei o fato de que é um homem escrevendo (foi o que eu entendi , é isso mesmo?) , gosto muito de escrever esses tipos de texto, mas sabe o que é engraçado? Meus textos ficam mais legais quando estou triste, quando estou magoada com alguma coisa. Cada escritor tem sua inspiração não é? kkk
    Beijoooooos
    http://profissao-escritor.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  10. Então Nina, amei o texto. Da vontade continuar lendo e continuar e saber mais sabe. Parabéns. Você escreve muito bem.

    http://joandersonoliveira.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  11. O melhor do texto, em minha opinião, é a universalidade: a gente consegue se ver dentro do texto, dentro das suas palavras. É tão bonito que dói: tipo quando a gente vê um pôr-do-sol, sabe? Esse tipo de beleza. É bem do amor mesmo: doer e ser bonito. Parabéns!
    http://rearteculando.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Adorei o texto, a escrita está excelente! Continue pois você tem muito talento.
    www.booksever.blogspot.com

    ResponderExcluir

Seu comentário é super bem-vindo. Não esqueça de deixar o link do seu blog para eu o visitar assim que possível ;)