Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#Escrita Criativa: dicas para escritores

by - novembro 01, 2014

Pra quem não me conhece: oi, eu sou escritora. Não vou dizer que queria ser escritora desde sempre, mas desde muito pequena eu criava estórias e, com o tempo, isso se tornou um hobby e, hoje, é a profissão que quero seguir, apesar de estar me formando em Jornalismo (mas tudo isso vocês podem ler aqui). 
Bem, por eu ser escritora e adorar a literatura vivo me bandeando para o prédio da Letras. Ano passado tive a oportunidade de conhecer um pessoal da pós em Escrita Criativa num evento chamado Festiva. E é sobre isso que venho falar hoje. Quero pontuar algumas coisas que aprendi com o Festiva desse ano, que ocorreu durante toda essa semana. 



1. Conto versus Romance
Para quem não sabe, um conto é um texto de até 8 mil palavras. Ou seja, é bastante conciso. E o romance é mais extenso do que a novela e permite ser dividido em capítulos. Em ambos há elementos como personagem (ns), enredo (conflito), narrador, tempo e espaço. 
No conto, geralmente, há poucos personagens e apenas um conflito. E é por isso que é tão difícil de escrever esse gênero. Eu, por exemplo, sempre fui fã de romance, porque não consigo me limitar a apenas três ou quatro páginas. Por não podermos explorar muito bem os personagens no conto, há a facilidade de fazê-lo no romance. Já escrevi um conto que, agora, está se tornando um romance, pois vi potencial nas personagens e percebi que não poderia deixá-las presas ao conto. O grande fator que desanima o escritor de romance é que você precisa de tempo e dedicação. Escrever um romance não é sentar a bunda na cadeira por meia hora, ou duas horas. Demanda meses, até anos. 
Historicamente, entretanto, o conto não é vendido tão bem quanto o romance. Os leitores preferem narrativas longas a milhares de pequenas histórias que são os contos - e ninguém do Festiva pôde dizer o porquê. Mas não é por isso que os contistas precisam parar seus trabalhos, por favor! Se você só escreve contos, por que não arriscar? Há gente que ama este gênero, sim! 

2. Clichês 
"Era verão. Katie Mcguire olhou através da janela e pensou: valia a pena sacrificar sua vida por um amor que não lhe dava atenção? Ela decidiu, então, trilhar um novo caminho e ir em busca de sua felicidade. Fez as malas e partiu para o aeroporto. Sua vida estava no fundo do poço, mas poderia haver uma luz no fim do túnel, se ela se permitisse viver. (...) Da mesa, pôde entrever um homem trajado em um terno bem alinhado e que emanava virilidade. Os olhos azuis brilharam como diamantes e jogou o cabelo louro e liso para os lados. A voz dele era máscula e grave, provocando-lhe arrepios. Katie sentiu-se quente e sorriu para aquela obra divina da natureza. Não havia por que perder tempo. Seu coração bateu dolorosamente contra o peito quando lhe disse olá. Era o começo de uma nova vida". 

Sim, eu acabei de escrever isso. Parece banal demais? Pois sim, isso é um texto escandalosamente preenchido de clichês tanto narrativos, quanto de linguagem e de estrutura. Se você não riu na primeira frase, desça até o próximo tópico. Agora, se você riu e revirou os olhos, tenho algo a te dizer: fuga desse (e de outros) textos desgraçados. 
Fui a uma oficina que era sobre Contra os Clichês e a autora que ministrou a aula resumiu tudo o que você e eu pensamos sobre essa artimanha de não sair do lugar-comum e se dar bem nas vendas: "tá uma porcaria esse troço". 
Sim, é um troço. E raramente a gente percebe que ferra a narrativa com esse vício. 

3. Reler, sim! Nada de preguiça!
Quando a gente está escrevendo, tudo flui. Tudo parece importante. Tudo parece certo e bem colocado. Finalmente colocamos o ponto final e o livro terminou. Fim. 
Se agora você pode descansar? Não mesmo! Pegue o livro e o releia, revisando tudo minuciosamente. Uma, duas, três, quatro vezes. Talvez aquele diálogo não seja pertinente à cena, ou aquele parágrafo pode facilmente ser apagado sem interferir na compreensão da narrativa. Não venha com essa que fica com pena de "assassinar" seu livro. No Jornalismo aprendi que nenhum texto é publicado sem os cortes do editor e isso significa uma coisa: eles vão apagar o que não for importante para a notícia. E na literatura é a mesma coisa, a gente tem que aprender a entender que nem tudo o que escrevemos realmente precisa estar no livro. Portanto, assassine, sim, seu livro quantas vezes for preciso! 

__________

Vou tentar, pelo menos uma vez por mês, trazer dicas para vocês. Quem tiver dúvidas sobre o assunto mande um e-mail para mundodanina@gmail.com que posso começar a criar listas  de acordo com as dúvidas, além das lições que aprendo! 

Não deixe de seguir o twitter do blog :D 

Love,
Nina 

You May Also Like

15 comentários

  1. Reler, sim. Hahahaha to nessa fase para voltar com um romance, já reli algumas vezes até finalmente chegar ao fim de uma releitura e pensar "agora posso continuar daqui". Não é fácil, mas quando a gente quer é preciso se esforçar.
    Muito boa a ideia.

    http://essameninamoca.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  2. Adorei saber que você é escritora! Eu faço Letras e amo o que faço. Faço licenciatura, mas não como separar as duas coisas.

    Ótimos texto! Você falou de questões teóricas de uma forma fácil de intender.
    Acho que o mais difícil para os escritores é lidar com as palavras de forma que elas tenham expressividade.

    Eu amo contos é meu gênero favorito. Graças ao conto eu comecei a ler.

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Quero muito escrever um romance de época,aqui encontrei varias dicas

    ResponderExcluir
  4. Adorei o post, a parte do clichê estava hilária!
    Também curso Jornalismo e tenho uma queda por Letras, mas alivio isso estudando sozinha e escrevendo por puro prazer pequenos textos e alguns futuros (só em sonho mesmo) livros. Mas então você puxou um ponto interessante: reler! Tenho muito preguiça pra isso e sei que vários posts no meu blog contem erros de português, que minhas histórias tem coisas desnecessárias, mas tem razão, é necessário rever o que escreveu pra melhor e evoluir também né.
    Continue mesmo com essas dicas! =*

    ResponderExcluir
  5. Olá Nina, parabéns pelas dicas dadas, realmente para quem quer ser um dia escritora foram bastante preciosas. Não tenho um sonho em ser um dia escritora mas seria um sonho escrever um romance de época <3 rsrs. E acho válida em tudo reler e rever tudo o que faz.
    Ótimo texto e sucesso.

    ResponderExcluir
  6. Não tenho um sonho de escrever um livro, mas quando mais nova tinha um caderno com minhas divagações, pena que perdi...

    ResponderExcluir
  7. Acho que o que está faltando muito é essa releitura. As vezes o autor deixa passar alguns furos beeeem bonitos na história que pelo amor...
    Beijos,K.
    Girl Spoiled
    http://girlspoiled.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Ei, Nina!

    De fato tanto o conto quanto o romance tem suas vantagens.

    Já dizia Mário de Andrade (já leste o "Prefácio Interessantíssimo"? É perfeito!), você não pode parar para observar as pedras no meio do caminho, deve deixar apenas a inspiração fluir e depois aparar o que tem de ser aparado.

    É difícil o trabalho de um escritor, mas se fazemos algo com amor, sempre valerá a pena.

    Beijos,

    http://legereoculis.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  9. Que atitude maravilhosa para ajudar todos os aspirantes perdidos por aí. Eu concordo contigo que contos podem ser extremamente difíceis de escrever. Eu mesma tenha uma grande dificuldade de me ater ao tamanho. A circunlocução não sai de mim hahhaha. Acho que você podia ter mencionado como a procrastinação é um grande inimigo do escritor hoje em dia. Facebook existe para impedir nossas mentes criativas de desenvolver tudo o que pensamos HAHAHAHA. Brincadeira. Mas acho que é um ponto interessante a ser mencionado. Porque é normal se distrair e procrastinar mas não dá pra abandonar.

    Maravilhoso post <3

    ResponderExcluir
  10. Amo td que tenha a ver com escrita criativa! Queria mto fazer um curso disso, quem sabe um dia consiga rsrss. Texto mto bom para esclarecer questões que mta gente não conhece sobre literatura e o processo de escrita, Nina!

    ResponderExcluir
  11. Uau.. eu adorei as dicas. =D
    Apesar de ter um desejo bem profundo em escrever alguma história, eu nao tenho coragem para começar, pois nao acho que sou boa o bastante.
    Mas eu adoro ver dicas assim, quem sabe elas me animam a tentar. Ou me ajudem a dar dicas para outras pessoas... ;)
    Ahh eu sempre prefiro o romance ao conto, exatamente por causa do desenvolvimento da historia, onde o autor pode trabalhar mais os detalhes dos personagens, enredo, cenário.
    Enfim, vou adorar ver as próximas dicas!

    Beijos
    Carolina
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Olá Nina, adorei as dicas.
    Parabéns pelo blog e obrigada pela visita no Literaleitura.

    Beijokas da Quel ¬¬
    http://literaleitura2013.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  13. Nossa, incrível. Eu super concordo com tudo isso! Adorei mesmo as dicas, por favor, traga mais sim senhora Nina!
    Estarei no aguardo e ansiosa. rs'
    Beijos ♡

    ResponderExcluir
  14. Eu tenho um sério problema com minha escrita. Sou muito auto crítica. No lugar de ir escrevendo sem me importar com nada, pra só depois ir revisar, não! Eu escrevo um pedacinho e já vou relendo pra ver se ficou bom. Isso é ruim, porque, ás vezes, eu tava no meio de um pensamento e ele some enquanto reviso sem anotar tudo o que está na mente. Estou me treinando pra mudar isso e está funcionando. Aguardando mais dicas aqui. Ah! Eu sabia que o conto era bem mais curto e tal's, mas não sabia que para se encaixar nesse quesito tinha uma quantidade específica de palavras. Bacana.
    Beijos

    http://vidasempretoebranco.blogspot.com

    ResponderExcluir
  15. Nina, ainda não conhecia esse tópico de dicas e achei interessante também.
    Confesso que tenho mais facilidade para escrever contos. Tenho até vários escritos e, quem sabe, um dia, eles sejam lançados como um livro. Mas, também gosto de escrever romance e já me desafiei a escrever um. Enfim, gosto de me aventurar na escrita.
    Clichês pode ser essenciais a depender da cena escrita. Uma fala já pode diferenciar o clichê utilizado.
    Reler, para mim, é realmente uma parte difícil. Mas, é porque eu já sei a história, então não tem ineditismo para mim e sou movida pela curiosidade. Então, eu geralmente escrevo e passo um tempinho afastado da escrita para voltar a ler e melhorar coisas que antes eu não tinha visto.
    Obrigada pelas dicas e estou adorando e me identificando cada vez mais.
    Abraços Mika,
    Pensamentos Viajantes

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário! Que tal deixar o link do seu blog para eu fazer uma visita a você depois? :D



INSTAGRAM