Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#Resenha: Encontros com o amor e Café com poesia

by - dezembro 29, 2014

PARA PARTICIPAR DO SORTEIO DE NATAL, CLIQUE AQUI  E BOA SORTE!

___________________

Eu disse nesse post que tinha fechado parceria com escritores. Hoje, trago a vocês as resenhas dos livros do Marcio Muniz. 


Título: Encontros com o amor
Autor: Marcio Muniz
Editora: Multifoco
Ano: 2014
Páginas: 116
Gênero: conto


Encontros com o amor consiste em uma compilação de contos escritos sobre, bem, o amor. Em 98% do livro, o amor aparece ao acaso: numa praia, num bar, num ônibus. Quase todas as histórias são narradas em primeira pessoa por personagens masculinos. Depois de três ou quatro contos, notei que quase todos seguiam a mesma "fórmula": um homem conta um pouco sobre si, ou sobre seu dia, ou sobre o ambiente em que está, quando, de repente, ele avista uma mulher  e sempre essa mulher é linda e chama sua atenção. 
"Você já parou para pensar no que acontece quando o filme termina (no "felizes para sempre") e a cortina desce no fim? É a mesma estória banal de sempre, com casamento, filhos e, na maioria das vezes, tédio. Felizes, sim, mas a maior parte do tempo entediados pela falta de mágica. Portanto, às vezes, é melhor que as estórias não encontrem definitivamente o fim"  p. 10.
Dá para conhecer um pouco do escritor nesses contos, pois todos são "românticos" (à exceção de um, que é erótico). Surpreendi-me com os personagens masculinos, pois todos eles não são acuados, ou se sentem intimidados pela paixão – muito pelo contrário: eles dão a cara a tapa e chegam nas mulheres por quem se apaixonaram. Só que, em certo ponto do livro, toda essa sinceridade gratuita deles começou a me irritar. É claro que a gente lê ficção pra tirar um pouco a nossa realidade da cabeça, mas senti falta de uma verossimilhança (é, vocês tão cansados disso, devem pensar: lá vem a guria idiota da maldita verossimilhança! Só que não tem jeito, gosto de coisas pé no chão!). Senti falta de ler algo mais verdadeiro, sobre um cara que vê uma menina linda, mas que se sente tímido para ir até ela e puxar papo (ainda mais pra dizer umas verdades na cara dela!). 

Como eu disse, 98% do livro, segue um padrão, e isso acabou me cansando um pouco. Estava toda animada para ler sobre diversos pontos de vista e jeitos de amor, mas acabou que li muito do mesmo. Quando eu já estava sentindo muita saudade de ler sobre um casal que já está junto há algum tempo e que ainda se ama, lá vem o conto A confirmação do encontro, que narra sobre um cara que já está casado há 12 anos e que pretende fazer uma surpresa para a esposa no Dia dos Namorados. Essa história, de longe, foi a que mais amei, pois essa, sim, notei que era real, que tinha sentimento. 
"Sou um romântico incorrigível desde antes de conhecê-la, porém é por ela que me mantenho assim" – p. 93.

 Não adianta, vou ter que expôr a minha opinião. Eu sei que escrevo bastante sobre vários tipos de amor, mas eu acredito que ele tem que ser conquistado aos poucos. Você precisa conhecer a pessoa primeiro. Acho que, se você se diz apaixonado por alguém que só vê de longe e com quem trocou meia dúzia de palavras, sinto em lhe dizer, mas isso é paixão. E paixão, uma hora, some. A graça do amor é que a gente sempre quer saber mais sobre a pessoa, quer passar horas conversando com ela para ter a confirmação de que isso é mesmo amor, ou apenas paixão. 


Escrevi isso, pois senti que, na maioria dos contos, os personagens apenas sentiam paixão, aquela coisa imediata e física. E, pelas histórias serem narradas num curto espaço de tempo, também senti que todas elas foram muito precipitadas. Mal os personagens iniciavam as conversas e os casais já lascavam o maior beijo, assim, de repente. A meu ver, faltou falar do sentimento proposto pelo livro. Narrou-se muito sobre os efeitos dele, mas quase nunca sobre ele, genuinamente.  
"Justo naquele lugar em que muitas vezes eu me perdi de mim, naquele dia, eu encontrei muito mais do que eu sempre fui buscar. Indo buscar a mim, acabei por encontrar você" – p. 36. 
_____________

Título: Café com poesia
Autor: vários
Editora: Casa Cultura
Ano: 2014
Páginas: 78
Gênero: poesia


Nunca fiz uma resenha de um livro de poesia. Na verdade, não sou muito de ler sobre esse gênero. No entanto, o Marcio me mandou esse livro também (do qual também faz parte com o poema O amor de Maria e João– que, a princípio, não seria incluído na parceria; mas eu achei meio injusto e o adicionei nela – e tive a oportunidade de conhecer um pouco mais desse trabalho que, para mim, é muito louvável, já que eu sou péssima em escrever em versos... 

Café com poesia traz uma coletânea poética de vários autores. Notei que cada autor pôde usar a forma que desejava para seu poema, o que tornou o livro muito diversificado. Outra vantagem foi também que não havia um só tema sobre o qual se escrever. E teve de tudo: sobre o futebol, solidão, desejo, leitura... E, claro, amor. 

Como não estou treinada para ler poemas, acho que entendi todos eles do meu jeito e poucos realmente me encantaram o coração. Alguns deles foram: 

AR X/XI (Yuri Alves de Paula Cardoso)

Queria a tua miopia
Ser a tua pele nestas noites de domingo quando esfria.
Queria ter em mãos a faca,
E entender a tua cicatriz.
Queria ser a poesia de Pessoa
Que tanto lhe faz feliz.
Queria ser palavra dita, redita,
Retida em teu sorrir.
Os teus olhos querem tudo
Mas o amor não cabe numa poesia. 


TEMPO DE HOJE (Fernando de Bessa Ferreira)

O sempre é tão frágil.
O nunca é imaginário.
O hoje é quem determina
Meu sempre e meu nunca.

O sempre de ontem
Pode ser o nunca de amanhã
O tempo quem decide.
A vida quem bate o martelo

Quero viver o sempre.
Sempre há esperança.
Mas hoje nunca.

Prometa o sempre
Fuja do nunca.
Abrace seu hoje. 


DESAMPARO DE PAPEL (Julia Carvalho)

Você é a linha
que não tardou a rabiscar-me
Riscou em mim tuas manias, trejeitos, olhares e afins

Fez em mim uma obra abstrata,
e, no começo, era só linha e papel

Por vezes, manchou-me de tinta
Descuido
do artista

Depois, pintou sob os teus próprios fios
Escurecendo meus vazios
E foi embora.

Não disse tchau.
Nada.
Virou, esqueceu
E foi. 

SOBRE O AUTOR:


MÁRCIO MUNIZ é carioca, 37 anos, romântico incorrigível e escritor por vocação desde os 12 anos de idade. Com formação técnica na área de eletrônica e também formado em Administração, o autor atualmente é pós graduando em Gestão de Pessoas e Gestão de Projetos. Publicou uma poesia no livro "Café Com Poesia" que faz parte da coletânea "Inspirar, Escrever e Sonhar", uma parceria entre o site Trecho de Livros e a editora Casa Cultura. Publicou também três poesias na coletânea "Entrelaços" da Darda editora. Teve um conto selecionado para participar da coletânea "Sombras e Desejos", organizado pela escritora Rô Mierling. E ainda é autor do livro de poesias “Vida e Verso em Prosa”, publicado de modo independente e também autor do livro de contos “Encontros como o amor”.
A página profissional do autor é ESSA.


______________

Espero que tenham gostado! E antes que alguém fale que eu critico tudo, pois saiba que eu prefiro ser verdadeira e que sei que muitos autores preferem uma crítica construtiva a uma meia à boca, que não acrescenta em nada. O meu intuito não é  e nunca será  difamar alguém. Estou aqui para falar de LIVROS, não de pessoas! 

Love
Nina  

You May Also Like

8 comentários

  1. Querida Nina,

    Obrigado por se dispor a ler o livro e dar sua opiniao a respeito, emprestando a ele um pouco de suas palavras tao bem escritas. Como disse antes, a critica faz a gente crescer. Enquanto a esperança nos faz dar o primeiro passo, a critica nos faz caminhar melhor e no rumo certo. Nao se preocupe, voce foi bem boazinha com meu primeiro trabalho, gostei mesmo do que escreveste a respeito. De fato, por serem contos curtos, e dificil que o sentimento ja seja o amor, mas o primeiro encantamento e a mola mestra para atingi-lo, quem sabe. Tentei narrar alguns contos como se fosse uma personagem feminina pra ver se quebrava tal dinamica, mas prometo que se ainda quiser ler os proximos livros meus, vou melhorar. Beijos e obrigado.

    ResponderExcluir
  2. Olá, Nina!

    Olha, ser chata ou não é uma questão de opinião. Você é firme em suas opiniões e as expõe. Eu não vi nada de difamação ou qualquer tipo de ofensa, foi apenas sincera e era exatamente o que se esperava (como o comentário do autor pode confirmar).

    Amo poesias! Já escrevi várias, elas são minha paixão. De todas as que você publicou, achei que o Fernando de Bessa Ferreira tem um estilo parecido com o meu, foi interessante! :D

    Parabéns pela excelente resenha, muuuuuuuuito bem descritiva! Para não dizer que foi um comentário bonzinho (rs), só vou te aconselhar a parar de se preocupar tanto com os que os outros pensam. Faça o que você faz de melhor!

    Um grande abraço,

    Ana Carolina Nonato
    Blog Seis Milênios
    http://seismilenios.blogspot.com

    ResponderExcluir
  3. Oi Nina, tudo bem?
    Sobre o livro de contos, que é um gênero que eu raramente leio - só me lembro de ter lido aquele Dançar Tango em Porto Alegre para o vestibular da UFRGS -, eu inevitavelmente relacionei com DTePOA, com toda essa temática do amor, que está presente de forma mais singela em alguns dos contos desse livro.
    Já sobre o livro de poemas - que também é um gênero que eu não costumo ler nem gostar -, o que eu tenho a dizer é que o visual foi o que mais me chamou atenção: a capa é muito bonita e o título até parece nome de blog.
    Eu acredito que o fato de você criticar os livros é algo importante, não só para o autor do livro aprimorar sua escrita, mas para os próprios leitores de blogs. A maioria das resenhas que leio é positiva, mas é necessário que haja alguém para "acordar o povo" e alertá-lo sobre um outro ponto, os defeitos. Enfim, eu, particularmente, gosto que critiquem meu trabalho - em especial quando pedia ao meu professor que corrigisse minhas redações do ENEM -, pois isso só vai me ajudar a melhorar mais e enxergar detalhes antes não percebidos.

    Beijos
    Leitores Forever

    ResponderExcluir
  4. Também nunca fiz nenhuma resenha de livros de poesia e para falar a verdade é a primeira vez que vejo uma, apesar de poesia e contos não serem o meu gênero favorito e eu ter pouco contato comeste tipo de livro,achei que sua resenha muito bem articulada expondo seus pontos de vistas e opinião principalmente no livro O encontro com o amor, ficou ótima .
    Bjs.
    Mary C.S.Pires
    Blog:http://leiturasdamary.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  5. Eu não costumo ler livros de contos, crônicas eu até gosto, mas contos não. Algo neles realmente me repelem, o que é uma pena pois posso (e devo) estar perdendo histórias incríveis com essa minha birra.

    memorias-de-leitura.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Nina você é uma diva! Você falou exatamente o que eu penso. Muito se vê por aí e nos livros o amor sendo confundido com a paixão. Isso vem me irritando muito! Se você apenas olha para uma pessoa e senti um "calorzinho" ou vontade de beijar muito, desculpe, isso possui outro nome, menos amor. As pessoas estão banalizando esse sentimento tão lindo. Não sou uma especialista em amor, mas consigo identificá-lo.
    Olha, os contos precisam ser escritos com muito cuidado, pois são poucas palavras que devem contar uma história inteira e boa.
    Gostei bastante de "Café com poesia". Não leio livros muito livros de poemas e as vezes não consigo fazer uma resenha. Acredito que os poemas devem ser sentidos e muitas vezes falar o que eu senti lendo um poema é impossível, pois me fogem as palavras.
    Seu texto está muito bem escrito (só queria deixar isso registrado).
    Beijos e Tchau!
    http://eueminhacultura.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Não leio muito poesias, mas já escrevi algumas. Confesso que nunca fui boa nisso, só escrevia o que vinha na cabeça (nunca fazia sentido hahaha) mas entendo como deve ser difícil mostrar os diferentes pontos de vista.

    ResponderExcluir
  8. Convido a todos para conhecerem um dos contos do livro lá no wattpad e também dar suas opiniões.

    http://www.wattpad.com/91751809-invers%C3%A3o-de-pap%C3%A9is-untitled-part-2?d=ud

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja machista, LGBTQAfóbico(a), ou racista. O mundo agradece :)

Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.



INSTAGRAM