Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#Escrevendo: Enredo

by - outubro 11, 2015

Já tem um tempo que publiquei a primeira postagem dessa coluna, que foi sobre a Literatura LGBT. Sinto bastante saudade desse projeto, de modo que resolvi voltar com essas minhas dicas mais focadas, pois é, também, uma ótima maneira de eu relembrar algumas aulas que já tive ligadas à Letras. 
O assunto de hoje é como construir um enredo. Óbvio que existem trilhões de fórmulas, portanto tentarei explicar um pouco do esqueleto de um enredo, alguns elementos ou algumas estruturas que podem ser manejadas dentro de uma história apenas para dar uma ideia geral. 

O enredo pode ser pensado, simplificadamente, como um tecido, que é composto por tramas que se encontram. Essas tramas que se encontram geram os nós que, dentro do contexto de um enredo, pode ser visto como o conflito da história. Todo conflito precisa de uma solução, portanto, precisa de um desenlace (daquele nó criado). 

É preciso falar também de trama vs. fábula, também conhecido, em inglês, como plot vs. story

1) Trama ou plot: é a estrutura, que contém pontos de vista (narradores/personagens), tempo e espaço. É importante lembrar que quando falamos de trama/plot devemos considerar como a história é conhecida pelo leitor. Isso significa que ela pode ser entendida de maneira não cronológica. Por exemplo, em que se resume Harry Potter? É sobre um menino que descobre ser bruxo. Mas antes de Harry descobrir ser bruxo, existem vários acontecimentos que poucos leitores realmente mencionam e discorrem quando explicam sobre o que se trata a saga. Pode ser estendida também para o lado do autor, pois ele pode dispor os acontecimentos na ordem que quiser. 

2) Fábula ou story: é a história toda. Ou seja, para contar que Harry é um menino que descobre ser bruxo, você precisa narrar tudo aquilo que acontece antes e depois deste fato. 

Para não haver confusão: quando se diz fábula, não é referente àquele tipo de história com animais e moral, mas referente a uma cadeia de eventos cronológicos. 

Então, é fácil entender que de um enredo cria-se elementos para que a história funcione. Tais elementos podem ser: tensão, empolgação, intriga, paradoxo etc. E como a construção do enredo vs. tais elementos acontece depende exclusivamente do autor, de modo que não há fórmulas quanto a isso. 

Alguns exemplos de como jogar com os elementos dentro do enredo:



Lembrando que as possibilidades são infinitas e que o clímax nada mais é do que o ponto mais alto do enredo, o ponto crucial. Exemplo: Quando Katniss e Peeta decidem comer as amoras juntos e desafiar a Capital. É o momento em que tudo está em jogo.  

Uma estrutura bastante recorrente, especialmente se tratando de histórias de aventura ou fantasia, é A Jornada do Herói. Cabe aqui dizer que, independentemente do enredo, essa estrutura clássica de narrativa pode ser usada em qualquer gênero, claro. Joseph Campbell, um estudioso norte-americano de mitologia, acreditava que todos os heróis são uma variação do mesmo herói. Ele é o autor do livro O herói com mil faces, que explica a representação do mono-mito nas mais variadas histórias. A Jornada do Herói nada mais é do que um ciclo pelo qual todo herói passa, que começa e termina no mundo normal, entretanto toda a missão se passa, especificamente, no mundo especial

Desenhei, aqui abaixo, o ciclo pelo qual o herói passa, segundo Campbell: 


Para quem gosta de vídeos explicativos, vale a pena ver este:


Recomendo, também, que leiam a postagem sobre A Jornada do Herói que a Ruh, do Perplexidades e Silêncio, escreveu. O mais legal da postagem é que ela usa diversos personagens como exemplos para cada um dos pontos do ciclo. 

-

Espero que tenham gostado! 
Voltarei em breve com mais uma postagem pra essa coluna! o/  

Love, Nina. :)

You May Also Like

11 comentários

  1. Aquela é sua letra? Se sim, que bonitinha!! Adorei, super redondinha, parece fonte! haha
    Lógico que amei o seu post e achei muito legal você explicar a diferença entre os termos, ainda mais usando Harry Potter. Como não amar?
    E qual não foi minha surpresa de ver meu humilde postzinho referenciado ali no final, oba!!
    Estava com MUITA saudades destes seus posts.

    Te adoro, bjão!

    Ruh Dias
    perplexidadesilencio.blogspot.com

    ResponderExcluir
  2. Caramba! Culuna fasntastica, texto sensacional. Gostei demais, uma aula boa e agradavel. Os exemplos que você mencionou ajudaram a entender bem como funciona. Vou dar um pulinho na outra postagem também ( e vou favoritar, compartilhar, guardar o link pra consultar sempre ^^)

    ResponderExcluir
  3. Como não amar um post desses gente!!! gostei muitíssimo Nina; fiquei bem curiosa com o tema acho até que vou pesquisar mais sobre ele.
    beijão*...*

    ResponderExcluir
  4. Olá Nina post bem interessante e muito bem explicado, a diferenciação do enredo e os elementos são peças chaves para criação de uma história, quando bem direcionado fica perfeito.
    Bjkas
    Livros, a Janela da Imaginação

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?

    Uau, que post! Confesso que não sabia alguns termos.Sou muito leiga neste ramo. Mas aprendi muito lendo o post. Muito criativo e bem explicado. Ficou muito legal,sério. Dicas valiosas. Você sempre arrasando. Parabéns, beijos.

    http://livrosfilmeseencantos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Sinceramente, gostei muito do seu post, apesar de ler umas duas vezes, talvez seja eu, que li de primeira e entendi nao entendendo, mas foi para poder de fato entender como usar os termos, caso eu venha a fazer uma historia (risos).
    Parabéns!!


    http://devoreumlivroeoufilme.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  7. Nina que postagem ótima, adorei conhecer esse termos, para os autores novos das plataformas essa postagem é de suma importância, pois não basta só querer escrever , precisar saber como. beijos

    Joyce
    www.livrosencantos.com

    ResponderExcluir
  8. Oláá
    Belo post, muito legal para quem quer escrever, são ótimos termos e dicas ;)

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  9. Oii,
    Adorei o post e as dicas, são bem compreensivas.
    Gostei muito.

    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Voltei no tempo: primeiro semestre, Teoria literária I. Adoro tudo isso.
    Mas acho que vou ficar com a perspectiva crítica. Se bem que preciso me especializar na área. E deixo para as grandes mentes criar narrativas para eu analisar.

    Beijos

    ResponderExcluir
  11. Wow! Que post incrível. Sempre é bom saber informações assim e se aprofundar mais no assunto, principalmente para pessoas como eu, que têm um certo interesse pela escrita, mas que ainda não pôde ser desenvolvido, hahah. Adorei todas as dicas, foi tudo muito bem explicado. Parabéns pela publicação!

    Beijos,
    Fernanda F. Goulart,
    Império Imaginário.

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário! Que tal deixar o link do seu blog para eu fazer uma visita a você depois? :D



INSTAGRAM