Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#Resenha de livro: À procura de Audrey

by - janeiro 05, 2016

Sou fã da Sophie Kinsella desde que li Fiquei com o seu número, em 2013. Além desse chick-lit, li também Os Segredos de Emma Corrigan. Gosto infinitamente dos chick-lit da Sophie, pois ela não segue, exatamente, o padrão da escritora que tem personagens bobas e desengonçadas. As personagens dela são engraçadas, mas sempre têm algo ~importante~ a dizer. Ou seja, a literatura dela não é vazia. Digo isso, porque acredito que nem todos os autores têm maestria para conseguir transitar de um gênero a outro sem perder algo pelo caminho. E, infelizmente, À procura de Audrey, o primeiro young adult de Sophie, perdeu muita coisa pelo caminho. Perdeu tanto que, a partir de uma perspectiva minuciosa, ele é um livro quase vazio

Título original: Finding Audrey
Autora: Sophie Kinsella
Editora: Record
Páginas: 334
Ano: 2015

Quem me conhece e acompanha o Nina há algum tempo já percebeu que meu gênero literário preferido é o young adult. E, quando eu vi essa capa lindinha e o nome da Sophie, logo soube que precisava dele na minha estante. Mas não foi realmente isso que me convenceu a lê-lo, foi o tema abordado. 

A personagem principal, Audrey, é uma adolescente que está afastada dos estudos devido a episódios de bullying que sofreu na antiga escola. A situação ficou tão insuportável que ela começou a desenvolver crises de pânico que culminaram em um diagnóstico preocupante: fobia social. Parece esquisito que uma adolescente tenha medo de sair na rua, de falar com as pessoas (mesmo ao telefone) e que esteja de óculos escuros em qualquer lugar, certo? Pois é a realidade que Audrey tenta melhorar com idas periódicas a um centro de "reabilitação" para pessoas com problemas patológicos mentais. 

Apesar de o assunto ter feito com que eu me identificasse muito, percebi que ele se desvirtuou ao longo da narrativa. Primeiro, porque sempre parece que o livro é mais, na verdade, sobre a família louca da garota. A mãe dela está obcecada pelo fato de seu filho mais velho gostar tanto de jogar online. Apesar de essas partes serem sempre muito hilárias, comecei a me desanimar depois de um tempo. Segundo, porque, ainda que a visão seja de Audrey, ela não aprofunda realmente seus sentimentos, por isso mesmo o tema da fobia social ficou, a meu ver, muito superficial. E terceiro, por causa de Linus, o amigo do irmão mais velho da personagem. Claramente, Linus está ali para ser o "parzinho" de Audrey, mas tudo aconteceu de modo tão forçado e sem graça, que se ele não estivesse na narrativa, nada mudaria no andamento do livro. Me deu a impressão de que ele seria aquela peça que a ajudaria a melhorar em sua doença, mas a relação deles não me convenceu tanto quanto presumi. 

A leitura é muito agradável, rápida e hilária, no entanto, não conseguiu me convencer. Não há, exatamente, um clímax e, se há, não pode ser descrito como emocionante ou "importante". A conclusão é bastante fraca, exatamente porque creio que a história se perdeu muito pelo caminho. Poderia ser muito mais intimista e inspiradora, mas a autora não conseguiu desenvolver as situações nem os personagens de forma realista. O motivo do bullying na escola, por exemplo, fica completamente esquecido. Ou seja, o livro deixa muitas pontas soltas, o que não me agradou nem um pouco. O que mais amo nos young adults é que eles têm uma lição e, embora os personagens pareçam bobos, carregam uma alma verdadeira. À procura de Audrey não conseguiu isso, infelizmente. A ideia é muito boa, mas não atingiu o objetivo. 

Love, Nina :)

You May Also Like

12 comentários

  1. Estava louca para ler esse livro, Sophie Kinsella sempre acerta, mas fiquei um pouco desanimada agora. Hoje mesmo postei mais cedo uma resenha de um livro dela, também muito bom.
    Vou comprar À Procura de Audrey e ver o que acho, mas pela sua resenha parece que realmente faltou muita coisa.

    =*

    ResponderExcluir
  2. Bah, te entendo. Quando o o livro tem uma ótima história na teoria, mas na pratica sofre miseravelmente... Senti isso em A Seleção. Nunca li nada da autora, mas eu já tinha ouvido falar de como "Fiquei com seu Numero" era bom. Essa capa também é maravilhosa!!! Espero que ela acerte no próximo livro :)

    Abraços, Pâm

    ResponderExcluir
  3. Oie
    Meeeu, eu fiquei muito feliz quando o livro foi lançado pois amo esses temas e essa autora é ótima, com certeza estará nas minhas próximas leituras pois já o tenho aqui

    Beijos
    http://realityofbooks.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oiiii
    Eu era louca por este livro, mas parece que perdi um pouco o foco em relação a ele. Espero um dia ter a oportunidade de ler, adorei a resenha.
    Beijão

    ResponderExcluir
  5. Olá, tudo bem?

    Achei muito interessante a autora focar em outro público, trazer um romance para os mais jovens. Achei a premissa interessante, sempre gosto de livros que abordam o bullying, algo tão forte no mundo.

    Adorei a resenha e fiquei com vontade de comprar para dar de presente.

    beijos
    http://livrosfilmeseencantos.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Poxa, acho que ainda não li nada da autora! E realmente como você disse o tema é massa! Pena que não deu para desenvolver =/ Fiquei com vontade de ler mesmo assim, também gosto muito desses livros young adult.
    Beijos!
    wwww.yarasousa.com

    ResponderExcluir
  7. Oi, Nina!
    Nossa, li ontem uma resenha desse livro e a guria também estava bem desapontada com a leitura. Acho essa capa bem fofinha, compraria só pela capa, juro, amo essa mistura de azul com roxo, sei lá.
    Os temas abordados na obra, bullying e fobia social, são bem tensos e gosto bastante de vê-los tratados na ficção. Bem, mas falar deles não é uma tarefa fácil, "perder a mão" num livro com essa temática é bem fácil. Aaah, antes que eu esqueça, estamos precisamos de autoras que quebrem esse padrão chato da protagonista bobas, desengonçadas e com sonhos tão pequenos.

    Abraços,
    Karina do blog Eu e Minha Cultura.

    ResponderExcluir
  8. Oi Niina!
    Ainda não li nada da autora, mas sei que as pessoas adoram ela. Provavelmente vou começar com esse livro que tem mais cara de coisa que eu costumo ler do que os romances chick lits.
    E que bom que você gostou, acho que o livro foi bem recebido de forma geral :D

    Beeijo
    Resenhando Sonhos

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, então, eu não falei que gostei. Você leu o post? Pois deixo bastante claro que não gostei. Beijos.

      Excluir
  9. Oi, estou com esse livro aqui, me empolguei com ele porque vi comentários bem positivos sobre, a sua resenha foi a primeira que falou de tantos pontos que te desagradou. Se mesmo com esses pontos que te incomodaram você deu 4 estrelas é porque deve valer a leitura, então quando me animar farei.

    bjs

    ResponderExcluir
  10. Não consigo me empolgar com essa autora. Sobre esse livro: já li resenhas positivas e negativas. Estou mais propensa a crer nas que destacam os pontos negativos, como a sua. O tema das fobias, dos traumas, se não forem bem desenvolvidos, ficam tão artificiais que parece que os autores nem ao menos pesquisaram sobre.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  11. Olá Nina

    A Sophie é uma das minhas autoras favoritas,amo Menina de 20, os únicos livros que não li dela foram A lua de mel e A Procura de Andrey e depois de ler sua resenha, minha vontade de ler diminuiu, acho que o ramo da Sophie é mesmo o chick-lit,porque já vi outras pessoas falando sobre o livro e elas fizeram basicamente as mesmas ressalvas.


    Bjss

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja machista, LGBTQAfóbico(a), ou racista. O mundo agradece :)

Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.



INSTAGRAM