Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#Culturalegrando: Casa de Cultura Mario Quintana

by - março 12, 2016


Esse #Culturalegrando é sobre parte da Casa de Cultura Mario Quintana, que fica aqui em Porto Alegre. A casa, antigamente, era um hotel - portanto, o espaço é bastante grande, com duas torres, várias salas, restaurante, passarela e um jardim no terraço. Quintana nunca se casou nem teve filhos e, devido a isso, viveu boa parte da vida em hotéis. Em 1982, o prédio do hotel Magestic foi tombado e, em 1983, o governo do RS o adquiriu e o transformou em um centro cultural. 

Em uma das salas do complexo está um espaço reservado para falar do primeiro livro de poemas lançado pelo autor, em 1940, A rua dos cataventos. Ainda que, desde o ano passado, eu tenha mergulhado e me encantado pela poesia, ainda não li nenhuma obra poética completa do Quintana, mas esta me chamou muito a atenção. O livro é composto por 35 sonetos e sempre com rimas, pois antecede a sua fase literária mais flexível, de versos livres e sem métrica. O estilo do autor é bastante leve, gostava de assunto relacionados ao cotidiano, de evidenciar a musicalidade e a simplicidade em suas palavras. Um recurso muito utilizado por ele era a ironia - não aquela cáustica, mas aquela que promove riso fácil e reflexão (a exemplo dos quintanares). A capa do livro me agrada muito, pois exprime com riqueza e simplicidade a essência da literatura dele. Dois temas estão muito presentes nos versos: a infância e a morte.

(As fotos estão com a resolução ruim, pois meu celular tá bem ruim hehe. Como a sala estava iluminada com luzes brancas, tudo ficou branco demais </3 
Mas dá pra ver, juro haha).





Ao lado dessa sala destinada ao livro A rua dos cataventos fica o quarto reconstruído do autor. Sua reconstrução foi orientada por sua sobrinha-neta Elena Quintana. Ainda que, obviamente, não seja a cena real do quarto, é muito tocante olhar para os móveis e o cenário através do vidro de proteção. Sempre que entro na Casa de Cultura vou até o quarto para observar, porque a paz que me traz é muito grande, além disso me sinto inspirada pelo que vejo. Gosto de me atentar aos detalhes, porque às vezes até parece que alguém vai surgir do nada e começar a me contar sobre as peripécias da vida dele ali, como uma vovozinha bondosa que lê um livro de poesia para os netos. O sentimento de acolhimento que sinto quando me adentro lá é muito especial, é como me encontrar comigo mesma, uma espécie de casamento de almas



O escritor morreu em 1994 e trabalhou quase toda a vida como jornalista. Porto Alegre é meio poética por causa dele, devo confessar. Sempre que saio de sua Casa e ando pelas ruas dali, fico imaginando por onde ele caminhou e quais cenários lhe agradavam e que lhe ajudaram a compor seu trabalho. Penso que em qualquer parte onde estou pode ter servido de inspiração a ele, uma vez que grande parte do que escrevia retomava o cotidiano. Um barzinho, um casal de mãos dadas, um prédio antigo. Qualquer coisa, da ínfima à grandiosa, pode ter feito parte de sua vida - e nós, leitores, só podemos recriar tal passado e aceitar aquilo que nossa mente alcança, que é incrivelmente rasa, obviamente. 
"Eu moro em mim mesmo. Não faz mal que o quarto seja pequeno. É bom, assim tenho menos lugares para perder as minhas coisas" - Mario Quintana
___

Culturalegrando #1: AQUI.
Love, Nina :) 

You May Also Like

9 comentários

  1. Oi Nina, adorei seu post. É muito bom saber um pouco mais sobre os caminhos traçados de um autor tão especial. Eu visitei Porto Alegre apenas uma vez e quem sabe numa próxima vez, possa visitar esse lugar. Os cenários devem ser incríveis e agora fico imaginando como você falou diante da poesia dele. Beijos, Fer

    ResponderExcluir
  2. Oi Nina!
    Que lugar bacana para ir visitar e conhecer.
    Deve ser inspirador para qualquer escritor estar aí, e até mesmo para os fãs de Mário Quintana.

    Beijos
    http://aventurandosenoslivros.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  3. Sou apaixonado por Mario Quintana. Desde quando eu paguei Literatura Brasileira II na universidade que fiquei com vontade conhecer a casa, e saber mais sobre a vida dele... Então quando eu for em Porto Alegre, eu já sei onde vai ser o primeiro lugar que eu vou parar.
    https://nerdbookblog.wordpress.com/

    ResponderExcluir
  4. Caraca Nina, que post super diferente. Nunca fui para Porto Alegre, mas sem dúvida esse é um lugar interessante de se visitar <3

    Beijos, Love is Colorful

    ResponderExcluir
  5. Olá, Nina.

    Que sensacional. Deve ter sido uma experiencia única. Que lindo. As fotos ficaram ótimas, pois dá para ver tudo claramente e gostei muito. Já tenho um local para visitar quando for a Porto Alegre. Haha. Post maravilhoso.

    http://chalecult.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá, Nina. Adorei a sua coluna. Ainda não conhecia e é uma forma dos leitores conhecem mais sobre o dia a dia dos autores e tal. Eu amo museus e derivados,se pudesse visitaria vários pelo Brasil e o mundo. Este particularmente é maravilhoso, mesmo não sendo exatamente um museu né.
    Beijos
    Sil - Estilhaçando Livros

    ResponderExcluir
  7. Adorei como ficaram as fotos, parece filtro! <3 hahaha

    Beijos, gata!
    Ruh Dias
    perplexidadesilencio.blogspot.com

    ResponderExcluir
  8. Ahh Nina...Que fotos lindas, passa a impressão e seu um lugar que emana paz. Sou louca para conhecer Porto Alegre e essa vontade só aumenta quando vejo que possui locais como esse.

    Beijos da Camila.
    Participe da postagem coletiva ;)
    http://cabinedeleitura1.blogspot.com.br/2016/03/um-assunto-intenso-e-profundo.html

    ResponderExcluir
  9. Quintana foi o primeiro poeta que li, ainda na infância e simplesmente me encantei. Lembro-me que na época, uma coleguinha da escola me emprestou o livro de poesias por um dia, devorei com força, achei aquelas palavras as mais geniais do mundo...

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja machista, LGBTQAfóbico(a), ou racista. O mundo agradece :)

Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.



INSTAGRAM