Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

#Essential Book: setembro

by - setembro 22, 2016

Recentemente, eu reli Por lugares incríveis, da Jennifer Niven, mais por causa do #SetembroAmarelo e da minha péssima memória. Comecei a perceber que não conseguia me lembrar de fatos específicos da história e, então, lá fui eu reviver minha curiosidade. Acabou que, no mesmo tempo, fiquei sabendo do tema para esse mês e, claro, eu sabia que teria de usar o livro de novo: a essência do casal preferido. 

Ao longo da minha vida literária, fui colecionando casais preferidos. Começou com Rony e Hermione há mais de dez anos e não parou mais, a maioria de livros YA. O último é Theodore Finch e Violet Markey, de Por lugares incríveis. Falei mais especificamente do Theodore no tema de julho do projeto.

Eles não o são, porque são perfeitos um para o outro, ou porque dizem coisas românticas. Pra falar a verdade, eles são quase opostos, mas situações muito restritas fizeram com que se unissem. Violet está em um período bem triste da vida, porque sua irmã morreu em um acidente de carro há poucos meses. Theodore (desculpe, mas eu nunca vou conseguir chamá-lo de Finch) "acordou" de um Apagão e está se readaptando à rotina. Eles acabam se reconhecendo na torre do sino da escola, onde Violet está prestes a pular, mas Theodore a convence a não fazê-lo. Ele está na torre do sino não para morrer, mas para ter controle e nunca mais dormir de novo. 

A partir disso, Theodore fica bastante interessado em Violet, mas não romanticamente. Ele vê nela uma espécie de fuga, talvez, para espantar o Apagão pelo menos por ora. Então, quer saber se ela pretendia mesmo se suicidar, por que estava tentando e qual é a sua história. Não dá pra dizer que o Theodore é um garoto meigo - ele é muito mais real do que qualquer outro personagem masculino que eu me recorde. Enquanto eu o conhecia, percebi que ele não precisava ser meigo, romântico ou o que quer que as garotas de hoje em dia gostem em garotos. A melhor coisa sobre o Theodore é que ele é único e tem uma história única, também. 

Já falei sobre o relacionamento abusivo com o qual foi obrigado a manter com o pai durante anos e que deixa evidente este ser o maior motivo de seus transtornos psicológicos (depressão, obsessão pelo tema do suicídio, bipolaridade e ansiedade). Possivelmente, é o âmago da história dele - infelizmente, é o que sobrepuja qualquer outra coisa, mesmo que, obviamente, seus transtornos não resumem quem ele é. 

Por parte de Violet, não há interesse romântico também - muito pelo contrário: ela passa bastante tempo tentando evitar Theodore, especialmente suas perguntas nada pertinentes. Mas existe um trabalho escolar a ser feito e Theodore a escolhe como par. A partir disso, duas histórias bem diferentes começam a construir uma única: não de salvação (como é dito na quarta-capa), mas de empatia e compaixão. Não gosto de pensar que eles foram a salvação um do outro, especialmente porque acredito que cada um de nós somos responsáveis apenas por nós mesmos (já que carregar o fardo dos outros é algo desastroso e muito injusto). Gosto de pensar que ambos foram a libertação um do outro, que suas histórias encontraram uma âncora e um propósito. Não um propósito de morte, mas de importância. 

O livro As Ondas, de Virginia Woolf, permeia grande parte da história e tem muito significado nela. É a partir de trechos dele que Theodore e Violet começam a se aproximar afetivamente e, posteriormente, é a partir dele que Theodore deixa pistas de onde encontrá-lo quando desaparece. 

Esse trecho escrito é de uma música do Coldplay, Warning Sign. Possivelmente, é uma das músicas que mais amo deles e EU AMO ESSE TRECHO COM TODAS AS MINHAS FORÇAS. 

Metaforicamente, o relacionei com como ambos os personagens se sentiram quando perceberam que existiam histórias tristes em si mesmos e que, até então, não tinham se dado conta disso. E que, felizmente, não estavam sozinhos. Não eram ilhas - e, portanto, podiam se descobrir. 

Mais Coldplay, sim. Eu estava quase no final da releitura quando percebi que escutar Violet Hill me lembrava da Violet. O último verso me faz lembrar o quanto ela e Theodore fingiram que não sentiam nada além de pena e/ou determinação um pelo outro. A relação deles tem vários estágios e o último, do amor romântico, não é algo fofo ou bonitinho (idealizado) - é real, é verdadeiro. Condiz muito mais com a realidade do que com a ficção e é por isso que gosto tanto.

Essa é a primeira frase profunda que Theodore escreve para Violet. Não é copiada de nenhum livro e gosto muito dela, porque me dá a sensação de que, além de poesia, existe muito da essência do personagem. Às vezes, ele é meio desconexo, como as vivesse em períodos de fluxo de consciência, mas, ainda assim, existe grande beleza e sentimento.

Mais música, sim. Essa é Lost Stars, cantada pelo Adam Levine (ou pela Keira Knightley - você pode escolher a versão que quiser), e é do filme Begin Again (Mesmo se nada der certo).

Gosto desse verso, porque é uma essência verdadeira de ambos. Violet está mais para a primeira parte (Não se atreva deixar que nossas melhores memórias te tragam tristeza), enquanto Theodore está mais para a segunda (Talvez acharemos um novo final). Ainda assim, unidas, formam grande parte da essência até mesmo do livro. 


Virginia Woolf se suicidou em 1941 e deixou uma carta ao marido. Nas últimas frases escritas, estava essa aí que escrevi. Apesar de eu não gostar de pensar que Violet e Theodore foram a salvação um do outro - e, de fato, Violet se provou não ser capaz disso, simplesmente porque estava além de sua capacidade -, gosto da primeira parte: você foi, sob todos os aspectos, tudo o que alguém poderia ser. Penso nisso não como algo romântico, mas saudosista - não de tristeza. Acho que se existe algo em Theodore, esse algo não é tristeza, mas a vontade de viver tudo de uma vez. E, felizmente, ele ensinou algumas coisas sobre estar vivo para a Violet.

Theodore inventa uma história para Violet, sobre ter existido o alinhamento de Júpiter e Plutão com a Terra, em 1976. Diz que é assim que se sente em relação a ela, como se estivesse flutuando. E acho que essa é uma das passagens mais bonitas do livro, porque esse efeito gravitacional é, na verdade, a relação deles.

 I. O tema do mês passado foi sobre 
a essência do(a) autor(a) preferido(a) 
e você pode conferir as fotografias AQUI.

II. Não deixe de conferir as fotografias das outras blogueiras do projeto :)

You May Also Like

7 comentários

  1. Estou surpresa em ver Por Lugares Incríveis por aqui? Não mesmo hahahaha Eu adorei a forma como você retratou a relação do Theodore (também não consigo chamá-lo de Finch) e da Violet. Amei as fotos. Eu sempre amo suas fotos, porque você é muito criativa <3 E como não amar um post que só contém coisas maravilhosas, inclusive Lost Stars? Hahaha
    Amei, amei e amei!
    Beijo

    www.blogrefugio.com

    ResponderExcluir
  2. É muito legal quando um livro recomenda outro livro, fiquei curiosa com "Por Lugares Incríveis". As suas fotos estão maravilhosas também.
    Conheci o Setembro Amarelo esse ano através do Face e achei uma iniciativa incrível, gostaria de ter conseguido me envolver mais. Até li um livro sobre a temática, mas a resenha só vai sair mês que vem..
    Beijos,
    sigolendo.com.br

    ResponderExcluir
  3. nossa, não sabia que Por lugares incríveis tinha referências tão bacanas assim... [sou louca por Coldplay hahaha] e Virginia <3
    já tinha ouvido falar do livro, mas bem por alto... fico feliz que vc tenha mergulhado na leitura com afinco e intensidade... interessante pra se abordar no projeto...
    bjs ^^

    ResponderExcluir
  4. Ninaaaaaaaa, meninaaa do céu me dá um abraço. Que coisa mais linda essa sua opinião, essas fotos, você é tão criativa que me encanta meninas. Eu adoraria ter a oportunidade de realizar a leitura dessa obra, é diferente do que costumo ler e isso me agradou, dica super anotada.
    Beijinhos

    ResponderExcluir
  5. Nina do céu! Vou chorar aqui, relembrando cada passo dessa história incrível, essas fotos ficaram muito boas! A parte do alinhamento dos planetas com certeza é a passagem mais bonita do livro!
    Beijos, Lari.
    Segredosdeumacerejeira.blogspot.com

    ResponderExcluir
  6. Olá, gostei bastante de ver 'Por Lugares Incríveis" tendo destaque nesse Setembro Amarelo...kkkk
    Quero muito ler o livro, recebi faz pouco tempo de um sorteio do skoob...e estou animada para iniciar a leitura.

    Abraços

    ResponderExcluir
  7. Adorei a resenha, as fotos e a dica! Parabéns pelo post, ficou incrível!!!!
    Adicionando o livro na lista de leituras :D

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja machista, LGBTQAfóbico(a), ou racista. O mundo agradece :)

Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.



INSTAGRAM