Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

Essential book: maio

by - maio 28, 2017

Chegou mais um essential book, eba! Fotografia é algo que gosto bastante (apesar de não pensar em me profissionalizar nisso) e mesmo que o tema do mês não seja alegre, fotografá-lo sempre exerce a minha felicidade e minha criatividade. Por mais horrível que esse semestre esteja, por causa da faculdade, o essential book sempre me faz lembrar que viver ainda é bom. 

O tema de maio é a essência da negatividade. Por negatividade, eu penso em muitas vertentes, não somente aquelas ligadas estritamente ao que sentimos, mas também aquelas que já estão espalhadas no livro em questão. E foi por isso que o primeiro livro que me apareceu na mente foi A redoma de vidro (resenha aqui). Apesar de Cartas de amor aos mortos (Ava Dellaira) também ter disputado o posto, percebi que minha mente estava bem mais inclinada a imaginar cenas a serem fotografar de o primeiro. 

A redoma de vidro, da Sylvia Plath, não é um livro bonito. Existe sofrimento, angústia e desumanidades nele. Ou seja, ele é um constante sentimento negativo. Apesar de a protagonista, Esther, no início não apresentar sintomas óbvios da depressão, a tensão emocional é grande. Esther está sempre à espera de uma reviravolta, de algo que mude sua concepção de mundo - que a faça encontrar beleza no mundo. 

O romance não é totalmente ficional, pois conta bastante dos sentimentos conflituosos da própria autora, a Silvia Plath. Não à toa, seu fim foi trágico: suicídio, em 1963. Como eu disse na resenha, foi muito fácil transpor a Esther (personagem) para a Sylvia. A certo ponto, me foi impossível distinguir quem era Esther e quem era Sylvia. 

A depressão pode ser, metaforicamente, traduzida neste quote. Ela altera todas as percepções da realidade e as transformam em sentimentos fracassados, negativos e impotentes. Estar viva, durante uma depressão, é um peso - e o sentimento de vazio é longo, parecendo eterno. 

Andando por aí com a minha nuvem negra pairando sobre a minha cabeça 
e ela nunca vai descer 
para onde eu vou?
Hard Times, Paramore

Outra metáfora bastante real: a depressão nos limita, porque todas as coisas negativas se sobressaem e nos impedem de observar as nuvem brancas e fofinhas. Nós nunca sabemos para onde vamos, porque a perspectiva de futuro não existe. O único futuro que passa na nossa mente é um futuro sem nós - porque o sentimento de fracasso é sempre maior do que tudo e nos convence de que o mundo será um lugar melhor se, simplesmente, desaparecermos. 


Minha amiguinha Tristeza está aqui de novo para demonstrar o vazio da depressão. Como eu disse no essential book anterior, tristeza não é a mesma coisa que depressão, mas ela é a única personagem que tenho próxima de algo melancólico e distante da felicidade. Na depressão, apenas sobra a gente e nossos medos, que se transformam em arranha-céus intransponíveis. Nós apenas conseguimos enxergar as sombras do fracasso e do sentimento de inutilidade. Todo o resto é um grande vazio: não causa nada, só está ali, mas não o sentimos de verdade.


Para finalizar, é bom lembrar que quem é neuro-atípico sempre tem que conviver com seus transtornos. Não é algo que some apenas porque temos a terapia ou a psicoterapia de aliadas. Ter um transtorno é saber que existirão dias incríveis, bons, ruins e horríveis. Ter depressão é sempre saber que recaídas existem. E que não, não dá para prevê-las. 

///

I. O tema de abril foi 
a essência da esperança
e você pode conferi-lo AQUI.

II. Não deixe de conferir as fotografias das outras participantes: 


Love, Nina :)

You May Also Like

6 comentários

  1. Olá, que interessante esse projeto. Eu ainda não li o livro A redoma de vidro, da Sylvia Plath, mas já li alguns livros sobre a depressão ou com personagens que convivem com essa negatividade. Achei interessante como você combinou as imagens com as palavras.

    ResponderExcluir
  2. Não li este livro ainda, mas o assunto depressão deve mexer com o leitor. Cartas de amor aos mortos eu já li e gostei, mas não sei porque acho que a sua opção de escolha foi melhor.
    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  3. Tenho muito vontade de ler Redoma de Vidro, mas acho que ainda não é o momento, pois sei o quanto o ele pode remexer em sentimentos obscuros que tenho guardados dentro de mim.
    Preciso dizer novamente que acho esse projeto incrível. Muito, muito criativo.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Nossa, que post bem escrito e pensado. Deu gosto de ler! Que projeto ótimo também. E eu não conhecia esse livro ainda... nem tenho certeza que quero.
    Todas as fotos são suas? Essa foto do funko pop da tristeza... nossa, que visão ótima você deu a ela. Uma personagem fofa nessa posição, sem nada ao redor... combinou perfeitamente com o texto. Parabéns.

    ResponderExcluir
  5. Olá, adorei conhecer o projeto, parabéns!

    Não conhecia a obra escolhida para o mês.

    Adorei.

    Abraços

    ResponderExcluir
  6. Oi!
    Eu sou louca pra participar de um projeto assim, gosto bastante de fotografia e quero muito fazer um curso para aprender mais, compor fotos, essas coisas.
    Adorei o post!

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário! Que tal deixar o link do seu blog para eu fazer uma visita a você depois? :D



INSTAGRAM