Estamos bem: quando o amor é um vazio, quando o amor é intensidade

Vi Estamos bem, da Nina LaCour, no início desse ano, no Instagram. Desde então, conferi inúmeras vezes o preço dele (na versão original) na Amazon, mas não pude comprar. Eis que, pra minha alegria, a Plataforma 21 o lançou no Brasil no começo desse segundo semestre e o comprei na pré-venda (por um preço bem melhor do que a versão original). 


Título original: We are ok
Autora: Nina LaCour
Editora: Plataforma 21
Ano: 2017 
Páginas: 221
★★★★

Estamos bem é um YA que beira a simplicidade, mas que se emaranha em lembranças e fatos passados. Temos uma protagonista que acabou de entrar na faculdade, a Marin, e que quer aproveitar as férias de inverno para ficar sozinha no campus. Ela é a única que preferiu ficar no prédio, especialmente porque não tem mais o avô, a única família consanguínea que tinha. Apesar de pretender passar as férias no quarto, comendo macarrão instantâneo e dormindo, precisa lidar com três dias intensos: a vinda da sua melhor amiga para uma visita. 

Marin e Mabel, a melhor amiga, não se veem há alguns meses, desde que Marin foi embora da cidade  em que vivia sem nem mesmo avisar ou dar explicações. A relação delas está bastante conturbada e distante por causa de várias mágoas e dúvidas. Acontece que três dias são suficientes para que tudo o que Marin esconde no meio da solidão venha à tona de um modo muito vagaroso e intimista. 

A narrativa, talvez, possa incomodar pela vagarosidade e pelos segredos que vêm aos fragmentos. Os capítulos se alternam entre o presente e o passado - passado que se faz confuso para a protagonista. Quando ela morava na antiga cidade, morava somente com o avô, pai de sua falecida mãe. Marin nunca conheceu a mãe, pois era somente um bebê quando sua morte aconteceu, e, como o avô não falava sobre a filha, a garota não tem nem mesmo informações mínimas sobre quem foi sua mãe - a única coisa que ela sabe é que a mãe era uma surfista muito famosa na cidade. 

A visita de Mabel traz à tona, inclusive, segredos do avô de Marin - alguém que ela achou que conhecesse, mas que não tem mais certeza do que sente por ele. 

A atmosfera intimista e muito emocional (no sentido de trabalhar o íntimo da protagonista) é algo que me encantou desde o início, pois adoro narrativas assim, nas quais podemos conhecer as personagens de forma mais peculiar, mais intensa. A intensidade de Marin é muito evidente, mas sem muita expressividade, pois está mergulhada em uma bolha depressiva, de forma a repelir o passado (as lembranças sobre seu avô e também sobre Mabel). 

Conhecemos um amor intenso e genuíno por parte de Marin por seu avô - ambos sozinhos em partes diferentes da casa em que viviam. Quando a verdade - os segredos de seu avô - vem, o amor se desfaz em um vazio imenso, que a personagem não consegue curar, entender e ignorar. Na solidão da nova rotina, longe do passado, Marin está confusa, mas desesperadamente gritando por socorro em silêncio, sem perceber. 

Também conhecemos um amor ingênuo e puro por parte de Marin por Mabel, sua melhor amiga. Nos capítulos que falam sobre o passado também nos é mostrado como a amizade delas sempre pendeu para algo "colorido", mas que, especialmente nos últimos meses antes da partida, não havia somente brincadeira na forma como se relacionavam. Ambas estão bem magoadas uma com a outra por seus próprios motivos e isso é desenvolvido da mesma forma que o resto: de forma devagar e no seu próprio tempo. 

Antes de assistir a esta resenha, não sabia que o livro tratava da homo e bissexualidade femininas. E, apesar de eu ser a leitora que acaba torcendo para os casais LGBT, não consegui torcer muito para a Marin e a Mabel. A trama tem uma força incrível, mas a relação no presente das duas não me convenceu o suficiente. Não percebi uma ligação genuína e forte. Talvez, por estarem se reconstruindo sentimentalmente (tanto é que, agora, Mabel namora um garoto), esse elo se afrouxou de um modo muito palpável. Ainda assim, é muito bonita e natural a forma como a autora inseriu a descoberta da sexualidade na história, pois é muito crível - inclusive todas as dúvidas e medos das duas garotas. 

A trama, basicamente, trata de amor - em formas diferentes, por causa de motivos diferentes. Trata também de como o amor é extremamente frágil e fugaz, como pode ser uma enorme mentira. Quando me dei conta disso, depois de ter terminado a leitura, senti muita infelicidade, uma carga emocional muito grande, difícil e pesada.

A cada capítulo, os sentimentos e as batalhas de Marin se tornam mais angustiantes e mais apavorantes, a ponto de provocar no leitor a mesma coisa. O leitor se vê no emaranhado de situações, mentiras e lembranças da mesma forma que Marin, então, Estamos bem, apesar de ser um YA sobre recomeços e amores, não é uma leitura fácil, bonitinha e que causa coisas boas. Ainda assim, senti muita gratidão ao final, porque perceber todas as nuances da narrativa, todas as camadas das personagens e das mentiras reveladas me fez entender que a vida é cheia de escombros - os nossos e dos outros e que os carregamos por motivos nem sempre óbvios. 

(Apesar de eu basicamente nunca falar das capas dos livros, dessa eu preciso falar: eu me apaixonei pelo livro à primeira vista, justamente por esta capa incrível, que conseguiu captar toda a trama entre o presente e o passado da protagonista. Fiquei muitíssimo feliz quando soube que a editora não iria mudar a capa original, aliás).

(P.S.: recomendo ler os agradecimentos da autora, porque é muito lindo e tem muita relação com a história que ela escreveu )

Love, Nina :)

19 comentários:

  1. Olá! Fiquei morrendo de vontade de ler esse livro, parece ser uma história bem intimista, que toca bem no fundo da alma do leitor, gostei muito da trama.

    www.estante450.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  2. Esse livro também me ganhou pela capa. E assim como você também não consegui torcer pelo romance de Marin e Mabel, não achei convicente (pelo menos não por parte da Mabel), e não falo nem do romance unicamente, mas de toda a relação entre elas, até mesmo a amizade. Tive a impressão de que era mais um daqueles relacionamentos onde uma pessoa se doa demais em prol de outra que faz o mínimo, sabe? Mas amei muito o livro, a sensibilidade e a intensidade dele, como bem falei na mimha resenha.
    Beijo

    www.blogsonhalize.com

    ResponderExcluir
  3. Oiiii

    Essa capa é tudo de lindo e o livro é show, só escuto elogios. Tenho vontade de conferir essa história em breve, acho importante a mensagem que passa e parece ser uma história que prende e vale a pena.

    Beijos

    ResponderExcluir
  4. Oi,
    Então lendo sua resenha não me senti muito atraída para ler essa história porque me pareceu bem "lenta" daquele tipo que demora para acontecer alguma coisa. E depois que li que o livro é sobre romance bi, realmente fiquei com menos vontade ainda, não tenho nada contra mas não sinto vontade de ler nada que tenha essa questão.
    Beijos
    Raquel Machado
    Leitura Kriativa
    leiturakriativa.blogspot.com

    ResponderExcluir
  5. Gosto de livro simples, sem muita pretensão, normalmente costumam me prender de uma forma inexplicável.
    Fiquei curiosa quanto ao livro, parece ser aquele livro que te faz viver o personagem, espero poder ler e sentir a mesma gratidão que você sentiu ao finalizar a leitura.
    Dica anotada.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bem? Essa capa é maravilhosa mesmo, sempre me chamou a atenção. Já tinha visto o livro, mas não sabia do que se tratava. Adorei tua resenha e depois de você dizer tudo isso, estou certa de que preciso ler a obra, heheh. Obrigada pela dica, bjos!

    ResponderExcluir
  7. Oi, Nina. Que resenha!!!
    Eu vi o livro nos lançamentos da editora e fiquei curiosa com ele, mas é a primeira resenha que eu leio da obra. Eu gostei bastante de conhecer um pouco mais sobre a trama e de ver a sua opinião sobre ela, se eu já queria ler antes da tua resenha, agora eu quero ainda mais.

    ResponderExcluir
  8. Olá, por mais que a capa seja linda eu não sei se leria esse livro, eu não sou muito fã de livros Ya.

    ResponderExcluir
  9. Oi Nina,
    Esse livro parece ser encantadoramente bem construído e adorei isso. Sua resenha está extremamente apaixonante e gosto muito da ideia de ser um livro que, apesar de lento, acorda temas interessantes em uma obra tão encantadora assim.
    Fiquei ainda mais curiosa para ler esse livro e para ler os agradecimentos, que parece ser igualmente encantador.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Oi! Apesar de não ser bem meu gênero literário favorito, acho que até daria uma chance para essa história, mesmo sabendo que provavelmente choraria litros huahauahua A sensibilidade da história e essa escrita intimista chamaram minha atenção, além dessa capa maravilhosa, né?
    Parabéns pela resenha! Arrasou!

    Bjs da Cami

    ResponderExcluir
  11. Oii! Eu já tinha visto essa capa maravilhosa, mas não sabia do que se tratava a história e me surpreendi. Parece ser uma obra muito bonita e emocionante, eu gosto bastante quando os autores intercalam acontecimentos entre o passados e o presente, deixa a história mais envolvente. Estou curiosa para saber os segredos que o avô da Marin escondeu, principalmente sobre a mãe dela. Sua resenha está linda, dica anotada. Bjss!

    ResponderExcluir
  12. Olá!
    Eu adorei sua resenha, mas só de olhar a capa jamais imaginaria se tratar de tantos temas envolventes.
    Apesar de não estar lendo tanto quanto gostaria, mesmo a narrativa sendo um pouco lenta, sem dúvidas daria uma chance para essa leitura.
    Já vai para lista!
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  13. Olá, tudo bem? Nossa esse livro está dividindo opiniões hehehe todos falam a mesma coisa da intimidade e o quanto ele não é fácil, acho que por isso só ele me chama atenção. E por se tratar de YA, o que gosto bastante de ler acho que seria uma ótima pedida. Sua resenha está bem completa e cheia de informações sobre o mesmo. Gostei bastante.
    Beijos,
    diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  14. Hum, eu tenho um conflito com esse livro. Assim como vc gostei muito a leitura, mas elas depois não tem a ligação que eu preciso pra apoiar o casal. Claro que isso não tira mérito do livro, mas eu queria muito torcer por elas o tempo todo. E sobre a capa, por favor é maravilhosa demais.
    <3 amei a resenha.

    ResponderExcluir
  15. Oiii!

    Eu não conhecia o livro e fiquei feliz em ver que você conseguiu comprar a obra para ler. Achei o enredo muito bacana, mesmo você não torcendo tanto pro casal, fiquei curiosa.

    Beijinhos,

    ResponderExcluir
  16. Olá!

    Quero! Ainda mais porque ainda não tive a oportunidade de ler nenhum LGBT com protagonista feminina. Sorte a sua que a Plataforma 21 trouxe para o Brasil, realmente é maravilhoso quando isso acontece.

    ResponderExcluir
  17. Oi Nina! Esse parece ser um livro realmente intenso. Gostei de não ser só sobre romance, mas sim sobre amor, que pode vir em várias formas e por várias pessoas e é o sentimento mais nobre que podemos ter. Também gostei da questão LGBT ser tratada naturalmente pela autora. Em algumas histórias sinto que o romance homo é muito forçado apenas para deixar uma mensagem e acaba perdendo essa essência. Não sei se eu vou ler, pelo menos agora, mas parece ser um bom livro.
    Beijos.

    ResponderExcluir
  18. Preciso confessar que quando não consigo torcer para um casal a leitura desanda completamente para mim... Talvez por isso eu tenha ficado com os dois pés atrás a respeito desse livro. Fora que não acho que eu esteja num bom momento para encarar essa carga emocional difícil e pesada... Acho a capa linda mesmo, mas por enquanto não vou ler.

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja machista, LGBTQAfóbico(a), ou racista. O mundo agradece :)

Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.

Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.