Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.

O beijo traiçoeiro: os vários papéis do amor

by - novembro 21, 2017

Recebi O beijo traiçoeiro, de Erin Beaty, por meio da parceria com a Companhia das Letras. Felizmente, a leitura deste livro foi rápida e agradável.


Título original: The traitor's kiss
Autora: Erin Beaty
Editora: Seguinte
Páginas: 433
Ano: 2017
★★★★

Apesar de ser uma espécie de romance de época, o toque YA do livro fez com que eu gostasse muito da leitura. A narrativa tem um jogo de inovação e clichê constante, o que me fez ter sentimentos duais pelos personagens. Em O beijo traiçoeiro, existem dois protagonistas: a Sage e o Alex. É um dueto difícil, complexo, mas que envolve o leitor narrativamente depois de um tempo.

A garota vem de uma família humilde, porém relativamente boa, no reino onde vive. É estudiosa, gosta muito de ler e educa crianças próximas, mesmo que ainda tenha dezesseis anos. É uma personagem com uma cabeça, a princípio, muito decidida e com uma atitude muito "incomum" (para a época). Nela, há o estereótipo da "garota que não é como as outras", algo que detesto ver em qualquer narrativa. Por não querer se casar, Sage é vista como um empecilho e um desafio. Já Alex faz parte do exército e é alguém muito sério e compenetrado. O leitor percebe, logo de início, que ele não admite falhas e se cobra muito pela perfeição. O personagem encanta por vezes, mas, ao mesmo tempo que suas atitudes são de proteção, também reverberam machismo (comum para a época). 

Como Sage não aceita ser assessorada pela casamenteira da região, acontece algo inesperado: a casamenteira desiste de querer encontrar um pretendente a ela e oferece um emprego a Sage. A garota, então, sai da casa dos tios para morar com a casamenteira e ajudá-la a estudar meninas desesperadas para casar e seus possíveis pretendentes. Como existe um evento chamado Concordium, no qual acontece as concordâncias matrimoniais, Sage se vê no meio de uma aventura muito perigosa. A casamenteira, Sage e as garotas escolhidas para o Concordium precisam fazer uma viagem até onde o evento será sediado e é assim que Alex e seus soldados se misturam à narrativa festiva. 

Na viagem, Sage tem que esconder o fato de que não é uma garota que quer se casar e que só está a serviço da casamenteira. No entanto, o segredo é visto como uma ameaça aos soldados, que não entendem quem Sage é e o que realmente faz ali. A partir um plano militar, a garota passa de ameaça a arma contra os inimigos. É claro que, no meio de várias intrigas militares e disputas de poder, Sage e Alex vão se conhecendo melhor e se afeiçoando - mas nem tudo é o que realmente parece, porque nem todos os segredos foram revelados.

"Representamos vários papéis ao longo da vida... isso não faz com que todos sejam mentira", p. 315

O beijo traiçoeiro traz clichês com um enfoque diferenciado. É notório o conhecimento militar da autora, o que contribuiu muito para um maior entendimento das questões relativas à ação. O plot militar oferece a parte, digamos, "racional" da história. Os diálogos sobre estratégias são muito reais e, em momento algum, parecem infundados e despreparados. 

Os personagens, apesar de transitarem entre a adolescência e o início da vida adulta, são muitíssimo bem escritos e desenvolvidos. Apesar de a narrativa, por vezes, me irritar, o modo como reagiam à ela foi muito condizente. Há tanto racionalidade quanto humanidade neles - e não somente em Sage e Alex, como em todos os personagens secundários. Foi fácil simpatizar com os homens, mesmo que deixassem escapar machismos, como "defender a honra das meninas" e, às vezes, ver Sage como uma donzela indefesa. 

Sage, ainda que esteja imersa no estereótipo "protagonista forte" (reproduzindo a inversão de papéis de gênero), consegue convencer o leitor a gostar do que lê. É comum vê-la deixar escapar pensamentos machistas (ela desdenhava das outras garotas, por serem "femininas", por exemplo - aquele senso comum de que a feminilidade é coisa de mulher fraca e estúpida), também. No entanto, eu consegui relevar muitas dessas passagens, tendo em vista que a sociedade que estava retratada ali não é a nossa e que julgá-la pelos parâmetros atuais, talvez, fosse pedir demais. Para finalizar sobre Sage, ela tem um arco narrativo bastante óbvio, em termos românticos - algo que não me decepcionou completamente, pois era algo que eu já esperava.

O beijo traiçoeiro tem uma história muito envolvente, convincente e jovial, não significando que seja um mero "passatempo", uma vez que reflete também os tempos atuais. Fazendo do casamento um grande acordo, o livro trata do amor com ternura e como um luxo.

Love, Nina :)

You May Also Like

12 comentários

  1. Não consegui entender bem o que achou do livro, se gostou ou não. Na verdade, acho que você não curtiu muito, só relevou e torceu para que a leitura fosse rápida, como realmente o foi, né? De qualquer forma, eu gostei muito da premissa do livro, me pareceu ser o tipo de livro que gosto, afinal, sou amante dos romances de época.
    Espero que tenha gostado um pouco do livro, como deu a entender, parece ser uma história diferente, apesar de "igual", por assim dizer. A dica foi anotada!

    ResponderExcluir
  2. Olá! São tantos elogios por este livro, com uma premissa bastante atraente também, que acabei de comprar o e-book em promoção na Amazon! rsrs
    Gostei da sua resenha, achei que, apesar de ter elementos clichês, o diferencial deve ter um destaque positivo para a leitura. Vou arriscar!
    Bjos
    Lucy - Por essas páginas

    ResponderExcluir
  3. Esse fundo usado no romance, a guerra, é bem inovador em um romance de época, o que desperta em mim a curiosidade de leitura, mas tenho um certo receio de se tornar massante os assuntos
    relacionados a estas estratégias que você mencionou, mas claro que se tivesse a oportunidade iria ler.

    Beijos
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com

    ResponderExcluir
  4. Olá Nina!
    Já vinha admirando a capa desse livro e nunca tinha lido a sinopse. A premissa é até interessante, mas parece que o desenrolar da trama não foi muito bem elaborada e até um tanto clichê e uma narrativa bem morna. Não sei se leria no momento mas gostei de conhecer mais através das suas considerações.
    Beijos!

    Camila de Moraes

    ResponderExcluir
  5. Ouvi comentários positivos sobre esse livro e só se saber que é um romance de época com um toque de YA, já me interesso em ler ele. Fora que a capa é linda e a premissa ótima. Parabéns pela resenha!
    Bjos, Bia! ❤

    ResponderExcluir
  6. Olá, tudo bom?

    Esse era um livro que eu estava louca para ler, por causa de sua sinopse, mas esperando para ver as resenhas e opiniões diferentes para conhecer um pouco mais. Eu gosto de personagens diferentes e, para a época, até que foge um pouco do esperado. Sage, uma garota de dezesseis anos, que não quer casar? Apesar de ser taxada como a "garota que não é como as outras" possui uma opinião muito forte sobre o assunto. E o Alex, apesar de reproduzir machisco que era comum na época, parece ser ótimo no que faz, que é fazer parte do exército. Por outro lado, fiquei bem curiosa sobre a parte militar da história, já que não é infundada.
    Já lerei a obra sabendo que não devo julgar certos pensamentos por causa da época em que foi retratada e tais "absurdos" eram normais e não dá para comparar com a época atual.

    Enfim, adorei a postagem e agradeço a indicação :)
    Abraços.

    ResponderExcluir
  7. Oi, tudo bem?
    Li esse livro no começo do mês e esta é a primeira resenha que leio dele de uma forma mais aprofundada, porque eu notei alguns erros no livro, mas mesmo assim não deixou de ser uma leitura rápida, bom, pra falar a verdade eu não curti tanto assim ele, pelo fato dos clichês e de não torcer muito pelo romance do casal. Espero ler mais livros da autora, já que eu não fui tão fã assim deste.

    ...
    Abraços,
    @cluaz

    ResponderExcluir
  8. Olá, eu acho a capa e o título desse livro bem interessantes. Ainda não sabia ao certo do que se tratava. Talvez eu o leia futuramente, fiquei curiosa para descobrir quais os outros segredos dos personagens.

    ResponderExcluir
  9. Oi Nina, o livro não me chamou minha atenção ainda, apesar de parecer uma leitura boa e reflexiva para se fazer

    Bjs Rose

    ResponderExcluir
  10. Eu realmente quero ler esse livro desde que a editora anunciou o lançamento. Não costumo ler romances e fujo de histórias de amor, mas essa parece diferente e vou dar uma chance eventualmente.

    ;*

    ResponderExcluir
  11. Olá,

    Quando foi lançando não senti o mínimo interesse em fazer essa leitura, mas aí as resenhas começaram a aparecer, e a cada nova resenha eu fui ficando mais e mais curiosa, já me disseram que é uma mistura de A seleção com algo mais, não sei bem o que pensar disso ainda, porém estou bem animada, espero ler em breve.

    Beijos,
    oculoselivrosblog.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  12. Que bom que achou a leitura rápida e agradável, porque pretendo ler em breve. Fiquei curiosa para conferir esses clichês com toque diferenciado, e esses diálogos sobre estratégia. Aliás, tudo no livro me interessa, acho que vou conseguir relevar o machismo e curtir a leitura.

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja machista, LGBTQAfóbico(a), ou racista. O mundo agradece :)

Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.

INSTAGRAM