Terra molhada: à liberdade de ser

Pra comemorar o dia da visibilidade lésbica (29), quero falar de um livro que queria ter lido há muito mais tempo, mas que só pude realmente fazer a compra esse mês.

Eu falei de Terra molhada aqui nesse post e a resenha de hoje é sobre ele.


Título: Terra molhada
Autora: Thalita Coelho
Editora: Patuá
Ano: 2018
Páginas: 103
★★★★★ +

Conheci o livro porque sigo a Thalita Coelho há um bom tempo no Instagram e, apesar de não me identificar como lésbica, eu I. amo poesia, II. amo ler sobre liberdade e III. amo apoiar pessoas LGBTQ. Por isso, cada vez que eu lia um trecho de qualquer coisa que a autora postava no seu perfil, eu ficava mais e mais com vontade de ler a obra completa. 

Como a Thalita divulga bastante o que escreve, você pode pensar que não tem muita graça ler o livro inteiro, mas tem, sim. Apesar de eu já ter conhecido antes algumas frases e estrofes, pegar Terra molhada foi totalmente diferente. Foi como se tivesse lendo tudo pela primeira vez. 

O livro une poemas, textos curtos em prosa e ilustrações. A leitura é muitíssima rápida, também porque ele é mesmo bem curto. E, pra quem ama poemas como eu, isso pode ser meio frustrante, porque é como se o que você leu não foi o suficiente (#CADÊMAIS).

O que mais me tocou durante a leitura foi o fato de que o livro não se debruça num único tema sobre a lesbianidade. Ele não fala excessivamente do amor romântico, por exemplo. Terra molhada consegue pegar um punhado de vários assuntos relativos à sexualidade, desde a rejeição da heteronormatividade à afirmação ser lésbica sem utilizar eufemismos ou sutilezas. 

Outro ponto muito bom foi o modo como as palavras foram escritas. O leitor entende que, por mais que tenha havido uma escolha, elas estão ali naturalmente. O estilo literário da Thalita é simples e acessível, o que torna a leitura muito mais próxima, assim como o entendimento. Existe certo lirismo, um jogo poético de palavras, mas que, ao invés de tornar a narrativa "fofa", faz com que haja certa suavidade, proporcionando ao leitor momentos mais tênues em meio a algumas rudezas tristes. 

Percebe-se muita sinceridade nos textos, o que permite que também exprima situações mais desnudas e menos jogadas à margem, como no caso do erotismo. Alguns poemas falam da necessidade imediata do amor, da necessidade urgente de se livrar de amarras sociais e da necessidade sôfrega de se falar quem se é. 

Terra molhada fala também de autoestima, de rejeição pelo que se é, da solidão de ser diferente e da mulher. Durante todo o livro, o leitor acompanha um eu-lírico em busca da vida a partir de seu local de fala e de dor.

Desde que comecei a ler sobre heterossexualidade compulsória (já faz uns três anos), toda a construção social que existe nas relações "convencionais" me alerta para espaços que ainda são invisibilizados. E, por isso, fiquei muito feliz por ler textos que falam abertamente que homens não são bem-vindos nesses espaços. Se a gente pensar que ser homem é ter poder, significa que sabemos que são eles que definem quem são os que não têm poder. E a mulher lésbica é duplamente atingida por isso, uma vez que I. é mulher e II. ama afetiva e/ou sexualmente outras mulheres. O intuito de se rejeitar os homens, nesses textos, não é o de dizer que as mulheres lésbicas os odeiam, mas o de lembrar que, por causa dessa "obrigatoriedade" de se amar o gênero oposto, acontece uma violência. 

Obviamente, as violências abordadas em Terra molhada não se mostram explícitas, mas quem tem conhecimento de lesbofobia e mesmo de heterossexualidade compulsória, reconhece muitas delas nas entrelinhas. Por esse lado, o livro se mostra necessário e triste, já que é uma realidade que ainda é ignorada, invisibilizando a própria existência da sexualidade. 

Em contrapartida, há muita liberdade revelada. Aqui, não se lê exatamente o momento da descoberta ou mesmo da aceitação da lesbianidade, mas momentos diversos de se existir conhecendo-se completamente, ou seja, não há um processo de construção da identidade. A identidade, nesse caso, já está construída e apenas é afirmada. 

O que eu mais amo na literatura que fala de sexualidade e de gênero é, justamente, a liberdade. Não somente a liberdade de se existir como é, mas a de rejeitar o padrão imposto pela sociedade. Eu sei que aqui, no mundo real, nem todas podem ser cem por centro livres, mas é por isso que a literatura que fala dessas questões é tão importante. Ela diz às pessoas que isso existe e que essas realidades precisam ser conhecidas. 

Eu não poderia ter gostado menos de Terra molhada, pois tem uma força discursiva incrível, tanto por causa da lesbianidade como da mulheridade






Algumas ilustrações: 

 Essa tá na capa, mas também dentro e ela é tão linda que foi impossível não tirar uma foto 




Links legais: 
★ Visibilidade lésbica (Louie Ponto)
★ Visibilidade lésbica (Revista Capitolina)
★ Eu, lésbica visível (Ju Giampaoli)
★ Conheça a história de luta das lésbicas brasileiras (Revista AzMinas)
★ Visibilidade Lésbica: conheça 21 obras e artistas inspiradoras (Revista Galileu)


Love, Nina :)

15 comentários:

  1. Amei conhecer mais detalhes sobre o livro nessa resenha! Com certeza quero ler

    ResponderExcluir
  2. ah, deve ser uma leitura incrível. amo poesia e já fiquei curiosa com essas que vc postou... as imagens tbm são lindas... acho importante discutir a temática, dar visibilidade a literatura lésbica...
    bjs...

    ResponderExcluir
  3. A leitura desse livro deve ser maravilhosa, pois fala de assuntos que a maioria das pessoas nunca fala no dia-a-dia,gostei da autora ter dado mais importância para as mulheres lésbicas, adorei a resenha.

    ResponderExcluir
  4. Olá, tudo bem? Não tinha conhecimento desse livro ainda, mas adorei conhecer, principalmente por ser formado por poesias e tratar de temas tão importantes, que precisam ser debatidos. Ótima resenha!

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  5. Não conhecia o livro e você conseguiu nos prestar uma espécie de imersão ao enredo através de suas palavras e fotos.
    Eu ando lendo poesias, poemas, sonetos, por conta da faculdade, mas é aquilo, por se tornar obrigação, estou fugindo desse tipo de leitura quando é por hobby, ao menos por enquanto. Espero que essa passe, pois curto o estilo.

    Beijos.

    www.alempaginas.com

    ResponderExcluir
  6. Oiii Nina

    Nunca tinha visto o livvro e achei tudo interessante, os verosos, as ilustrações. Confesso que poesia e poemas não meu tipo de leitura habitual, mas esse por ser curto e rápido parece ser uma dica boa.

    Beijos

    www.derepentenoultimolivro.com

    ResponderExcluir
  7. Oi NIna tudo bem? Gosto de poesias, mas faz muito tempo que não leio nada relacionado ao mesmo, não conhecia a autora e nem o livro, obrigado pela dica, parabéns pela resenha. Bjs!

    ResponderExcluir
  8. Olá,

    Esse livro é uma mescla artística que vira uma obra-prima maravilhosa.
    Também não gosto quando a leitura é rápida, mas esse deve valer a pena.
    Como ando estudando sobre algumas temáticas abordadas nesse livro, ele vai ser um ótimo meio informativo.

    Beijos!

    ResponderExcluir
  9. Nossa, Nina! Que dica de leitura maravilhosa. Eu não conhecia o livro e gostei muito da proposta dele. Não consigo me imaginar passando por situações como as que as pessoas LGBTs passam, mas me entristece muito saber que existe tamanho preconceito ainda nos dias de hoje. As ilustrações parecem acrescentar muito mais intensidade à obra e quero comprar esse livro.

    ResponderExcluir
  10. Não sabia sobre essa obra, e fiquei encantada com sua resenha, e com muita vontade de ler agora. Gosto de livros que falam sobre temas profundos e importantes assim. Adorei as ilustrações.
    beijos

    ResponderExcluir
  11. Olá, Nina! Eu não conhecia esse livro, na verdade nunca tinha escutado falar dele antes mas, ADOREI o seu posicionamento sobre o tema porque, muitas pessoas não conseguem compreender que apesar de não ser lésbicas apoiamos a causa delas, principalmente acreditamos que todas as pessoas devem ser respeitadas independente da sua orientação sexual.
    Eu vou procurar conhecer mais sobre o livro antes de comprar mas, a sua resenha ficou incrível e tenho certeza que abrirá a mente de muitas pessoas!

    Beijos e Abraços Vivi
    Resenhas da Viviane

    ResponderExcluir
  12. Gostei da sua postagem, sempre estou visitando seu blog e lendo suas postagens.. Seu blog está salvo em meus favoritos..

    Parabéns!

    Amo seu blog ❤️..

    Meu Blog: Jaqueline

    ResponderExcluir
  13. Olá,
    Interessante o livro. Eu também não me identifico como lésbica, mas eu leria o livro por curiosidade. Gostei da liberdade que ele propõe e também sobre falar de autoestima.

    Debyh
    Eu Insisto

    ResponderExcluir
  14. Olá, tudo bem?

    Eu gostei da sua publicação, confesso que não conhecia esse livro e a autora, mas achei muito boa a sua dica e fique com vontade de realizar a leitura de "Terra molhada". Eu curto qualquer tipo de leitura, livros pequenos ou grandes e esse parece ser um livro que podemos ler rapidamente.
    Abraço!

    ResponderExcluir
  15. WOW! Eu não conhecia e obra eu agora desejo loucamente *o*
    amo/sou obras sobre sexualidade e amei as imagens que você colocou, me lembra muito o livro da rupi.

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja machista, LGBTQAfóbico(a), ou racista. O mundo agradece :)

Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.

Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.