TOP 5: autoras que amei conhecer em 2018

dezembro 16, 2018
Eu estava com saudade de fazer um TOP 5 e comecei a pensar qual temática abordaria. Foi fácil descobrir, porque esse ano eu tive ótimas surpresas com mulheres autoras incríveis. Então, esse post é dedicado a cinco delas, que fizeram o meu ano mais reflexivo, mais sábio e mais realista.

Angela Davis

Eu ainda estou descobrindo as obras da Angela. Ainda não tive a oportunidade de ler Mulheres, raça e classe na íntegra, mas estou lendo capítulos avulsos, que estão disponíveis em e-books. O capítulo mais chocante e triste até agora foi sobre o mito do estuprador negro. A Angela fala sobre a mulheridade de uma forma que ultrapassa o feminismo branco (ainda bem!), pois ela sabe do que fala: o racismo é também uma estrutura social que contribui com o machismo. Ler essa autora está me dando um verdadeiro amor ao feminismo negro e tenho amado demais aprender com ela.


Djamila Ribeiro

Quando li Quem tem medo do feminismo negro?, eu sabia aproximadamente 2% sobre ele e fico imensamente feliz pela Djamila explicar tão bem e com tantos exemplos práticos como o racismo repercute nas mulheres negras. Tal qual Angela, a Djamila tem me ensinado a abrir os olhos para a grande parcela do Brasil que ainda é exterminada e privada de direitos básicos.


Yaa Gyasi

Ter lido O caminho de casa fez que eu percebesse que grandes histórias estão em qualquer lugar. E que nós temos, urgentemente, que parar de vangloriar histórias eurocêntricas (que se espalhou para as Américas). Yaa conseguiu transformar a história de um povo num único livro; dar sentido a uma ancestralidade é a lição que mais adorei aprender com ela. 


Emma Cline

Com As garotas, aprendi mais sobre relacionamentos abusivos e tóxicos. A Emma me fez entender que 2018 não está tão longe dos anos 60 e que continuamos presos por diversos mecanismos sociais invisíveis. Falar sobre mulheres é amplo e diverso, mas falar de mulheres adolescentes é ainda mais difícil, porque você precisa entender esse universo como dinâmico e longe da estereotipagem que muita gente ainda vê nessa fase da vida. Esse livro me fez perceber que narrativas sobre garotas adolescentes podem ser incríveis. 


Charlotte Perkins Gilman

Eu relutei algum tempo para ler O parede de parede amarelo, porque terror psicológico não é muito a minha praia, mas pelo conto falar de saúde mental amenizou o terror e me fez, na verdade, deparar com uma realidade muito dura e ainda estereotipada sobre mulheres e saúde mental. O conceito de mulher na narrativa dela perpassa toda uma complexidade aquém do óbvio e da mitigação social, além de se afastar de estereótipos. 


Acho que o mais me chamou atenção nessas autoras foi o fato de elas terem ido de encontro às ideias predominantes sobre mulheres - negras, brancas -, porque mostraram abusos, violências e subordinações que dificilmente as pessoas estão dispostas a ler, já que não querem lembrar que o mundo não é um lugar apenas bonito. 

O mundo real é difícil, injusto, machista e racista. Fechar os olhos pra tudo isso é compactuar com esse sistema, e essas autoras fizeram o contrário. Elas escancaram o mundo real para que as pessoas pudessem enxergá-lo como ele é. 

As pessoas não deveriam escrever apenas sobre as coisas bonitas. Eu agradeço por existir mulheres que não escrevem uma literatura bonitinha. 

~

Quais mulheres você amou conhecer nesse ano? 


Que tal começar a contribuir para um mundo mais fraterno? (Clique AQUI).

Love, Nina :)

15 comentários:

  1. Que post imensamente inspirador! Li "O Papel de Parede Amarelo" esse ano e achei um texto muito necessário e que todos deveriam ler. Quero muito ler Angela Davis e Djamila Ribeiro, pois acredito muito nos ideais que elas defendem. Saber sobre essa narrativa da Emma Cline me deixou curioso para conhecer seu livro. Uma mulher que amei conhecer foi a Conceição Evaristo, simplesmente magnífica. Amei o post!! Beijos do Wes ^^

    ResponderExcluir
  2. Adorei ver as suas dicas, ainda não li nada dessas autoras, mas certamente já entraram para a minha lista de autoras que eu preciso ler. Fiquei muito curiosa para ler as obras de cada uma delas, eu tenho me envolvido cada vez mais com o feminismo e preciso muito de livros escritos por mulheres como elas para me ajudar a crescer.

    ResponderExcluir
  3. Olá, tudo bem? Ah, que postagem mais incrível! Eu não li nada das autoras que tu citou, mas já que tu gostou de conhecer vou adicionar na minha lista de desejados, principalmente porque parecem ser leituras incríveis e necessárias.

    Beijos,
    Duas Livreiras

    ResponderExcluir
  4. Olá tudo bem?!
    Que demais este post! Das autoras citadas eu conhecia apenas a Djalma Ribeiro (que alias, a vi em um evento, e foi simplesmente maravilho a escutar e ter o prazer de vê-la, é realmente uma escritora incrível). Estou com o livro "As garotas" da Emma para ler e espero poder fazer esta leitura em breve!

    ResponderExcluir
  5. Eu também não conhecia nenhuma das autoras citadas, mas pela sua descrição do assunto do qual elas descrevem já fiquei muito curiosa, e com bastante interesse em ler suas obras, por isso já vou procurar mais detalhes. Espero gostar tanto de suas escritas, quanto você. Inclusive amei a ideia, e quero muito fazer o mesmo top 10 no meu blog, teria algum problema?

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Na verdade top 5, e não top 10.

      Excluir
    2. Oi, Lana. Claro que não tem problema, fico feliz que meu post tenha te inspirado, vai em frente! :) Beijos.

      Excluir
  6. Olá, eu gostei muito de conferir essa sua lista com cinco autoras, fiquei com muita vontade de ler As garotas depois de seus comentários sobre ele e a autora. Da sua lista, só li O papel de parede amarelo da Charlotte Perkins Gilman e gostei muito, fui uma leitura bem marcante para mim, quero ler mais obras dela.

    ResponderExcluir
  7. Olá
    Não conhecia essas autoras e nem o que elas escrevem vou dá uma procurada nos livros para vê se eu adiciono na minha lista

    ResponderExcluir
  8. Ola... tudo bem?

    Nao conhecia nenhuma dessas autoras e nem as suas obras, porem, pelo que pude ver, acredito que os seus livros nao se encaixam muito no meu estilo de leitura.

    Beijos

    ResponderExcluir
  9. Menina, não conheço nenhuma das autoras do seu top 5, mas achei muito válida essa postagem, ainda mais por serem mulheres com coragem para mostrar que nem tudo são rosas. Então anotar esses nomes e espero que em 2019 eu as conheça.

    Bom final de ano.

    ResponderExcluir
  10. Olá Nina, ainda não tive a chance de ler nenhum livro dessas autora, mas acompanhei suas resenhas e quero muito ler em 2019 Mulheres, raça e classe e Quem tem medo do feminismo negro? <3

    ResponderExcluir
  11. Oi Nina,
    Não conheci nenhuma dessas autoras em 2018, mas estou louca para ler O papel de parede amarelo e Quem tem medo do feminismo negro?
    Achei muito legal você ter apresentado esses livros por aqui e espero que eu tenha oportunidade de conhecer novas autoras em 2019.
    Beijos,
    @umoceanodehistorias_

    ResponderExcluir
  12. Olá, tudo bem? Simplesmente adorei o seu TOP 5. Não conhecia nenhuma delas, mas já anotei na minha listinha para conhecer. Sempre leio majoritariamente mulheres na literatura, e por isso não me é novo conhecer autoras ao longo do ano. São muitas haha Adorei a postagem <3
    Beijos,
    http://diariasleituras.blogspot.com.br

    ResponderExcluir
  13. Eu sou do tipo que ama a literatura com histórias bonitas, especialmente porque de difícil é triste já me basta a vida, mas eu entendo a necessidade de se ter essas histórias, de se contar sobre eles da forma real e admiro muito quem "coloca a cara no sol" e faz isso. Djamila é a única que conheço da sua listagem e a conheci na faculdade, me encantei com seu discurso e suas histórias e, sem dúvidas, ela merece muito estar nesse top 5 que parece ser bem selecionado.

    ResponderExcluir

Olá, obrigada pelo comentário, mas, para evitar passar vergonha na internet, por favor, não seja machista, LGBTQAfóbico(a), ou racista. O mundo agradece :)

Qualquer preconceito exposto está sujeito à remoção.

Editado por Alice Gonçalves . Tecnologia do Blogger.